Europa está salvando o mercado financeiro ao invés das vítimas de coronavírus

14/03/2020

Por
Martine Orange

Tradução
Cauê Seigner Ameni

Após a crise de 2008, as autoridades européias salvaram os bancos, mas forçaram os Estados a reduzirem investimentos. Agora, diante do coronavírus, os serviços hospitalares atingidos pela austeridade estão implodindo – e o Banco Central Europeu está novamente ajudando os mercados financeiros, não os sistemas públicos de saúde.

O Banco Central Europeu em Frankfurt, Alemanha. (Thomas Hassel / Flickr)

Na quinta-feira, 12 de março, o surto de coronavírus na Europa atingiu um novo marco, com a milésima morte na Itália – hoje o país acordou com novos casos. Este é o último indicador da profundidade da crise, que também trouxe um colapso na economia italiana. Isso é tudo menos uma questão puramente doméstica – e outros Estados europeus parecem seguir na mesma direção.

Em um comunicado à imprensa na terça-feira, focado nas consequências econômicas da crise, a Comissão Europeia observou com seus burocratas que “o coronavírus tem uma dimensão humana muito significativa”. No entanto, como Martine Orange escreve para a Mediapart, as autoridades européias concentraram-se estritamente na estabilização dos mercados financeiros – sem fazer nada para mostrar que a “solidariedade europeia” se estende à própria população.

O BCE tem prioridades erradas

Muitos generais têm o hábito de combater a última guerra. E, diante do coronavírus, as autoridades políticas e monetárias dão a impressão de que estão caindo na mesma armadilha. Na opinião deles, eles estão lidando com uma crise financeira comparável a 2008, quando realmente estamos passando por uma crise de saúde pública sem precedentes, atingindo o coração da economia real. E nem a saúde pública nem a economia real precisam das mesmas respostas que os mercados.

A gente nunca fica sabendo das ações das autoridades políticas e monetárias. Entretanto, durante semanas, eles concentraram toda a atenção nos mercados financeiros. É verdade, houve um colapso impressionante. Duas vezes em uma semana, os disjuntores das bolsas foram desativados para tentar impedir que elas caíssem espetacularmente assim que abrissem. Mas sem sucesso. Na quinta-feira, as bolsas de valores de Paris, Frankfurt, Londres, Milão e Nova York perderam entre 10% e 16% de seu valor – o pior dia de negociação de Wall Street desde 1987, quando caiu 26%.

Mesmo sem nenhum acidente explicito, está começando a surgir terrivelmente um implicitamente. Desde 20 de fevereiro, quando o mundo financeiro despertou para os perigos do COVID-19, os mercados perderam entre 26% e 35%; ou seja, mais de US$ 9 trilhões foram de seu valor.

Nada foi poupado na tentativa de salvar as bolsas de valores do colapso e restaurar a confiança entre os financiadores. Já na semana passada, o FED retirou sua arma monetária e reduziu sua taxa de juros para 0,5%. Em uma nova tentativa de tranquilizar o mercado financeiro, injetou-se uma liquidez muito maior no mercado monetário, que tem mostrado sinais crescentes de dificuldade desde setembro. O FED aumentou suas injeções de liquidez de US$ 100 bilhões para mais de US$ 150 bilhões por dia.

Imediatamente após isso, o Banco do Japão anunciou que também retomaria sua política de flexibilização quantitativa e começaria a comprar títulos mobiliários nos mercados. O Banco da Inglaterra seguiu o exemplo, cortando sua taxa de juros para 0,5% em 11 de março.

Nesse clima, havia muita expectativa em torno da decisão do Banco Central Europeu (BCE) nesta quinta-feira, 12 de março. Isso foi considerado um batismo de fogo para Christine Lagarde, que se tornou presidente do BCE em novembro. Ela posicionou a “bazuca” monetária para onde todo mundo esperava. Embora o BCE não tenha alterado sua taxa de juros (já negativa) de menos 0,5%, estava pronto para usar todas as outras ferramentas disponíveis. Sua política de compra de títulos (isto é, flexibilização quantitativa), anteriormente de € 20 bilhões por mês, será aumentada em € 120 bilhões até o final de 2020. Os bancos, que já desfrutam de condições excepcionais de refinanciamento, serão auxiliados ainda mais por meio do Programa TLTRO III (operações de refinanciamento com prazo mais longo), a fim de fornecer ao sistema financeiro liquidez ilimitada.

Graças a essas circunstâncias excepcionais, o mundo das finanças finalmente conseguiu o que há muito tempo pedia. As restrições prudenciais e regulatórias que foram postas em prática após a crise de 2008 serão agora diminuídas, a fim de incentivar os bancos a emprestar.

Procurando aumentar o impacto dessas medidas, Christine Lagarde instou os governos a implementar uma “resposta ambiciosa e coordenada da política fiscal”. Sensíveis às críticas sobre o fracasso de sua política após a crise financeira de 2008 e a subsequente crise da zona do euro, as autoridades da Europa prometeram coletivamente que não repetiriam os mesmos erros. Desta vez, eles disseram, que estavam todos prontos para agir em conjunto, para usar “todas as ferramentas possíveis” para lidar com a epidemia e o colapso econômico que corre o risco de desencadear. Na Europa, então, a política monetária e a política orçamentária vão marchar de mãos dadas.

Na próxima segunda-feira, os ministros das Finanças da Europa devem definir uma abordagem comum para combater os danos causados ​​pela epidemia de coronavírus. Mesmo antes desta reunião, em 11 de março, Angela Merkel anunciou sua intenção em rever o regime de déficit zero da Alemanha, gravado em mármore em sua constituição e considerado um dos principais obstáculos a um estímulo fiscal europeu. “Colocaremos o dinheiro necessário para combater a epidemia e examinaremos o déficit posteriormente”, indicou o chanceler alemão.

Tudo isso deveria ter agradado ou pelo menos tranquilizado os círculos financeiros, restaurando a confiança. No entanto, após os anúncios do BCE, os mercados europeus – os únicos abertos na época – caíram ainda mais. Foi exatamente o que aconteceu quando o FED baixou suas taxas na semana passada ou quando o Banco da Inglaterra o fez na quarta-feira. O índice alemão DAX, que já havia caído bastante, perdeu mais de 2% em poucos minutos após os anúncios do BCE.

Alguns analistas explicaram essas reações observando que as intervenções do BCE foram consideradas insuficientes. Outros explicaram que as ações dos banqueiros centrais estavam alimentando as preocupações dos investidores, já intensificadas pelas decisões tomadas por Donald Trump. Mas o mal-estar sem dúvida é mais profundo. Para muitos, eles reconheceram que, por mais de quatro décadas, que os grandes “investidores” do mundo, hoje os bancos centrais, não têm poder diante do coronavírus. Eles não podem responder a isso mais do que planos de estímulo de cinco anos ou incentivos fiscais para as empresas tentarem resolver a paralisia que tomou conta da economia mundial.

A necessidade de políticas públicas

Lembrando que a política macroeconômica não pode fazer tudo, o economista Barry Eichengreen explicou que:

a política monetária não pode consertar cadeias de suprimentos quebradas. . . . A presidente do FED, Jerome Powell, não pode reabrir fábricas fechadas por quarentena. . . a política monetária não levará os compradores de volta aos shoppings ou viajantes de volta aos aviões, na medida em que suas preocupações se concentrem em segurança, não em custo. Os cortes nas taxas de juros não podem prejudicar, uma vez que a inflação, já moderada, está em queda; mas não se deve esperar muito estímulo econômico real deles. O mesmo se aplica, infelizmente, à política fiscal. Os créditos tributários não serão reiniciados quando a empresa estiver preocupada com a saúde de seus trabalhadores e o risco de espalhar doenças. Os cortes nos impostos sobre as folhas de pagamento não aumentarão os gastos discricionários quando os consumidores estiverem preocupados com a segurança de sua cadeia de fast-food favorita.

Eichengreen é muito liberal. Mas esse acadêmico, como muitos economistas (por exemplo, os especialistas do grupo de Bruegel), reconhece que a prioridade é liberar todos os meios possíveis para tratar os doentes, impedir a epidemia e apoiar os sistemas de saúde. Em suma, a prioridade são as políticas públicas voltadas à assistência à saúde e para que o Estado tome medidas adequadas.

Para eles, esta é a única resposta apropriada de imediato. Afinal, quanto mais a epidemia se espalhar, mais ela durará e mais a economia mundial será prejudicada. Mas, como o coronavírus já se espalhou pelos países ocidentais, a coisa mais impressionante foi a falta de resposta das autoridades públicas. Sem dúvida, é isso que está deixando o mundo financeiro em pânico: a paralisia crescente de todas as atividades, a falta de respostas estatais e o risco de que isso leve a um colapso geral – ainda mais violento e devastador, uma vez que o sistema foi construído sob montanhas de dívidas (e outros males) na última década.

Com exceção a Itália – que aceitou colocar em risco sua economia para conter a epidemia – a principal preocupação dos líderes europeus tem sido manter a atividade econômica, apoiar as empresas, garantir que tudo continue como antes – e não preparar o meios necessários para lidar com a crise da saúde pública. E exceção da Itália novamente – que direcionou vários bilhões de euros para combater a epidemia, comprar remédios e materiais e recrutar profissionais de saúde – os outros Estados europeus não anunciaram nada.

Demonstrando seu incrível senso de responsabilidade, a Comissão Europeia anunciou em 7 de março que adotaria uma abordagem de “entendimento” em relação à Itália, mesmo que não respeitasse inteiramente suas metas de déficit orçamentário. Isso mostrou mais uma vez o dogmatismo da Comissão – e sua incapacidade de identificar quais são as prioridades reais.

Nesta crise do COVID-19, a solidariedade européia voltou a mostrar sua verdadeira face. Longe de levar ajuda para a Itália nesta crise sem precedentes, todos preferiram guardar seus remédios e materiais (países como França e Alemanha proibiram a exportação de máscaras). É a China – e não os parceiros europeus da Itália – que forneceu ao país respiradores, medicamentos e outros auxílios.

Quem precisa de gastos com saúde?

A Comissão explica, em sua defesa, que as políticas de saúde são uma questão de cada Estado individual. Mas é como se a Comissão tivesse impedido de interferir nesse campo nos últimos anos. Na última década, os gastos com saúde e hospitais foram o alvo número um dos programas europeus de austeridade. Os orçamentos de pesquisa foram massacrados, da Itália à Espanha, França, Grécia e Irlanda. Em cada Semestre Europeu (processo de revisão do orçamento da UE), os tecnocratas encarregados de revisar os orçamentos dos Estados membros exigiram novos cortes no pessoal de saúde e nos recursos alocados aos hospitais. Esses gastos são considerados supérfluos ou mesmo um luxo, tendo em vista as demandas mais altas do sacrossanto teto de déficit de 3% da Europa.

E a abordagem adotada em relação à saúde foi igualmente aplicada à energia, indústria e outros campos: todas as políticas públicas foram consideradas uma distorção da mão invisível do mercado. Assim, em nome da “racionalidade” econômica, ter excesso de leitos hospitalares era considerado mero desperdício. Como consequência, nos últimos anos na França, dez mil camas hospitalares foram eliminadas juntamente com a equipe médica. No entanto, são dez mil camas com as quais poderíamos contar hoje.

A epidemia de coronavírus mostra quão prejudicial é essa política. Pois, todos os países europeus estão mal equipados para lidar com a crise da saúde pública que ela provocou. Todos os sistemas de saúde estão mostrando sinais de que atingiram o ponto de ruptura – e isso é antes que a epidemia atinja seu pico. Durante onze meses, o pessoal dos hospitais na França vem realizando greves para denunciar o massacre dos serviços públicos na saúde e sua falta de recursos humanos, materiais e financeiros.

Por cegueira e dogmatismo, as autoridades européias não mostraram sinais de que pretendam mudar de rumo e tornar as políticas públicas parte de seus planos. As decisões do BCE mostram o mesmo. Em seu novo programa de recompra de ações, o BCE indicou que compraria ações em empresas privadas, e não títulos do Estado.

Mas deveria estar fazendo as coisas ao contrário. Nestes tempos de incerteza, o BCE deveria estar do lado dos Estados da Europa, ajudando-os a fortalecer suas proteções contra a epidemia, ajudando-os a financiar os serviços de saúde pública. Pois, essa é a tarefa urgente em mãos. Poderíamos até imaginar que, nessas circunstâncias excepcionais, o BCE poderia cancelar todos os títulos estaduais adquiridos nos últimos anos, como parte de sua política de flexibilização quantitativa, a fim de aliviar os Estados e proporcionar-lhes mais margens de lucro financeiro. Pela primeira vez, o dinheiro iria para as pessoas e não para os bancos.

Mas todas as evidências mostram que estamos muito longe do BCE tomar uma decisão tão ousada. Em sua conferência à imprensa, Lagarde fez um falso boato, que dizia muito sobre sua incapacidade de mudar de abordagem e compreender o quão excepcional é essa situação. Ela explicou que o BCE “não está aqui para fechar spreads” (ou seja, nivelar os custos de empréstimos entre os Estados, apoiando economias mais vulneráveis). Ou seja, isso significa que o BCE não considera diminuir seus negócios frente as crescentes divergências entre as taxas de títulos alemãs e italianas e garantir a coesão da zona do euro. Isso, mesmo que essa política signifique aleijar a Itália, mesmo que a terceira maior economia da UE – e seu sistema de saúde – esteja sob estresse máximo.

Os financiadores concluíram imediatamente a partir disso que o BCE não está alinhado com a Itália em seu momento de dificuldade. Imediatamente após Lagarde fazer esses comentários, os títulos italianos foram desidratados. Em poucas horas, suas taxas de bônus de dez anos subiram de 1,26% para 1,76%. E o sinal negativo de Lagarde pode ter outras consequências importantes. Em momentos de tensão como esses, não demorará muito para se incendiar novamente a crise latente da Europa. E desta vez, enfrentaria toda a fúria da opinião pública – provando que é incapaz de responder às questões prioritárias reais.


Republicado da Mediapart.

Sobre os autores

é colaboradora da Mediapart.

Sobre o autor

Martine Orange é colaboradora da Mediapart.

WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux