A histeria da extrema-direita contra o movimento “Antifa” é tão absurda quanto perigosa

04/06/2020

Por
Chip Gibbons

Tradução
Melanie Castro Boehmer

Donald Trump tenta criar uma narrativa conspiratória sobre os antifas para bloquear os protestos e a insurgência civil que varre os EUA em revolta contra a brutalidade policial. Não vamos deixar que ele invente mais uma fake news.

WASHINGTON, DC — Donald Trump acena aos jornalistas quando regressa à Casa Branca depois de posar para fotografias em frente à Igreja Episcopal de São João, em 1º de Junho. Chip Somodevilla / Getty Images.

Durante quase duas décadas, o governo dos EUA tem travado aquilo a que chama “guerra contra o terrorismo”. Ao longo dos últimos dias, os EUA está sendo sacudido por uma onda de terror. Mas os perpetradores não são a Al-Qaeda, o ISIS ou qualquer outro adversário estrangeiro – o terror vem das forças internas da ordem.

Depois de a polícia ter assassinado George Floyd em plena luz do dia, em 25 de maio – o último de uma longa lista de assassinatos de negros por policiais, de Philando Castile e Eric Garner a Tamir Rice e Breona Taylor, a polícia e a Guarda Nacional perderam os limites, de uma forma tão brutal que só serve para confirmar os argumentos dos manifestantes sobre o quão fora de controle essas forças policiais estão.

Em Minneapolis, a Guarda Nacional disparou balas de borracha sobre os residentes nas suas próprias varandas, enquanto o Departamento de Segurança Pública tuitou sobre a preparação para uma “guerra urbana”. Imagens horríveis de agentes do Departamento de Polícia de Nova Iorque acelerando seus veículos para cima das multidões de manifestantes. Em Louisville, Kentucky, David McAtee, proprietário de um churrascaria – que frequentemente fornecia refeições gratuitas às forças da ordem – foi baleado e morto pela polícia, que depois deixou o seu corpo na rua durante doze horas. Por todo o país, a polícia atacou manifestantes, jornalistas e transeuntes com uma série de armas, incluindo bastões, gás lacrimogêneo, balas de borracha e granadas de efeito moral.

Donald Trump e o seu Procurador-Geral William Barr decidiram ignorar esta verdadeira onda de violência policial, a raiz da raiva que varre a nação e, em vez disso, duplicar as teorias da conspiração que justificam os seus apelos à repressão – demonstradas mais absurdamente, mas também mais perigosamente, nas suas alucinações contra os “antifas”.

Cuidado com a cabala sinistra da Antifa

Na narrativa que Trump e Barr criaram, os acontecimentos que se desenrolaram nas cidades de todo o país não são rebeliões ou revoltas enraizadas na legítima ira popular. Não são, como disse Martin Luther King, “a linguagem dos que não são ouvidos”. Em vez disso, são cuidadosamente orquestrados, violência pré-planejada levada a cabo por uma cabala organizada, como parte de um plano sinistro.

Quando Barr se dirigiu à nação no sábado, anunciou que “os agitadores e radicais estão explorando a situação”. Segundo Barr, “em muitos lugares, parece que a violência é planejada, organizada e conduzida por grupos anárquicos e extremistas de esquerda, grupos extremistas de extrema-esquerda que utilizam táticas semelhantes às dos antifas”. Barr advertiu então que a lei federal faz com que seja crime atravessar as fronteiras do Estado com a intenção de incitar um motim e que o Departamento de Justiça estaria disposto a processar esses crimes.

Trump reiterou estes temas no Twitter. Afirmou falsamente que “80% dos AGITADORES em Minneapolis ontem à noite eram de FORA DO ESTADO”, referindo-se aparentemente a uma declaração sobre os Estados de origem dos detidos feita inicialmente pelo prefeito de St Paul. A acusação era falsa. Trump também se baseava na narrativa de “agitadores externos” que foi usada para deslegitimar o Movimento dos Direitos Civis e todos os outros movimentos de massas da história norte-americana. Ele se referiu a protestos geridos profissionalmente e lançou a culpa da violência nos anarquistas da extrema-esquerda, “anarquistas liderados pelos ANTIFAS” e “ANTIFA e a esquerda radical”.

Finalmente, em 31 de Maio, Trump nefastamente tuitou: “Os EUA vão designar os ANTIFA como uma Organização Terrorista”.

Precisamos estabelecer alguns fatos aqui. Trump podia tweetar que ia separar o Mar Vermelho, abolir a gravidade ou ressuscitar os mortos das suas sepulturas, e grande parte dos meios de comunicação dos EUA dedicaria tempo para discutir o que essas ações significariam para o país como se fossem uma possibilidade séria. Mas não é!

O mesmo se dá neste caso com a Antifa. Por mais que o Secretário de Estado possa designar grupos como “organizações terroristas estrangeiras”, a palavra-chave aqui é “estrangeiras”. Quando o governo Obama foi confrontado com uma petição online de reacionários para declarar o movimento Black Lives Matter uma organização terrorista, responderam dizendo: “A Casa Branca não desempenha qualquer papel na designação de organizações terroristas domésticas. A Casa Branca nunca fez isso. O governo dos EUA não gera uma lista de organizações terroristas domésticas”.

Aqueles à direita que estavam salivando com a ideia de uma detenção em massa de esquerdistas ficarão desapontados, pois o governo não pode banir uma organização política interna. Mesmo durante a era do medo vermelho da Guerra Fria, o Supremo Tribunal deixou claro que o governo não pode criminalizar a adesão a uma organização com objetivos legais ou ilegais, a menos que um indivíduo se associe com a intenção específica de promover reivindicações ilegais.

No que diz respeito às organizações terroristas estrangeiras, o Supremo Tribunal defende uma definição extremamente ampla de apoio material que permite essencialmente ao governo criminalizar o discurso político. No entanto, o Supremo Tribunal declarou que a lei “não proíbe a defesa independente [de] ou a adesão” a uma organização desse tipo.

Além de tudo isso, é importante estabelecer o que é e o que não é Antifa. Antifa é a abreviatura de anti-fascismo. Não se refere a nenhuma organização, mas a uma ideologia ampla (oposição ao fascismo). Não se pode declarar uma ideologia ampla ou afinidade política como uma “organização terrorista” – ou seja, “antifa” não pode ser banido assim como o “feminismo” ou o “neoliberalismo”.

Quando Trump ou comentadores de direita invocam os antifas, não se referem a uma filosofia política realmente existente. Estão invocando uma teoria da conspiração de extrema-direita. Na mente de alguns, os antifas não são apenas uma organização política; são a mão escondida por trás de toda uma lista de supostos atos maléficos.

Neste sentido, os antifas ocupam o papel na imaginação da direita que ocupava o Partido Comunista em meados do século XX. Enquanto alguns da direita associam os antifas aos anarquistas, outros frequentemente os rotulam como comunistas ou marxistas, destacando a continuidade da “ameaça vermelha soviética” do passado. A direita não distingue muito entre as diferentes tendências de esquerda, vendo todas elas como um inimigo uniformizado.

Para além de alardear a “ameaça vermelha”, a fixação da direita com os antifas é a extensão de outra teoria da conspiração: o mito dos manifestantes pagos e dos insurgentes profissionais. Estas reivindicações foram frequentemente repetidas durante os protestos do Occupy e Black Lives Matter, mas agora escalaram dramaticamente com o presidente, os meios de comunicação de direita, todos ecoando este ponto de discussão que muitas vezes coincide com as teorias de conspiração antissemitas relacionadas com George Soros.

Os protestos em todo o país são manifestações de indignação perante os contínuos assassinatos policiais de negros desarmados. Ao enfrentar os protestos com violência, a polícia opta por escalar a situação. Nada disso funciona para a narrativa que Trump quer vomitar, então ele acessa a memória da direita apregoando um vilão sombrio de esquerda.

A polícia vai entender a mensagem

Ainda assim, mesmo na ausência de poderes efetivos para rotular os antifas um grupo terrorista nacional, as declarações de Trump são arrepiantes. Pode não haver uma lista formal de organizações terroristas nacionais, mas o FBI tem investigado repetidamente ativistas e organizações não-violentas utilizando as suas autoridades antiterroristas. E agora mesmo, as diretrizes do FBI permitem a abertura de investigações utilizando técnicas extremamente intrusivas, sem qualquer fundamento factual de que o sujeito está envolvido em atividades criminosas ou que ameacem a segurança nacional.

Na verdade, sabemos que o FBI já trata do caso. Em Novembro de 2017, o diretor do FBI, Christopher Wray, disse ao Congresso que, embora os antifas não sejam uma organização, estão em curso “investigações de terrorismo interno sobre extremistas anarquistas”, examinando pessoas “motivadas pela ideologia Antifa”. Em setembro de 2017, apresentei um pedido ao FBI solicitando todos os arquivos relativos aos antifas. Ainda não recebi os arquivos solicitados.

A polícia local também receberá a mensagem de que a Antifa é sinônimo de terrorismo doméstico, com impacto na forma como policiam a organização anti-racista, anti-violência policial ou qualquer manifestação de esquerda que considerem relacionada com “Antifa”.

Para além das questões de legalidade, classificar os antifas como uma organização terrorista no discurso público abre o caminho a muitas propostas mais repressivas. Em resposta ao tweet de Trump, vimos não só comentadores de direita, mas também membros do Congresso discutirem atos tão extremos quanto o destacamento de militares contra os antifas ou a detenção de membros antifas no campo de prisioneiros militares dos EUA na Baía de Guantánamo, em Cuba.

Trump invocou os antifas ontem no arrepiante discurso fascista em que se comprometeu a utilizar o exército a nível interno contra protestos, classificando os antifas como um dos “principais instigadores desta violência”.

Sabe-se também que a polícia local está impregnada de teorias da conspiração de direita. O presidente do sindicato da polícia de Minneapolis, Bob Kroll, que lidera atualmente a acusação de que os assassinos de Floyd foram despachados sem o devido processo legal, no passado fez lobby a favor de uma legislação anti-protesto. Questionado sobre isso pelo In These Times, ele afirmou “George Soros… Ele é um grande financiador de coisas como essa”.

A “ameaça vermelha” nunca foi inofensiva. Durante o pós-Segunda Guerra Mundial, o FBI criou uma “Divisão Radical” (mais tarde chamada Divisão de Informações Gerais). Liderada por J. Edgar Hoover, eles compilaram dossiês sobre radicais e os usaram para prender dez mil pessoas. Como chefe do FBI, Hoover continuou a prática de criar o Índice de Segurança, uma lista de subversivos a ser usados como bodes expiatórios num falso julgamento em caso de emergência. No seu auge, essa planilha continha 26.174 nomes. Além das listas do FBI, durante a Guerra Fria, o Procurador-Geral criou uma lista de “organizações subversivas”. Muitas das práticas repressivas fantasiadas neste momento em relação aos antifas eram partes reais do Estado de segurança da Guerra Fria.

Trump pode não ser capaz de proibir oficialmente os antifas, mas, com a sua retórica inflamada, ele dá luz verde para mais repressão. A polícia e os legisladores vão ler isto como um aval para aumentar seus ataques à dissidência. E o fato de o presidente rotular uma determinada ideologia como “terrorismo” terá efeitos arrepiantes, independentemente da jurisprudência determinada pela Primeira Emenda. Muitas pessoas que ouvem esta retórica irão se perguntar se o envolvimento com o ativismo resultará em represálias estatais.


Ironicamente, muitos dos direitistas que alardeiam teorias de conspiração sobre os antifas ao mesmo tempo armazenam armas, alertam o público contra os campos da morte da FEMA, a lei marcial e as erosões da liberdade constitucional. Mas, como vimos durante os protestos anteriores do Black Lives Matter e vemos novamente agora, muitos desses indivíduos estão do lado da polícia militarizada que vem esmagando os protestos. Usando uma lógica conspiracionista distorcida, alegam que a polícia e agora os militares que impedem a tirania, e as suas vítimas é que são os instigadores da lei marcial.

Isso está errado. A culpa dos acontecimentos que estão se desenrolando em todo o país é da polícia. A violência policial continuada, especialmente a violência policial racista, tem produzido raiva em massa. Quando as pessoas se juntam às manifestações contra esta violência, a polícia tenta provocá-las e agravar as tensões, atacando os que protestam.

Trump e outros da extrema-direita, sem surpresa, ignoram este fato. E viram-se para uma velha teoria de conspiração da direita, que encontra forças alheias, externas, como a verdadeira causa de todo o descontentamento social.

Trump tenta usar o espectro Antifa para reprimir a dissidência. Ele está blefando, em grande medida, e não podemos deixar que ele nos assuste de ir às ruas. Mas o perigoso clima político que ele está tentando criar não pode ser ignorado.

Sobre os autores

é jornalista, que escreve oara Jacobin e The Nation. Ele também é o consultor político e legislativo para defender direitos e dissidências, as opiniões expressas aqui são suas.

Sobre o autor

Chip Gibbons é jornalista, que escreve oara Jacobin e The Nation. Ele também é o consultor político e legislativo para defender direitos e dissidências, as opiniões expressas aqui são suas.