Outra Alemanha Oriental era possível

10/12/2019

Por
Andreas Peglau

Tradução
Cauê Ameni

As cenas de milhares de alemães passando pela travessia do Muro de Berlim em 9 de novembro de 1989 são lembradas como o fim da Guerra Fria. Mas, em 4 de novembro, cerca de um milhão de pessoas havia se manifestado a favor de uma reforma: eles queriam criar o socialismo democrático na Alemanha Oriental.

A manifestação marcha pela Alexanderplatz, em 4 de novembro de 1989. Ralf Roletschek / roletschek.at

No início de 1989, ninguém acreditava que fosse possível uma mudança de poder na República Democrática Alemã (RDA), no Oriente ou no Ocidente. Erich Honecker, secretário geral do Partido Socialista da União (SED) e presidente do Conselho de Estado, declarou em meados de janeiro daquele ano: “O muro continuará a existir daqui a cinquenta e até cem anos se as razões para sua existência não for resolvida”.

O fato de sua avaliação ter sido amplamente aceita é evidenciado por uma decisão tomada pelo editor conservador da Alemanha Ocidental Axel Springer. Por décadas, seus jornais e revistas populares (incluindo o tablóide Bild) colocaram as iniciais “RDA” entre aspas, como forma de questionar a legitimidade do estado da Alemanha Oriental. Essa prática estava agora no fim.

Nove meses depois, a situação era fundamentalmente diferente. Dezenas de milhares de alemães orientais haviam deixado seu país para ir ao Ocidente no verão, principalmente pela recém-aberta fronteira húngara com a Áustria. Grupos de oposição como o New Forum estavam ganhando rapidamente as massa, e um número crescente de pessoas em Leipzig e em outras cidades começava a pedir reformas políticas semanalmente nas chamadas “manifestações de segunda-feira”.

Em 7 de outubro, quadragésimo aniversário da fundação da RDA, os líderes da SED continuaram a fingir que tudo estava bem no país. Policiais e agentes de segurança do Estado atacaram novamente, literal e figurativamente, quando os cidadãos tentaram protestar contra as celebrações oficiais naquela noite. O Politburo forçou Honecker a se aposentar no dia 18 de outubro e o substituiu por Egon Krenz como secretário geral. Contudo, as manifestações em toda a RDA continuaram a crescer e, em 9 de novembro, foi aberta a travessia do Muro de Berlim.

Hoje, o relato oficial da história tende a resumir os eventos da seguinte forma: os cidadãos da RDA há muito tempo estavam cansados de seu Estado e saíram às ruas para finalmente viverem com seus irmãos no Ocidente. Então veio a abertura do Muro, a reunificação e, com ela, a liberdade que os alemães orientais ansiavam por todos esses anos. De acordo com essa falsa narrativa, a Wende da Alemanha Oriental (“turn”, a palavra alemã usada para denotar esse evento histórico hoje) foi coroada pela queda do Muro de Berlim. Mas não foi exatamente assim que as coisas aconteceram.

Outro socialismo era possível

Nove de novembro marcou o fim de tentativas populares anteriores de iniciar uma virada política dentro da RDA. A energia revolucionária que animara o movimento inicial logo desapareceu, difundindo-se no oeste vizinho através da fronteira aberta. Em vez de continuar reformando os sistemas políticos da RDA de várias maneiras, a maioria dos alemães orientais logo começou a exigir sua incorporação suave no sistema da Alemanha Ocidental – que não era propriamente aberto a mudanças.

O ritmo dessa mudança demonstrou que o interesse das massas em renovar a RDA não poderia ter sido tão grande quanto parecia brevemente antes da queda do Muro. Embora os ativistas da oposição da RDA mobilizassem temporariamente um grande número de pessoas, muitos deles logo penduraram seus casacos de volta nos cabides, por assim dizer, quando confrontados com o novo vento que soprava do Ocidente. Um grande número de ativistas fez o mesmo. Esse psicanalista que vos escreve pode acrescentar que as estruturas autoritárias de caráter prevalecentes na sociedade alemã, que nunca foram tratadas adequadamente após a guerra tanto Oriente quanto no Ocidente, não podiam lidar com a perspectiva de verdadeira liberdade e auto-responsabilidade.

A sedutora declaração do chanceler da Alemanha Ocidental Helmut Kohl de que os marcos alemães ocidentais transformariam o Oriente em um “país florescente” caiu em terreno fértil. As forças liberais e conservadoras conquistaram uma maioria esmagadora nas primeiras eleições não controladas pelo Estado para o parlamento da Alemanha Oriental, o Volkskammer, em 18 de março de 1990, e em 3 de outubro a RDA foi anexada à República Federal.

No entanto, a visão que motivou inicialmente o Wende nada tinha a ver com a Alemanha imediatamente reunificada. Foi principalmente impulsionado por outra coisa: “real”, “adequado”, “socialismo democrático”, juntamente com a adoção de perestroika e glasnost como Mikhail Gorbachev estava se propagando na União Soviética.

Os manifestantes também pediram a abolição do regime da SED, eleições democráticas, legalização dos movimentos de direitos civis que surgiam em todo o país, liberdade de imprensa e reunião, dissolução do Ministério da Segurança do Estado (também conhecido como “Stasi”), e o fim da vigilância pelos serviços secretos. Isso deveria ser combinado com uma reavaliação invariável da história da RDA – incluindo o papel do stalinismo – uma discussão franca sobre os problemas econômicos e os problemas ambientais do país e um fim para a censura da imprensa e o empobrecimento da mente pública pela mídia conformista do país. Outras demandas incluíram a introdução de modelos escolares não autoritários e ainda mais ciclovias. Em outras palavras: uma mistura explosiva e colorida de sugestões criativas para reformar e melhorar a República Democrática Alemã (RDA) – não aboli-la.

Vozes de 4 de novembro

Inúmeros documentos comprovam esse impulso inicial da Wende na RDA, incluindo a transmissão ao vivo pela televisão estatal da RDA da manifestação em 4 de novembro de 1989 na Alexanderplatz de Berlim, sobre a qual quase ninguém fala hoje. Entre 500.000 e um milhão de pessoas seguiram um chamado da cena teatral da Berlim Oriental para sair às ruas por uma Alemanha Oriental democrata e socialista. Foi o maior comício espontâneo e não estatal da história da RDA.

Masses of protesters gathered in front of the small stage on Alexanderplatz.
Bernd Settnik / German Federal Archive.

A marcha começou às dez da manhã no centro de Berlim, estendendo-se de Prenzlauer Allee através de Karl-Liebknecht-Straße até o Palácio da República, continuando até Marx-Engels-Platz e finalmente passando por Rathausstraße para terminar em Alexanderplatz, o coração da Berlim Oriental. Abrangia todo o centro da cidade, incluindo a sede das instituições estatais mais importantes (o Conselho de Estado, o Ministério das Relações Exteriores, o Comitê Central da SED, o parlamento, a prefeitura).

A manifestação foi aberta pela atriz Marion van de Kamp:

Caros colegas e amigos, pensadores que estão aqui! Nós, a equipe dos teatros de Berlim, damos as boas-vindas. A rua é a tribuna do povo – em todos os lugares onde é excluída dos outras tribunas. Não se trata de uma manifestação, mas de uma manifestação socialista.

Uma variedade de figuras levantou-se para falar em um pequeno palanque – atores proeminentes, escritores, compositores, cientistas, um advogado, dois teólogos, ex-chefe da agência de inteligência da RDA, membros do Politburo e do SED, do Novo Fórum e da Iniciativa para a Paz e os Direitos Humanos. Eles estavam cercados por um mar de pessoas que adicionavam suas próprias visões e demandas por meio de interjeições emocionalmente carregadas e faixas caseiras: “Contra o socialismo monopolista – Pelo socialismo democrático!”, “Sem mais privilégios – Somos o povo”, “Sem violência – Nós estamos aqui! ”, “ Democracia – Não é o caos!”, “ Tempo de brincadeira compartilhada para crianças saudáveis e com deficiência – Remova as barreiras!”, “ Imprensa livre para pessoas livres ”, mas também alerta contra o retorno ao conformismo: “Não vos deixes recuar!”

Não há dúvida de que este foi um evento de massas democrático de primeira ordem – um marco não apenas para o Oriente, mas para toda a história alemã. Ou, como o renomado autor Stefan Heym colocou no palco da Alexanderplatz:

Superamos a falta de palavras nessas últimas semanas e agora estamos aprendendo a andar de pé. E isso, amigos, na Alemanha, onde todas as revoluções até agora deram errado e onde as pessoas sempre se submeteram, sob o Kaiser, sob os nazistas… O socialismo – não o estalinista, mas o socialismo real – que finalmente queremos construir para nosso benefício e para toda a Alemanha, esse socialismo é impensável sem democracia. E a democracia, uma palavra grega, significa o governo do povo.

Trechos de outros discursos ressaltam os impulsos por trás do protesto. Jan Josef Liefers, agora um ator conhecido, declarou:

As estruturas existentes, as principais estruturas que sempre foram herdadas, não permitem renovação. É por isso que elas devem ser destruídas. Devemos desenvolver novas estruturas para um socialismo democrático. E isso significa, para mim, entre outras coisas, uma divisão de poder entre a maioria e as minorias.

Marianne Birthler, que trabalhava com jovens na administração escolar de Berlim e membro da Iniciativa para a Paz e os Direitos Humanos:

Estamos aqui porque temos esperança. A esperança reuniu nesta praça hoje cem mil vozes. Esperança, fantasia, insolência e humor. Essa esperança que finalmente começou a crescer na RDA há algumas semanas deveria ter sido derrotada nos dias e noites após a noite de 7 de outubro, antes de se tornar tão grande quanto hoje. … A pergunta que não foi respondida até hoje é: quem deu as ordens, quem assume a responsabilidade política?

Para Christa Wolf, um dos principais autores e membro do SED:

Eu tenho minhas dificuldades com a palavra Wende. Imagino um veleiro cujo capitão grita “Sobre o navio!” Porque o vento mudou, e a tripulação se afunda quando o mastro do navio varre o barco. Esta imagem é precisa? … eu falaria uma renovação revolucionária. Revoluções emergem de baixo. “Abaixo” e “acima” trocam de lugar no sistema de valores e essa mudança transforma a sociedade socialista da cabeça aos pés. Grandes movimentos sociais entram em movimento. … Então, vamos sonhar com nosso raciocínio bem acordado: imagine, é socialismo, e ninguém foge!

A conclusão da manifestação foi deixada para a atriz de 83 anos, Steffie Spira, também membro do SED:

Em 1933, fui sozinho para um país estrangeiro. Não levei nada comigo, mas na minha cabeça eu tinha várias frases de um poema de Bertolt Brecht: “Elogios à Dialética”.
Não vai ficar do jeito que está.
Quem está vivo, nunca diga “nunca”.
Quem reconheceu sua condição, como ele pode ser parado?
E nunca se torna: já hoje!

Outro palestrante, o teólogo de Wittenberg, Friedrich Schorlemmer, recapitulou a importância desta data quinze anos depois. Perguntado em uma entrevista por que ele ainda estava orgulhoso de sua participação em 4 de novembro, ele explicou:

Porque naquele momento o “D” ainda representava democracia e não “Deutschland” ou “D-Mark”. O dia 4 de novembro foi o dia em que – e isso é raro na história alemã – ocorreu um despertar democrático. Representantes desse pequeno povo encerraram a reivindicação de poder da SED e, com ela, uma ditadura com clareza, determinação e justiça humana.

Como podemos andar na vertical hoje?

À luz de tudo isso, 4 de novembro de 1989 merece ser destacado em vermelho e sublinhado com ousadia nos escritos sobre a história alemã recente. No entanto, apesar da transmissão de TV sobrevivente, nenhum documento em vídeo do protesto está disponível para adquirir. Pode-se encontrar um CD contendo discursos proferidos na manifestação, mas uma gravação de áudio editada e abreviada falha em capturar a atmosfera e as dimensões daquele data e pode, na melhor das hipóteses, expor sua importância.

Um manifestante coloca um sinal de protesto na frente do prédio do parlamento da Alemanha Oriental em 4 de novembro de 1989.
Ralph Hirschberger / Arquivo Federal Alemão

Trinta anos depois, não há melhor época para olhar para trás e redescobrir o espírito de 4 de novembro. Afinal, muitas das mudanças políticas exigidas para a RDA naquele dia poderiam ser facilmente aplicadas à agenda da República Federal da 2019. Uma passagem do discurso de Stefan Heym captura melhor a situação:

Mas falar, falar livremente, andar, andar em pé – isso não é suficiente. Vamos aprender também a governar. O poder não pertence às mãos de um indivíduo, de um pequeno grupo, de um aparato ou de um partido.

Ele teria certamente consentido em adicionar “ou uma camarilha dos executivos ultra-ricos e corporativos” à lista, mas naquela época isso não parecia um possível perigo na RDA, apanhados de surpresa com o despertar político e renovação. Stefan Heym continuou:

Todos devem participar deste poder. E quem o exercita, onde quer que seja, deve estar sujeito ao controle dos cidadãos.

Que o controle dos cidadãos (ou “glasnost”, ou qualquer transparência na política) não é, evidentemente, a realidade na Alemanha de hoje, não é nenhuma novidade. As demandas pelo fim da vigilância do serviço secreto levantadas naquela época na Alexanderplatz não foram atendidas com o fim da RDA. Isso sem mencionar o quanto a Alemanha de hoje precisa de uma crítica ao papel sistematicamente desinformador da mídia de massa.

Os eventos de 4 de novembro de 1989, portanto, nos convidam a refletir e a fazer uma comparação: quão fieis àqueles ideais andamos até hoje? A popularidade perturbadora de que a extrema-direita Alternative für Deutschland (AfD) desfruta, particularmente no antigo Oriente, também levanta uma questão relacionada: o que aconteceu com toda a coragem, criatividade e espírito otimista que os cidadãos da RDA demonstraram no outono de 1989?

Encontrar a resposta para essa pergunta é ainda mais urgente pelo fato de que o AfD parece estar explorando precisamente esse potencial e o pervertendo. Nas eleições mais recentes nos Estados do leste, eles se referiram com sucesso da Wende na RDA, imprimindo “Complete the Wende” em pôsteres do AfD. Desapropriando um slogan central de 1989, eles também declararam aos eleitores que “nós somos o povo”.

Em resposta, deve-se dizer que “o povo” que energizaram o terremoto político naquela época tinham qualidades bastante diferentes das massas monótonas causadas pelo ciúme e pelo ódio que a liderança da AfD claramente busca incentivando em seus próprios seguidores. Por outro lado, concluir a Wende de verdade significaria finalmente construir o socialismo democrático aqui na Alemanha – exatamente como foi solicitado na Alexanderplatz em 4 de novembro de 1989.

Sobre os autores

estudou psicologia clínica e produziu um programa de aconselhamento de vida para a estação de rádio juvenil da Alemanha Oriental DT64. Hoje ele mantém uma práxis da psicanálise em Berlim e publica extensivamente a Psicologia de Massas do Fascismo, de Wilhelm Reich.

Sobre o autor

Andreas Peglau estudou psicologia clínica e produziu um programa de aconselhamento de vida para a estação de rádio juvenil da Alemanha Oriental DT64. Hoje ele mantém uma práxis da psicanálise em Berlim e publica extensivamente a Psicologia de Massas do Fascismo, de Wilhelm Reich.