Press "Enter" to skip to content
Palestinos carregam o corpo de Obaida Jawabreh, morto por soldados israelenses, em seu funeral ao norte de Hebron, na Cisjordânia ocupada, em 18 de maio de 2021. O mural mostra um retrato do escritor palestino morto Ghassan Kanafani (à esquerda) com seus dizeres em Árabe: “Os corpos caem, mas as ideias perduram”. (Hazem Bader / AFP via Getty Images)

Ghassan Kanafani se tornou um mártir da libertação palestina

[molongui_author_box]
Tradução
Gercyane Oliveira

Hoje faz 50 anos desde que agentes israelenses assassinaram Ghassan Kanafani em Beirute. O atentado terrorista silenciou o escritor palestino - mas falhou em tentar destruir o espírito de resistência de seu povo.

08 de julho marca 50 anos do assassinato de Ghassan Kanafani, o escritor palestino, herói e mártir que morreu em um atentado em Beirute. O assassinato foi realizado por agentes do Estado israelense na esperança – tanto em 1972 como hoje – de enfraquecer fatalmente a luta pela libertação palestina.

No entanto, meio século depois, o legado de Kanafani continua vivo – deixando muitas lições para os militantes de hoje em dia. Uma delas é que o Estado israelense e seus agentes e aliados norte-americanos sempre temeram a voz da emancipação e da democracia – e assim também do socialismo. A luta na Palestina vai muito além de motivos religiosos. Outra lição relacionada foi reafirmada pela recente execução da jornalista Shireen Abu Akleh por atiradores israelenses. Mostrou novamente o quanto o sionismo é rápido em negar o direito dos palestinos à resistência armada e eles podem ser ainda mais hostis com os palestinos que deram tudo de si para transmitir suas esperanças, lutas e simples verdade em palavras e histórias.

As desculpas do Estado israelense no momento em que Kanafani foi assassinado recorreram a outra característica sempre confiável de seus métodos, desviando a atenção para o então recente ataque ao aeroporto de Lod por membros do Exército Vermelho Japonês. Que um autor palestino no Líbano tenha sido considerado um alvo legítimo em resposta a um ataque executado por militantes japoneses dentro da Palestina ocupada por Israel é apenas mais uma indicação das falsas acusações usadas para justificar a brutalidade sionista.

No entanto, se a morte de Kanafani merece ser lembrada hoje – e sua história foi consolidada entre as gerações mais jovens que se envolvem no movimento global pela Palestina – ele deveria, acima de tudo, ser honrado por sua vida e por sua produção escrita. Pois é lá que suas palavras e pensamentos ainda respiram.

Fontes de resiliência

Em uma obra de 1962, Homens ao Sol, Kanafani conta a história de trabalhadores palestinos entrando em um caminhão pelo deserto iraquiano, na esperança de trabalhar na rica nação petrolífera do Kuwait. Em sua premissa e contexto econômico, o romance trata da constante traição do mundo árabe aos palestinos, particularmente no Golfo.

A punição passada pelo motorista do caminhão, referenciada principalmente em seu trauma, serve como metáfora para a emasculação dos palestinos sob os desarmamentos do sionismo e falsas narrativas de paz. O fato de que os eventos críticos da história dependem de uma disputa burocrática, de forma misteriosa, prevê a expulsão dos palestinos por meio de papelada, da qual os Acordos de Oslo – três décadas depois que o livro foi escrito – marcariam o insuperável.

Uma década depois, a outra obra mais conhecida de Kanafani, Retorno à Haifa, de 1970, ainda estava cheia da riqueza do realismo mágico pelo qual a imaginação palestina pode transcender, processar e até certo ponto desfazer a catástrofe da Nakba. O romance vê um casal palestino voltando para sua casa na cidade portuária, que desde então tem sido ocupada por colonos judeus. Estes últimos criaram como seus próprios filhos o bebê, agora chamado Dov, que encontraram lá quando seus pais foram obrigados a fazer uma fuga infernal e caótica em 1948.

O reencontro, em um momento em que o leitor espera para descobrir se a criança se sente palestina ou israelense, reconhecimento ou estranheza, observa Kanafani, faz parte da reflexão se o palestino ou qualquer uma causa política pode realmente viajar no sangue da pessoa. Perceptivamente – demonstrando um entendimento que só pode vir de empatia com o pensamento israelense também – Kanafani também lança o desejo inocente e ainda assim sinistro dos pais adotivos e da criança adulta de falar e continuar falando sobre o que aconteceu.

Esta é uma metáfora sutil para o gosto dos “moderados” israelenses do passado mesmo diante de uma tragédia palestina sem fim, da perda e do desgosto no coração. Esta constante preocupação com a confiança obriga os palestinos a sempre reunirem novas resistências; é um crime por parte do mundo estrangeiro, atenuado apenas pelo fato de que os palestinos, por enquanto, ainda parecem, de alguma forma, serem capazes de atender a uma demanda tão injusta.

Uma conversa entre a espada e o pescoço

Crucialmente, porém, é a percepção de Kanafani aqui, ao procurar compreender até mesmo a psicologia de seu opressor, que mostra o poder de sua empatia. Isto de alguma forma abafa o lado mais fraco fisicamente ao mais forte moralmente, pois os palestinos encontram a violência extrema e indigna do sionismo com a dignidade que representa a maior parte do que eles ainda têm. Imagens recentes dos porta-vozes do caixão de Shireen Abu Abkleh, implorando aos policiais sionistas que empunhavam cassetetes para não atacar um funeral, captam igualmente este sentido no qual os palestinos podem ver os israelenses e sua brutalidade muito melhor do que eles mesmos.

Se houver uma espécie de triunfo silencioso – uma espécie de preservação da dignidade da nobreza palestina diante dos desprezíveis – então isso também pode ter consequências perigosas. Um apoio crescente e global a Palestina é apenas a reação lógica, óbvia e moral à brutalidade sionista, mas esta solidariedade com a Palestina é muitas vezes mal interpretada – por mais desonesta ou não – como algum tipo de antipatia com os judeus. Este complexo de vitimização pode, por si só, assustadoramente alimentar algumas das ideologias que justificam a violência israelense.

Através da responsabilidade do escritor de humanizar seus personagens, tendo que entender até mesmo seus piores defeitos, Kanafani demonstra um abraço da complexidade. No entanto, isto é colocado à tarefa de entender e agir em vez de – como é frequentemente o caso da Palestina – ofuscar.

Enquanto seus romances capturam as menores nuances, Kanafani também foi um especialista com humor. Como grandes literatos como Oscar Wilde, é fácil imaginá-lo no mundo rápido e incisivo das redes sociais. A famosa frase “Não é um conflito, é um movimento de libertação lutando por justiça”, é de Kanafani e exemplifica sua compreensão do papel da linguagem em como os acontecimentos na Palestina são enquadrados e assim entendidos.

Ele foi inabalável ao reconhecer a conexão entre criatividade e armas na luta palestina, respondendo que suas ferramentas eram “tudo o que eu pudesse usar para me proteger: pincel, caneta, arma – todos são ferramentas de autodefesa”.

Em uma famosa entrevista com o jornalista australiano Richard Carleton, Kanafani rejeita a implicação colonial de que os palestinos deveriam ser obrigados a renunciar aos seus direitos, como uma condição prévia útil para a paz. Na mesma entrevista, Kanafani foi questionado sobre a necessidade de conversas com os israelenses sob tais condições; ele rejeitou tais termos como uma conversa “entre a espada e o pescoço”.

As imagens de arquivo, as citações de improviso e os romances evocam, de maneira crucial, uma orgulhosa tradição de proezas oratórias, artes e criatividade a serviço da causa palestina. O surgimento de jovens escritores palestinos brilhantes como Mariam Barghouti, Mohammed El-Kurd, ou mesmo a sensação hip-hop Gazan Abdulrahman al-Shantti não pode ser separada desta herança em um “novo” desenvolvimento, como se fosse “descoberta” pelo público ocidental. Se os eleitores ocidentais que ainda financiam e armam a ocupação israelense pudessem, ao invés disso, entender que esta sempre foi a natureza da resistência palestina, que simplesmente passou décadas sendo negligenciada, então isso seria tudo para o bem.

Sua caneta era sua arma

Como todos os melhores escritores, Kanafani diz tudo, dizendo muito pouco. Ele torna simples a complexidade. Sua escrita brilha com uma compreensão da falibilidade humana, mas também da força eterna da causa da libertação palestina pela qual ele lutou, defendeu e – o mais importante – escreveu. Sua caneta, como foi dito com frequência, era sua arma.

A bomba que tirou a vida de Kanafani o fez quando ele tinha apenas 36 anos – três anos mais novo que Malik el-Shabazz (Malcolm X) ou Martin Luther King quando eles também foram assassinados por um mundo que ainda precisava deles. Meio século depois, a Mossad [policia especial israelense], que fez a ação, tornou-se sinônimo de ações ilegais, conduzidas sob as sombras. Ela persiste na crença tola de que também pode matar a causa pela qual Kanafani teve sua vida roubada. Os agentes que assassinaram Kanafani permanecem anônimos no mundo e diante dos deuses de qualquer fé.

O projeto do Estado israelense, assim como a Mossad especificamente, é violento em suas ações, mas cada vez mais fraca em sua constituição moral ou mesmo na coesão interna. Qualquer projeto laico para Israel foi canibalizado pela violência dos colonos e pelo nacionalismo extremo em que se baseia para se sustentar e expandir. Enquanto isso, a crescente religiosidade, tanto dos judeus ortodoxos como dos não ortodoxos, distorce qualquer pretensão de um lar livre, democrático e não-colonizador para os judeus da Ásia Ocidental.

Ao mesmo tempo, os contínuos assassinatos de palestinos e outros que resistem apenas aprofundam a reputação de um projeto israelense que opera através de tais métodos porque não consegue entender a dignidade das palavras. Sempre irrepreensíveis, as palavras são algo que a tirania não consegue reprimir.

Kanafani e sua caneta brilharam na vida. Mas 50 anos após seu martírio, ambos continuam brilhando, enquanto a Mossad e Israel, a que ele se opôs, se tornam cada vez mais párias. O veredicto de que este é apenas um triste regime do apartheid está se tornando cada vez mais difícil de refutar, mesmo entre seus defensores mais antigos.

É de alguma forma apropriado que um regime israelense tão comprometido com a propaganda e a censura perca lentamente a batalha para um autor como Kanafani: um homem humilde em todas as formas mais importantes e glorioso em tudo o que há de melhor. Junto com sua sobrinha de 17 anos, Lamees Najim, também morta no covarde ataque de 1972, Kanafani está agora em toda parte, suas palavras e seu espírito são incandescentes.

Sobre os autores

é escritor e jornalista. Seu último livro é Fifty Miles Wide: Cycling Through Israel and Palestine (Arcadia, 2020).

Cierre

Arquivado como

Published in Guerra e imperialismo, Livros, Oriente Médio and Perfil

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux