Agora é hora de boicotar Israel

21/05/2021

Por
Hamza Ali

Tradução
Coletivo Leia Marxista

Está cada vez mais claro que Israel não tem intenção de acabar com sua ocupação colonial, onde expropria e massacra palestinos em flagrante violação do direito internacional. Diante desta realidade brutal, empresas e militantes estão agindo através da campanha que pede boicote, desinvestimento e sanções.

Uma passeata pedindo justiça para os palestinos percorre as ruas do centro de Londres (AFP / Foto de arquivo)

No dia em que Israel conduzia sua impiedosa destruição da Faixa de Gaza, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson usava o discurso da rainha britânica para anunciar uma série de leis para o ano seguinte.

Na lista da Johnson estavam incluídas medidas para interromper a campanha global de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) contra o Estado de Israel, proibindo os órgãos públicos de lançar suas próprias campanhas de boicote.

O projeto da reforma procuraria “assegurar uma abordagem coerente das relações exteriores”, impedindo que os órgãos públicos “impusessem sua própria abordagem ou pontos de vista através de campanhas de boicote, desinvestimento ou sanções”.

Ao anunciar a proposta, o governo demonstrou seu arraigado desdém pela causa palestina. O próprio Johnson uma vez descartou aqueles que expressam solidariedade com o povo palestino como “acadêmicos esquerdistas, de dentes tortos e jaquetas de veludo“.

Fundado em 2005, o BDS é um movimento global que se inspira na campanha contra o regime do apartheid da África do Sul, concentrando-se em métodos não violentos para atingir seus objetivos. Seu princípio básico é que os palestinos merecem os mesmos direitos que o resto da humanidade, e procura aumentar a pressão política e econômica internacional sobre Israel em solidariedade com o povo palestino.

O movimento tem três objetivos fundamentais: o fim da ocupação israelense em terra palestina e desmantelamento do muro de separação e dos assentamentos ilegais de Israel na Cisjordânia ocupada, a plena igualdade para os cidadãos palestinos de Israel e a defesa dos direitos dos refugiados palestinos, conforme estipulado pelas leis e regulamentos internacionais.

Nada disso deveria ser controverso – mas grandes setores do establishment político britânico parecem estar alinhadas com a desaprovação de Johnson neste assunto. Eric Pickles, ex-presidente do Partido Conservador e Presidente Parlamentar na Câmara dos Lordes do grupo de lobby pró-Israel, chamou a campanha de “fino disfarce para o anti-semitismo”.

O Partido Trabalhista também tem sido consistentemente fraco na causa, apesar de uma nova pesquisa mostrar que 61% de seus membros apoiam o BDS.

No verão de 2020, quando o primeiro ministro israelense Benjamin Netanyahu ameaçou estender a anexação de Israel para dar lugar a mais colonos – uma medida em flagrante violação do direito internacional – Lisa Nandy pediu uma proibição da importação de produtos dos assentamentos, mas desde então tem se esforçado para dizer que ela “nunca” apoiou o BDS. Em sua opinião, “o BDS afasta em vez de reunir as pessoas”.

O líder trabalhista Keir Starmer aparentemente se alinha à mesma teoria. Ele recentemente cancelou sua participação em um evento virtual de quebra de jejum do Ramadã depois de ter sido informado de que seu organizador apoiava o boicote às tâmaras israelenses. O movimento foi duramente criticado, com mais de 2.000 pessoas assinando uma petição condenando o “desinteresse seletivo” de Starmer e sua discriminação contra os muçulmanos.

O desafio para os envolvidos no movimento BDS é que a tentativa de neutralizá-lo é multifacetada. Mesmo antes da proposta de lei do governo, as universidades de todo o país tinham uma histórico de silenciamento do ativismo pró-palestina em seus campi.

Fechando o cerco ainda mais, a Grã-Bretanha está começando a cantar o mesmo hino repressivo que os Estados Unidos e Israel. O primeiro viu pelo menos 28 estados aprovarem leis que restringem ou proíbem indivíduos ou empresas que negociam contratos com o Estado de boicotar Israel, enquanto o segundo tem colocado instituições de caridade e organizações de direitos humanos na lista negra para entrar no país por endossarem o movimento BDS. Em 2017, o governo de Israel aprovou um plano de 72 milhões de dólares para combater a influência do BDS.

