Press "Enter" to skip to content
Sankara fala perante as Nações Unidas em 4 de outubro de 1984. Foto: Getty Images

Thomas Sankara sobre o poder da solidariedade

POR
Tradução
Contrapoder

Em seu discurso de 1984 perante a Assembleia Geral da ONU, o revolucionário marxista pan-africano Thomas Sankara falou em nome de todos aqueles que sofrem de racismo, colonialismo e exploração.

O texto abaixo é um trecho do discurso de Thomas Sankara na Assembleia Geral das Nações Unidas em 4 de outubro de 1984.


Nós juramos que no futuro em Burkina Faso nada será feito sem a participação do povo de Burkina Faso, nada que não tenha sido decidido por nós, que não tenha sido preparado por nós. Não haverá mais ataques à nossa honra e dignidade.

Fortalecidos por essa convicção, queremos que nossas palavras cubram todos aqueles que sofrem, todos aqueles cuja dignidade foi esmagada por uma minoria ou por um sistema.

Deixe-me dizer àqueles que estão me ouvindo agora que falo não apenas em nome de Burkina Faso, meu país, que eu tanto amo, mas também em nome de todos aqueles que sofrem, onde quer que estejam.

Eu falo em nome daqueles milhões de seres humanos que estão nos guetos porque sua pele é negra, ou porque eles têm um tipo diferente de cultura, aqueles cujo status é dificilmente maior que o de um animal.

Eu também sofro em nome daqueles índios que foram massacrados, pisoteados e humilhados e que, durante séculos, foram confinados a reservas, de modo que não têm nenhuma aspiração a qualquer direito, para que sua cultura não possa se tornar enriquecido através do contato com outras culturas, incluindo a do invasor.

Eu falo em nome daqueles que estão desempregados por causa de um sistema estruturalmente injusto que agora foi completamente destruído, os desempregados que foram reduzidos a ver suas vidas como apenas o reflexo das vidas daqueles que têm mais do que eles mesmos.

Falo em nome das mulheres em todo o mundo que sofrem de um sistema de exploração imposto pelos homens. No que nos diz respeito, estamos dispostos a acolher todas as sugestões de qualquer parte do mundo que nos ajudem a promover o pleno desenvolvimento e prosperidade das mulheres de Burkina Faso. Em troca, compartilharemos com todos os países a experiência positiva que estamos agora empreendendo com nossas mulheres, que agora estão envolvidas em todos os níveis do aparato estatal e da vida social em Burkina Faso, mulheres que lutam e que dizem conosco que o escravo que não vai assumir a responsabilidade de se rebelar não merece piedade. Esse escravo será o único responsável por sua própria desgraça se tiver alguma ilusão sobre a indulgência suspeita demonstrada por um mestre que pretende lhe dar liberdade. Só a luta nos ajuda a nos libertar e pedimos a todas as nossas irmãs de todas as raças que se levantem para recuperar seus direitos.

Falo em nome das mães de nossos países pobres que veem seus filhos morrendo de malária e diarreia, sem saber que para salvá-los há métodos simples disponíveis, mas que a ciência das multinacionais não lhes oferece, preferindo investir em laboratórios de cosméticos e se envolver em cirurgia estética para satisfazer os caprichos e fantasias de alguns homens e mulheres que sentem que ficaram muito gordos por causa de muitas calorias nos alimentos ricos que consomem com regularidade. Isso deve tornar atordoados até mesmo os membros desta Assembleia — sem mencionar os povos do Sahel. Decidimos adotar e popularizar os métodos defendidos pela OMS e pela UNICEF.

Falo em nome da criança, o filho do pobre, que está com fome e que furtivamente olha a riqueza empilhada na loja do homem rico, uma loja que é protegida por uma janela grossa, uma janela que é defendida por um intransitável a grade, a grade guardada por um policial de capacete com luvas e cacete, o policial ali colocado pelo pai de outra criança, que vem ali para se servir ou servir, porque são garantias de representatividade capitalista e normas de o sistema.

Falo em nome dos artistas — poetas, pintores, escultores, músicos, atores e assim por diante — pessoas de boa vontade que veem sua arte sendo prostituída pelos mágicos do show business.

Eu grito em nome dos jornalistas que foram reduzidos ao silêncio ou a mentiras simplesmente para evitar as dificuldades do desemprego.

Eu protesto em nome dos atletas de todo o mundo, cujos músculos estão sendo explorados por sistemas políticos ou por aqueles que lidam com a escravidão moderna do estádio.

O meu país é a essência de todas as misérias dos povos, uma síntese trágica de todo o sofrimento da humanidade, mas também, e acima de tudo, a síntese das esperanças das nossas lutas. É por isso que eu falo em nome dos doentes que estão ansiosos para ver o que a ciência pode fazer por eles — mas essa ciência foi dominada pelos comerciantes de armas. Meus pensamentos vão para todos aqueles que foram afetados pela destruição da natureza, aqueles 30 milhões que estão morrendo a cada ano, esmagados pela arma mais temível, a fome.

Como soldado, não posso esquecer aquele soldado obediente que faz o que lhe é dito, cujo dedo está no gatilho e quem sabe que a bala que vai deixar sua arma trará apenas uma mensagem de morte.

Por fim, falo indignado ao pensar nos palestinos, a quem essa humanidade mais desumana substituiu por outro povo, um povo que só ontem estava sendo martirizado no tempo livre. Penso no bravo povo palestino, nas famílias que foram divididas e divididas e estão perambulando pelo mundo em busca de asilo. Corajosos, determinados, estóicos e incansáveis, os palestinos nos lembram de toda a necessidade e obrigação moral de respeitar os direitos de um povo. Junto com seus irmãos judeus, eles são anti-sionistas.

Ao lado de meus irmãos soldados do Irã e do Iraque, que estão morrendo em uma guerra fratricida e suicida, também desejo me sentir próximo de meus camaradas da Nicarágua, cujos portos estão sendo minados, cujas cidades estão sendo bombardeadas e que, apesar de tudo, enfrentam com coragem e lucidez para o seu destino. Eu sofro com todos aqueles na América Latina que estão sofrendo de dominação imperialista.

Desejo estar lado a lado com os povos do Afeganistão e da Irlanda, os povos de Granada e Timor Leste, cada um desses povos que procuram a felicidade de acordo com a sua dignidade e as leis da sua própria cultura.

Eu me levanto em nome de todos os que buscam em vão qualquer fórum no mundo para que suas vozes sejam ouvidas e levadas a sério.

Muitos já falaram desta tribuna. Muitos vão falar depois de mim. Mas apenas alguns tomarão as decisões reais, embora todos sejam oficialmente considerados iguais. Eu falo em nome de todos aqueles que procuram em vão por um fórum no mundo onde possam ser ouvidos. Sim, eu gostaria de falar por todos aqueles — os esquecidos — porque eu sou um homem e nada que é humano é estranho para mim.

Sobre os autores

(1949-1987) foi um soldado, revolucionário marxista pan-africano e presidente do Burkina Faso de 1983 até o seu assassinato.

Cierre

Arquivado como

Published in Africa, Análise, homeIzq and Imperialismo

Be First to Comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux