Não, a Finlândia não é um “paraíso capitalista”

10/12/2019

Por
Matt Bruenig

Tradução
Cauê Ameni

No país mais feliz do mundo, o governo possui quase um terço da riqueza do país e 90% dos trabalhadores são cobertos por um contrato sindical. Pode não ser o socialismo, mas também não é um “paraíso capitalista”, como o New York Times afirmou ridiculamente no fim de semana.

Helsinque, Finlândia, por volta da meia-noite de 20 de junho de 2011. Jennifer Woodard Maderazo / Flickr

No fim de semana, Anu Partanen e Trevor Corson publicaram um artigo no New York Times argumentando que a Finlândia é, claramente, um “paraíso capitalista”. O artigo é muito familiar para quem acompanha esse debate. Eles observam que a Finlândia tem altos impostos e um generoso Estado de bem-estar, mas depois diz que o país é bastante capitalista e talvez até mais capitalista do que os EUA.

Ao contrário da maioria das pessoas que escrevem esse tipo de defesa, os autores aqui não estão sendo maliciosos. Partanen e Corson estão tentando abrir os olhos dos norte-americanos para as glórias de um estado social abrangente e acha que subestimar os outros aspectos socializados da economia finlandesa é uma boa maneira de fazer isso. Ela pode muito bem estar certa sobre sua estratégia retórica, mas, em última análise, não é verdade que o modelo econômico da Finlândia seja apenas o capitalismo comum, com generosos benefícios sociais.

Para começar, o governo finlandês possui quase um terço da riqueza do país. Para que os Estados Unidos correspondam a esse valor, o governo dos EUA precisaria expropriar cerca de US$ 35 trilhões em ativos privados para a propriedade pública.

Os finlandeses também têm um grande setor público, o que significa que não apenas a riqueza é muito mais socializada, mas também a produção. Cerca de um quarto dos trabalhadores finlandeses estão empregados em serviços do governo, como assistência infantil, médica e educacional. Outros 7% estão empregados em empresas estatais como a companhia aérea nacionalizada do país, a Finnair.

Os Estados Unidos precisariam deslocar 24,7 milhões de trabalhadores do setor privado para o público para começar a parecer com a Finlândia. Também seria necessário expandir seu portfólio de empresas estatais além do serviço postal, Amtrak e Tennessee Valley Authority, para incluir itens como American Airlines, Exxon Mobil e Verizon.

Fora das áreas explicitamente socializadas de propriedade e produção públicas, a Finlândia também possui um movimento trabalhista amplo e poderoso que claramente dá aos trabalhadores finlandeses um poder significativo sobre a economia do país. Cerca de 90% dos trabalhadores finlandeses são cobertos por um contrato sindical. Para elevar os trabalhadores estadunidenses aos níveis finlandeses, seria necessário sindicalizar mais 119 milhões de trabalhadores.

Como vimos algumas semanas atrás, os finlandeses sindicalizados também não são meros membros de um sindicato ou jornal. Em novembro, em resposta a 700 trabalhadores dos correios que receberam um corte salarial, cerca de 60.000 trabalhadores (em um país de 2,2 milhões de trabalhadores) entraram em greve em solidariedade, fechando portos, ferrovias, ônibus e companhias aéreas. Os cortes salariais foram cancelados e o primeiro-ministro renunciou após tentar enganar o povo. Outros 100.000 trabalhadores finlandeses devem entrar em greve esta semana, causando perdas de centenas de milhões de euros na produção, como parte das negociações de contratos no setor industrial.

Nada disso, entretanto, significa dizer que a Finlândia é uma sociedade socialista completa. Definitivamente poderia e deveria ser mais socializado e de esquerda do que é. Mas, ao dizer isso, não devemos perder de vista a diferença entre a Finlândia e os Estados Unidos. Para corresponder ao modelo econômico finlandês, os Estados Unidos precisariam não apenas construir um estado social-democrático de bem-estar, mas também socializar US$ 35 trilhões em ativos, sindicalizar 120 milhões de trabalhadores e transferir 25 milhões de trabalhadores para o setor público.

Por mais que os moderados gostem da postura de admiradores da Finlândia e do modelo nórdico em geral, eles nunca parecem muito interessados em promover propostas mais radicais para mover os EUA nessas direções socializadoras.

Sobre os autores

é o fundador do People's Policy Project.

Sobre o autor

Matt Bruenig é o fundador do People's Policy Project.