Essas tentativas frenéticas de amordaçar o BDS e seus apoiadores são prova de seu crescimento e proeminência. A lista de histórias de sucesso nos últimos anos é considerável. Em 2019, grandes empresas internacionais, incluindo a Macquarie da Austrália, a Bombardier do Canadá, a Alstom da França e a Siemens da Alemanha se retiraram da licitação para construir a ferrovia em assentamentos ilegais de Israel em terras palestinas roubadas, à medida que a pressão do movimento aumentava.

A ONU também divulgou uma lista de 112 empresas que são cúmplices dos assentamentos ilegais de Israel, um movimento considerado amplamente como um grande passo para responsabilizar as corporações internacionais por facilitarem a opressão de Israel. A lista inclui nomes familiares como JCB, Motorola, Airbnb e TripAdvisor.

Recentemente, tanto o Luton Town Football Club, que joga na segunda maior divisão da Grã-Bretanha, quanto o Chester Football Club, da Liga Nacional Norte, cancelaram contratos de fornecimento com a Puma. Isso veio após a campanha BDS boicotar a marca líder na fabricação de roupas esportivas, que é a principal patrocinadora da Associação de Futebol de Israel. Um ativista até lembrou de um encontro com um advogado da Puma que lhes disse: “vocês estão tornando nossas vidas miseráveis“.

É claro que o ativismo do BDS representa um dos únicos métodos realistas de anular os abusos de Israel sem pagar um custo humano trágico, e ainda assim é continuamente reprimido.

Os palestinos sempre resistirão instintivamente à brutalidade de Israel, mas essa resistência traz consequências agonizantes. As duas Intifadas (levantes) em 1987 e 2000 foram lutas nacionais contra décadas de ocupação militar humilhante e violenta, mas em ambas as ocasiões os palestinos emergiram com fatalidades dramaticamente maiores do que os israelenses, condições socioeconômicas mais duras e uma infra-estrutura devastada.

Nos 50 dias da guerra Israel-Gaza de 2014, o mesmo padrão foi seguido. 2.202 palestinos foram mortos, um quarto dos quais eram crianças com menos de 18 anos de idade. 17 hospitais, 56 estabelecimentos de saúde primária e 45 ambulâncias também foram danificados, enquanto mais de 20.000 lares tornaram-se inabitáveis devido a ataques aéreos.

Após as expulsões forçadas no bairro Sheikh Jarrah e as manifestações que se seguiram, uma guerra está se desdobrando em Gaza. O bloqueio de Israel à área densamente povoada desde 2006, que gerou um desastre humanitário e criou a maior prisão ao ar livre do mundo, já é uma catástrofe suficiente: agora Israel está intensificando seu bombardeio contra a Faixa de Gaza. Pelo menos 69 mortes foram registradas  pelo Ministério da Saúde de Gaza, e o porta-voz militar israelense anunciou que o exército está com seu “pé no acelerador“.

O conflito Israel-Palestina é um conto do opressor colonial contra os oprimidos colonizados em que há um claro desequilíbrio de poderes e capacidades. Israel é capaz de obliterar múltiplas casas, prédios e apartamentos; foguetes disparados de Gaza são rotineiramente interceptados pelo avançado sistema de defesa antimíssil Domo de Ferro , financiado parcialmente pelos EUA.

Isso significa que as figuras políticas na Grã-Bretanha devem abandonar suas condenações genéricas e apáticas e se posicionar contra os crimes do apartheid de Israel. Elas devem começar com uma abordagem revigorada de caminhos e iniciativas mais seguras que desestabilizem Israel. Por muito tempo, sua retórica ética tem sido vazia.

Não há mais escolha. Apoiar o BDS é um imperativo moral.

Sobre os autores

é pesquisador político em um think tank e estudante de mestrado no King's College London.

Sobre o autor

Hamza Ali é pesquisador político em um think tank e estudante de mestrado no King's College London.

WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux