Andrés Arauz, candidato de esquerda no Equador, fala à Jacobin na reta final

04/04/2021

Uma entrevista com
Andrés Arauz

Tradução
Guilherme Ziggy

Andrés Arauz fala ao fundador da Jacobin, Bhaskar Sunkara, sobre sua surpreendente jornada nas eleições equatorianas de 2021, as realizações de Rafael Correa no Equador e como ele planeja ganhar o segundo turno em 11 de abril para reconstruir seu partido e aprofundar a Revolução Cidadã.

O candidato presidencial equatoriano Andrés Arauz conversou com Bhaskar Sunkara de Jacobin sobre sua visão de mundo, como ele planeja ganhar o segundo turno e unir seu país, e o que podemos esperar de sua presidência.

Entrevista por
Bhaskar Sunkara

Andrés Arauz não age como alguém que está muito próximo do poder – no bom sentido. Depois de passar um tempo com o candidato da esquerda no segundo turno das eleições do Equador em Nova York, fiquei impressionado com a humildade de Arauz nas interações com a equipe dele, ativistas e mesmo com estranhos.

A imprensa internacional quer que acreditemos que Arauz é uma figura perigosa, um peão do feroz populista Rafael Correa, comprometido com uma retórica polarizante e com políticas desestabilizadoras. Em vez disso, o que encontrei em minhas discussões foi uma figura humilde, um progressista ideologicamente comprometido, mas também um pensador com nuances, orgulhoso de sua perspicácia tecnocrática e experiência como economista.

Pelo comportamento calmo de Arauz, ninguém suspeitaria da tempestade que se forma ao seu redor. As teorias da conspiração sobre sua conexão implausível com o Exército de Libertação Nacional da Colômbia (ELN) estão crescendo, a contrapropaganda está sendo espalhada sobre seus planos para o Equador e a quem ele responderá. Arauz, que acabou de fazer 36 anos e era desconhecido até alguns meses atrás, chegou ao segundo turno, que será disputado dia 11 de abril.

No começo de fevereiro, ele ganhou cerca de um terço dos votos válidos com uma vantagem significativa sobre seus rivais, mas isso não foi suficiente para evitar um segundo turno. Depois de uma recontagem tensa, ele passou ao segundo turno contra o banqueiro Guillermo Lasso.

Nenhum dos presidenciáveis deseja, no entanto, se associar ao atual líder do país, Lenín Moreno. Depois de ser eleito com o apoio de Correa em 2017, ele deu início a uma guinada para a direita, adotando medidas de austeridade e perseguiu os principais líderes da Revolução Cidadã no país.

Como resultado, figuras proeminentes como Rafael Correa e Jorge Glas não puderam participar da disputa deste ano. De fato, o Movimento da Revolução Cidadã enfrentou medidas extraordinárias ao tentar se registrar como um partido e montar uma chapa. Com sua liderança existente perseguida, um estranho, Arauz, foi a melhor escolha para montar uma campanha que visasse desfazer as ações de Moreno e pudesse aprofundar as conquistas do governo Correa (2007-2017).

Apesar das controvérsias e críticas sobre os projetos de mineração e os confrontos com o movimento indígena organizado, sob o governo popular de Rafael Correa o salário mínimo dobrou no país, os gastos com educação e saúde dispararam e o crescimento do PIB ultrapassou as médias regionais. É um período ao qual muitos gostariam de voltar.

Hoje, a Covid-19 ceifou milhares de vidas, o desemprego disparou, a infraestrutura de saúde foi danificada e um programa de austeridade do FMI ameaça mergulhar o país em uma recessão ainda mais profunda.

Andrés Arauz estava na casa dos 20 anos quando serviu no Banco Central de Correa e mais tarde como ministro. A seguir, ele explica um pouco de sua visão de mundo, como planeja vencer o segundo turno e unir seu país e também, o que podemos esperar de sua presidência.


BKS

Vamos começar com sua trajetória. O que o atraiu para a economia e qual é a tradição econômica que mais o influenciou?

AA

Tudo começou quando eu era muito jovem. Minha avó me ensinou matemática jogando cartas e também ensinou um importante sistema de valores éticos – ela me transmitiu uma visão de mundo igualitário e moral.

Aí, quando continuei meus estudos, a economia se encaixou naturalmente. Eu tinha as habilidades quantitativas para me destacar na disciplina, mas, ao contrário de muitos de meus colegas da área, também me dedicava à causa da justiça social.

No início, fui mais atraído pela economia desenvolvimentista, tentando entender principalmente o papel das instituições na formação de uma economia. Eu estava estudando economia política, no sentido de que estava preocupado com a distribuição de poder dentro da economia, não apenas de renda.

No Equador, conheci melhor o que chamamos de economia social e solidária – fiquei muito intrigado com os modelos alternativos de organização econômica, tanto no nível micro quanto no macro. E então, trabalhando no banco central do país, eu estava realmente obcecado pela economia monetária na tradição pós-keynesiana.

Podemos dizer que me baseio nas tradições pós-keynesianas e desenvolvimentistas, fundindo-as com percepções de experimentos da economia solidária.

BKS

O governo Rafael Correa era obviamente progressista e redistribuicionista, mas parecia enfatizar uma estabilidade macroeconômica. Com essa ênfase, qual será sua resposta aos mesmos problemas que os governos de centro-esquerda anteriores enfrentaram?

AA

Nossa referência principal foi o próprio Equador – a experiência de desenvolvimento em três períodos de nossa história. Tem Eloy Alfaro [líder da Revolução Liberal de 1895], que usou a infraestrutura para realmente criar um projeto nacional… Seguimos esse molde, enfatizando não apenas a contagem de nossa produção econômica, mas também descobrindo que tipo de ativos da vida real estávamos criando e quais eram seus impactos.

Alfaro construiu o trem que ligava Guayaquil a Quito e mudou para sempre a paisagem equatoriana. Com um espírito semelhante, queríamos criar projetos de infraestrutura que não apenas facilitassem o desenvolvimento, mas ajudassem a construir uma nação.

Em segundo lugar, fomos inspirados pela experiência de desenvolvimento do Equador durante o boom do petróleo dos anos 1970 – aquele crescimento econômico, a expansão do setor estatal, mas também a queda.

E, finalmente, a crise bancária do final da década de 1990 também foi um poderoso exemplo negativo. Estudamos essa história com muito rigor e nos comprometemos a não repeti-la. Grosso modo, sabíamos que esse tipo de crise era produto da priorização do setor financeiro em relação ao resto da sociedade.

Isso significa criar modelos alternativos de crescimento, aumentando tanto as oportunidades para as pessoas comuns e seus saberes quanto a macroeconomia.

BKS

A seu ver, qual foi a conquista mais significativa do governo Correa que você participou?

AA

A capacitação de equatorianos comuns – poder dizer que as pessoas tinham interesse em sua própria sociedade e um certo orgulho pelas transformações que estavam ocorrendo. Mas, obviamente, esse empoderamento foi um subproduto do todo – nossa política social, gastos com educação, nova infraestrutura e assim por diante.

BKS

O projeto Correa falhou em se institucionalizar da maneira que, digamos, foi o projeto de Evo Morales na Bolívia, por meio do desenvolvimento do Movimento pelo Socialismo (MAS). Em vez disso, pela Aliança PAIS, vocês fizeram com que Lenín Moreno e aqueles ao seu redor sequestrassem a Revolução Cidadã e tentaram empurrá-la para a direita.

Quais são as lições sobre a construção de instituições e partidos que você tira dessa experiência?

AA

Bem, concordo totalmente com você – essa foi a principal fraqueza de nosso projeto político, e é a questão mais persistente, obviamente, com a qual estamos lidando. Precisamos de uma estrutura partidária com raízes sociais sólidas.

Em vez disso, dependemos muito de um líder carismático com o qual as pessoas se conectam por meio da mídia de massa. Nosso movimento precisa ser mais profundo do que isso, e esse é um problema do qual estou ciente e totalmente empenhado em abordar.

BKS

Vocês tinham um líder popular e um programa popular, mas não tinham base institucional para se conectar com as pessoas em seus locais de trabalho e comunidades de forma contínua.

AA

Precisamos de um partido forte enraizado em uma sociedade civil forte, e não tínhamos isso. E não se trata apenas de ganhar eleições; um partido democrático é a base para uma participação política real do cidadão comum.

BKS

Quais medidas você está tomando para garantir que o novo movimento não siga o mesmo caminho que o Aliança PAIS?

AA

Bem, depois de transitar por sete partidos diferentes para concorrer às eleições, estamos consolidando nosso próprio partido, que sobreviveu a todos esses processos judiciais, e estamos nos reconstruindo principalmente com quadros jovens. Há um esforço explícito para fazer com que as pessoas que não estejam envolvidas em obrigações do governo desempenhem, também, um papel de liderança nessa construção partidária.

Da mesma forma, estamos tentando garantir que o partido tenha muito mais interação com a sociedade civil do que antes. É muito importante para mim criarmos uma formação de base, conectando o ativismo dos movimentos sociais e nossos esforços políticos. Temos que estar conscientes de que, se chegarmos ao governo, haverá pressão para que os quadros assumam cargos estaduais, mas isso acabaria esvaziando o partido e esses esforços de baixo para cima.

BKS

Qual é a base social de seu partido e candidatura hoje? Por que tem sido um tanto difícil incorporar o movimento indígena organizado do Equador em seu projeto?

AA

Temos uma base nos setores populares da sociedade em todos o país. Somos os mais fortes, é claro, entre as classes trabalhadoras da costa do país.

Sobre sua outra pergunta, poder ser útil contrastar com a experiência boliviana. No Equador, o movimento indígena aliou-se a forças supostamente progressistas no passado, apoiando Lucio Gutiérrez em 2002, e depois foi traído. A lição dessas experiências uma suspeita com essas alianças eleitorais e com o poder do Estado. Na Bolívia, no entanto, houve a fusão próspera dos objetivos de uma esquerda progressista e movimentos indígenas – isso é o que permitiu a consolidação do MAS.

Meu objetivo é tentar criar um Estado plurinacional com o movimento indígena.

BKS

Vamos dar um passo atrás. Obviamente, há uma narrativa entre os liberais, também, que pode exagerar a homogeneidade e a coerência da base social indígena. Como, por exemplo, nas eleições de 2013, quando os indígenas votaram bastante em Correa.

AA

Sim, claro. E muitos setores do movimento indígena também nos apoiaram.

BKS

No entanto, a mudança política desde 2013 parece significativa, quando Pachakutik obteve apenas 3% no primeiro turno…

AA

O levante de 2019 foi significativo e foi liderado pela CONAIE [Confederação das Nacionalidades Indígenas do Equador], a maior organização indígena do Equador. Isso criou uma base popular para Pachakutik.

BKS

Como você caracterizaria o programa do Pachakutik – como amplamente de esquerda, com partes que você pode incorporar ao seu próprio?

AA

A maior parte de seu programa é efetivamente progressista e da esquerda; no entanto, há muitos componentes que são claramente influenciados negativamente por uma rede de ONGs. Há uma ênfase pós-moderna que temo que possa começar a tender para o neoliberalismo.

BKS

Para colocar de forma concreta, por “ênfase pós-moderna”, você está falando sobre uma rejeição ao desenvolvimentismo?

AA

Você pode resumir o pensamento que estou criticando como uma plataforma “anti-extrativista” levada ao extremo.

BKS

Como você colocaria sua posição sobre este tema? O Equador precisa aproveitar responsavelmente as vantagens de sua riqueza de recursos naturais como parte de um projeto para construir uma economia mais avançada e menos dependente da extração?

AA

Não, eu colocaria de uma forma um pouco mais sofisticada. 

Mas aqui está um exemplo: se temos minas de cobre, não nos interessamos apenas em exportar cobre bruto; queremos a incorporação da tecnologia de processamento de cobre no Equador e que essa indústria seja um motor de desenvolvimento para as comunidades nas quais elas serão construídas. É mais do que apenas “venda o máximo que puder e então você terá dólares e então poderá comprar muito mais”, mas sim um projeto próprio que aponte diretamente para o desenvolvimento.

BKS

Quando estiver no poder, você vai ter que exercer um mandato popular que rejeite a austeridade imposta pelo FMI e busque a redistribuição ou, pelo menos, crie políticas expansionistas para combater a recessão, mas também vai precisar manter a confiança do mercado e manter seus empréstimos internacionais existentes. Como você navegará pelos dois opostos?

AA

Definitivamente vai haver um conflito com o FMI, isso é inevitável. Não é nenhum segredo que o FMI representa o capital financeiro acima de tudo e isso será um confronto direto por motivos práticos e ideológicos. No entanto, temos a Constituição do nosso lado e pretendemos travar essa batalha de uma forma inteligente.

Eu diria, também, que a pandemia ampliou o escopo da política que os governos podem usar e que o novo discurso da diretora do FMI, Kristalina Georgieva, nessas frentes é promissor, mesmo que você não possa chamar sua perspectiva econômica heterodoxa. O mesmo sobre sua nova ministra da economia dos Estados Unidos, Janet Yellen.

BKS

Que pressões você acha que o governo de Lenín Moreno sofreu e podem ser responsáveis por pelo menos parte de seu movimento desastroso à direita?

AA

Moreno enfrentou uma pressão significativa. Sem a liderança forte de Rafael Correa, que também foi uma figura unificadora, a aliança de nosso movimento, que é muito heterogênea, se desfez.

Diante de um movimento restauracionista conservador, Moreno não foi forte o suficiente para resistir. Além de suas fraquezas de caráter, ele foi chantageado pelas elites econômicas para tomar essas medidas neoliberais.

BKS

Se você ganhar a presidência, ainda vai enfrentar uma Assembleia Nacional hostil. Como você espera superar esse desafio?

AA

Seremos uma maioria tímida, isso significa apenas que temos que expandir nossa base, e temos que, por meio de nossa defesa de um Estado plurinacional, conquistar potenciais aliados.

BKS

Você costuma invocar o Estado plurinacional. Você poderia descrevê-lo um pouco mais concretamente? Que tipo de estruturas você acha que são necessárias para um Estado plurinacional? A Bolívia é o modelo?

AA

Como o Estado plurinacional já está em nossa Constituição, nosso modelo teórico não é a Bolívia – e sim o próprio Equador. Existem elementos específicos que foram apresentados pelo movimento indígena para tornar isso uma realidade mais profunda.

Parte dela é sobre espaço cultural e reconhecimento para o povo afro-equatoriano, além dos povos indígenas equatorianos. Há também elementos específicos relativos ao sistema educacional, de justiça, territórios locais, especialmente na Amazônia, que envolvem decisões populares sobre projetos extrativistas, entre outros.

BKS

Antes de encerrar, quero trazer à tona as acusações de influência estrangeira na sua eleição e campanha. Havia um vídeo falso do ELN “endossando” sua candidatura… Como você consegue dissipar essas mentiras sem desviar a atenção de sua mensagem central e popular sobre como colocar a economia de volta nos trilhos e melhorar a vida das pessoas comuns?

AA

Bem, a distração é exatamente o que está acontecendo. Esses rumores [foram] criados precisamente para se desviar das questões importantes que o povo equatoriano enfrenta, porque podemos vencer nessas questões substantivamente. Isso não vem apenas das elites domésticas; vimos notícias falsas vindo da Argentina, da Colômbia…

Nossa pergunta é simples: queremos decidir nossas eleições por nós mesmos. Queremos ter um concurso democrático limpo e justo, sem manipulação da mídia.

Sobre os autores

é economista e candidato presidencial equatoriano pelo Movimento Revolução Cidadã.

é editor e fundador da revista Jacobin.

Sobre os autores

Andrés Arauz é economista e candidato presidencial equatoriano pelo Movimento Revolução Cidadã.

Bhaskar é editor e fundador da revista Jacobin.

WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux