O desastre da OTAN na Líbia 10 anos depois

23/03/2021

Por
Matt Wilgress

Tradução
Cauê Seigner Ameni

Há dez anos, as forças da OTAN intervieram na guerra civil da Líbia com promessas de libertar o país. O desastre que eles deixaram para trás oferece uma lição por que as intervenções imperialistas, que dizem ser “humanitárias”, devem ser resistidas.

Um avião de guerra da Força Aérea Real pouco antes de entrar no espaço aéreo da Líbia em abril de 2011. (Gert Kromhout / Stocktrek via Getty).

Em 2016, um relatório concluiu que a intervenção das forças armadas britânicas, francesas e americanas na Líbia em março de 2011 “não foi formulada por informações precisas”.

Continuou dizendo que a ação, que era ostensivamente para proteger os civis do governo de Muammar Gaddafi, “derivou para uma política oportunista de mudança de regime”, cujo resultado foi “colapso político e econômico, guerra miliciana e tribal, crises humanitárias e de migração, violações generalizadas dos direitos humanos, a disseminação de [armas] em toda a região e o crescimento do ISIL no Norte da África.”

Este resumo da guerra na Líbia, que começou há dez anos, não foi de uma organização anti-guerra ou de um dos quinze parlamentares do Reino Unido que se opuseram à guerra. Estas são as palavras do Comitê de Relações Exteriores, em um documento intitulado “Líbia: Exame da intervenção, colapso e as opções de políticas futuras do Reino Unido”.

E apesar desse julgamento forte de um comitê parlamentar multipartidário, a catástrofe da Líbia está mais uma vez sendo citada como um exemplo positivo de intervencionismo liberal, enquanto o establishment político em Londres e Washington continua a tentar reabilitar as ideias que foram tão desacreditadas após o guerra de 2003 no Iraque.

Essas tentativas são parte das discussões atuais sobre o lugar da Grã-Bretanha no mundo e se encaixam na revisão de defesa e segurança de Boris Johnson delineada esta semana – que inclui um compromisso com maiores gastos militares e uma expansão do arsenal nuclear da Grã-Bretanha.

Além disso, como a Stop the War Coalition apontou, isso se relaciona com a discussão vital que está ocorrendo agora no Partido Trabalhista e no movimento trabalhista mais amplo sobre qual deve ser nossa perspectiva internacional e política externa.

O grupo Open Labour, por exemplo, está entre aqueles que argumentam que a esquerda precisa romper com uma “preocupação anacrônica com o Iraque”. Neste discurso – que é essencialmente sobre a reabilitação do conflito imperialista – é frequentemente argumentado que a guerra na Líbia foi muito diferente da guerra de 2003 no Iraque.

Esta não é uma nova perspectiva. Na época da guerra na Líbia, o escritor Vijay Prashad observou que “os cínicos em Washington e Paris [e Londres] usaram a Líbia como uma forma de lavar a mancha de sangue na aventura de Bush no Iraque”. Qualquer análise séria de ambas as guerras revela muito mais semelhanças do que diferenças.

Um fator comum óbvio é que, apesar das objeções daqueles que perseguiam as guerras na época, ambas eram claramente guerras de potências mundiais que planejavam impor a mudança de regime em seus alvos escolhidos. Um segundo fator é que o controle do petróleo e dos recursos naturais foi uma motivação central.

No dia em que Trípoli caiu, a manchete do New York Times – “Começa a luta pelo acesso à riqueza do petróleo da Líbia” – foi reveladora. As vastas reservas de petróleo da Líbia, há muito apreciadas pelo Ocidente por serem as maiores da África e incrivelmente próximas da Europa, estavam agora abertas a negócios para investidores estrangeiros.

E como é o caso com todas as intervenções imperiais, a tentativa de obter lucros fluindo para as corporações multinacionais vem muito antes de quaisquer idéias de reconstrução, como projetos de infraestrutura essenciais ou garantia de serviços. Na verdade, foi alegado, em 2012, por fontes locais que algumas potências da OTAN e empresas relacionadas não pagavam absolutamente nada pelo petróleo que consumiam.

A geopolítica também foi fundamental em ambas as invasões. As licitações anglo-americanas para controlar o Oriente Médio não são nenhuma novidade, e houve uma nova corrida pela África nas últimas décadas. Mas, como Seumas Milne argumentou, a intervenção da Líbia também foi para envenenar a Primavera Árabe que estava ocorrendo naquela época e – no caso da França especificamente – reafirmar uma força imperial em declínio no Norte da África.

Finalmente, e mais importante, as formas como as duas guerras foram conduzidas causaram grandes danos aos países, que se tornaram verdadeiras vítimas do imperialismo. Como o Iraque, a Líbia viu um grande número de mortes de civis. Em mais de vinte mil bombardeios aéreos massivos de “choque e pavor”, grandes cidades e infraestruturas civis foram alvo de rotina. Um relatório do New York Times de dezembro de 2011 alertou para um “número não reconhecido” de conflitos – as “dezenas de vítimas civis que [a OTAN] há muito se recusou a reconhecer ou investigar”.

A Human Rights Watch disse que centenas de pessoas foram mortas apenas no bombardeio de Sirte, condenando a OTAN por não investigar as mortes de civis em ataques aéreos. A Amnistia Internacional, entretanto, alertou para o fato de a OTAN fechar os olhos aos migrantes africanos, com os negros líbios sendo sujeitos a uma campanha implacável de detenção em massa, linchamentos e outras atrocidades.

Como Boris Johnson está aparentemente trabalhando para reafirmar a obstinação imperial na política britânica, vale a pena apontar que ambas as guerras foram profundamente impopulares – mas o governo britânico da época as seguiu em frente de qualquer maneira.

Isso é algo que nós, no movimento sindical, temos o dever de resistir. Não podemos permitir que os crimes dessas guerras ilegais por petróleo e pilhagem sejam esquecidos e devemos estar prontos como nunca para nos mobilizarmos contra as repetições futuras.

Ignorar este passado imperial é uma licença para sua reprodução futura: para evitar outras Líbia, nosso trabalho é advogar destemidamente por um internacionalismo socialista e anti-guerra, baseado nos valores da paz, autodeterminação e justiça.

Sobre os autores

Matt Wilgress é membro do "Friends of Bolivia".

Sobre o autor

Matt Wilgress Matt Wilgress é membro do "Friends of Bolivia".

WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux