A revolucionária vida de Sylvia Pankhurst

27/09/2021

Por
Pauline Bryan

Tradução
Gercyane Oliveira

A militante socialista Sylvia Pankhurst faleceu neste dia em 1960. Um novo livro explora sua incrível jornada política, que atravessa o movimento sufragista feminino, a luta pelo socialismo na Inglaterra e a batalha contra o imperialismo na Irlanda e África.

O tratamento das mulheres pela polícia e pelos políticos quando protestavam era frequentemente cruel. A própria Sylvia quase teve o braço quebrado por Winston Churchill.

Os primeiros livros de Rachel Holme contam a vida de três notáveis mulheres: Eleanor Marx, Saartjie Baartman e o Dr. James Barry. A sua nova biografia, de Sylvia Pankhurst, tem mais de 900 páginas, afinal, uma vida tão grande merece um grande livro, especialmente quando é escrito com compreensão política e uma tremenda simpatia pelas mulheres na política.

Existe uma ligação inicial com um dos livros anteriores de Rachel Holmes quando, aos treze anos de idade, Sylvia foi levada pelo seu pai para se encontrar com Eleanor Marx. A vida de Sylvia lê-se como uma história do final do século XIX e início do século XX. Ela parecia, por vezes, estar envolvida em todos os grandes acontecimentos políticos. Como diz a autora, enquanto o nome Pankhurst estará sempre associado à luta pelo sufrágio feminino, para Sylvia “de longe a maior parte da sua vida foi dedicada à luta contra os males do racismo, do fascismo e do imperialismo”.

A história da vida de Sylvia Pankhurst atravessa o nascimento do Partido Trabalhista na Inglaterra, a criação de novos sindicatos, as lutas na Irlanda (incluindo a greve geral de 1913 e a revolta de 1916), a luta contra a pobreza e a degradação no East End de Londres, a oposição ao fascismo na Europa e na Grã-Bretanha, a fundação do Partido Comunista e a resistência no pós-guerra ao imperialismo britânico. Durante os seus últimos anos, dedicou-se à reconstrução da Etiópia, onde trabalhou até ao último dia da sua vida. Ela também fez tudo isto, claro, como sendo uma das figuras mais proeminentes do movimento do sufrágio feminino.

A casa dos seus pais estava aberta a um grande elenco de protagonistas nestas lutas, desde o nacionalista indiano Dadabhai Naoroji, o primeiro deputado asiático, HG Wells, George Bernard Shaw, Beatrice e Sydney Webb e, mais significativamente, Keir Hardie. E, assim que Sylvia teve a sua própria casa, disponibilizou-a igualmente a qualquer militante que passasse por Londres ou que desejasse planejar a próxima campanha. 

O empenho de Sylvia Pankhurst na luta da classe trabalhadora foi central para a sua política. Os fundamentos foram passados pelos seus pais. Como lembra Holmes:

“Sylvia apoiou de todo o coração a causa do sufrágio feminino… Ela acreditava também na necessária combinação entre a luta econômica e política das mulheres e da classe trabalhadora. Sem uma análise de classe, o feminismo era um grupo minoritário de campanha para mulheres ricas e de classe média que queriam igualdade com os seus irmãos e maridos, mas não tinham qualquer interesse em estender os mesmos direitos aos seus choferes ou empregadas domésticas.”

Esta é a chave para compreender Sylvia Pankhurst e o que eventualmente a separou da sua mãe e irmã mais velha. Por mais que Emmeline e Christabel quisessem mais tarde reescrever a história da União Social e Política das Mulheres (WSPU), ela foi inicialmente formada como filiada do Partido Trabalhista Independente (ILP). O seu manifesto comprometia a WSPU a assegurar o direito de voto e a justiça para as mulheres no seio do movimento trabalhista.

Com o tempo, a divisão entre as duas organizações cresceu, de modo que Keir Hardie se tornou um alvo de ataque por parte da liderança da WSPU. Mesmo o compromisso de Hardie com o sufrágio feminino, que nem sempre foi popular entre os membros da ILP, não foi suficiente para o impedir. Apesar disto e da sua ligação de longa data com a família Pankhurst, Hardie foi escolhido para um ataque particular com base no fato de estar perdendo o seu tempo em campanhas para outras reformas. Emmeline disse a Hardie que ele tinha errado nas suas prioridades. “As reformas do emprego – e todas as outras reformas – se tornarão um assunto corrente assim que as mulheres tivessem vencido a votação”. Se ao menos fosse este o caso.

Em um outro lado da vida, Sylvia teria passado o seu tempo como artista. Ela dedicou o pouco tempo que pôde para capturar a beleza das mulheres, muitas vezes em péssimas condições de trabalho. A biografa enviou-me de volta para ver o livro do seu filho Richard de 1979, Sylvia Pankhurst: Artista e Cruzada, uma maravilhosa recordação dos seus gráficos, desenhos e pinturas. Como aluna premiada, ela tinha potencial para uma carreira artística. Mas havia pouco tempo para pintar, exceto quando criava cartazes e painéis. Os seus desenhos, contudo, deram ao movimento sufragistas as suas imagens mais memoráveis.

Com o tempo, as tensões entre Sylvia e a sua mãe e irmã mais velha cresceram. A autora descreve-as como um microcosmo do que estava acontecendo na WSPU. Ao tornar-se mais um exército de guerrilha do que um movimento, tornou-se inevitavelmente mais autocrático. Sylvia não se afastava da militância mas queria uma maior abertura, nunca evitou a prisão e, em determinada altura, manteve o invejável recorde pelo número de vezes em que foi alimentada à força. Mas a sua preocupação era com os militantes que recebiam duras penas quando presos e para quem, ao contrário das sufragistas mais conhecidas, “não havia quaisquer telegramas internacionais”.

Durante as celebrações das sufragistas, há três anos, uma grande parte da história foi considerada higienizada. Foi apresentada, frequentemente, como uma diferença política que acabou por ser resolvida de uma forma sensata. A violência mobilizada contra as mulheres era, por vezes, disfarçada. Keir Hardie observou uma vez que, “a resistência e o heroísmo que estas mulheres demonstram na prisão é igual, se não for superior, a qualquer coisa que tenhamos testemunhado no campo de batalha”.

Mas muitos homens do movimento provavelmente não conseguiam compreender a profundidade da degradação deliberada que se verificava entre as mulheres. A leitura dos detalhes da alimentação por força oral ou nasal é excruciante. Sylvia descreveu-a como uma violação. De fato, em algumas circunstâncias, as sufragistas experimentaram uma “alimentação” vaginal ou anal, que obviamente não tinha nada a ver com a alimentação. É quase horrível demais para ser pensado e, não surpreendentemente, a maioria das mulheres nunca falaria sobre isso. 

O tratamento das mulheres pela polícia e pelos políticos quando protestavam era frequentemente cruel. A própria Sylvia quase teve o braço quebrado por Winston Churchill. A sexta-feira negra de 1910 viu um ataque brutal a uma militante da WSPU marchar até o parlamento para chamar a atenção para mais uma traição do governo Liberal. O nível de violência foi sem precedentes e obviamente planejado. Incluiu agressões sexuais e violações organizadas, bem como tentativas de humilhar as mulheres, rasgando as suas roupas. Não podia, mas foi sancionado ao mais alto nível. 

Não é surpreendente, portanto, que muitas mulheres militantes tenham se tornado hostis com todos os homens. A sua experiência durante a luta e talvez a experiência nas suas vidas familiares teriam reforçado o seu ódio ao sistema patriarcal. Uma comunidade unida de mulheres que confiaram e se apoiaram mutuamente permitiu o desenvolvimento de amizades profundas, duradouras e apegos emocionais. As relações lésbicas floresceram onde as mulheres foram reconhecidas como parceiras.

Mas havia também um puritanismo moral dentro do movimento, particularmente encorajado por Christabel Pankhurst. Christabel estava estendendo a mão para o “movimento que buscava a pureza moral de classe média”. Sylvia escreveu que havia uma afirmação de que “as mulheres eram mais puritanas, mais nobres e mais corajosas, já os homens… um corpo inferior, com grande necessidade de purificação”. Num panfleto intitulado O Grande Flagelo, Christabel apelou a “votos para as mulheres e castidade para os homens”. Alguns na época afirmaram que Sylvia Pankhurst tinha dado provas da sua colaboração com o patriarcado pela sua relação íntima com Keir Hardie.

Tem sido especulado durante décadas sobre a relação de Sylvia e Keir Hardie. A autora não tem dúvidas sobre as provas de uma relação duradoura e íntima. Sustentou-os a ambos através de um período de pressão inflexível nas suas vidas políticas. Em Cumnock, na Escócia, e Merthyr Tydfil, no País de Gales, Hardie continua a ser um homem de família com mulher e filhos. Na sua morte na Escócia, foi cremado e depois enterrado em Cumnock e, claro, Sylvia não pôde comparecer. Ela soube da sua morte da mesma forma que a sua mãe soube da morte do seu próprio marido – vendo um anúncio no jornal. Como diz Rachel Holmes, “era necessária uma fortaleza terrível para lamentar sozinha”.

O que é menos conhecido é que ela viveu com Silvio Corio durante mais de 35 anos. Trabalharam incansavelmente juntos produzindo jornais e panfletos, organizando reuniões e oferecendo hospitalidade a um fluxo interminável de militantes de todo o mundo. A política italiana de Corio mostrou que ele foi rápido a identificar a ameaça de Mussolini e a sua determinação em expandir o império fascista, a começar pela Etiópia. Seguiram-se décadas de envolvimento com a Etiópia e uma improvável amizade com Haile Selassie, o imperador do país.  

Selassie era um monarca hereditário, mas era também um combatente da liberdade. Nelson Mandela escreveu sobre a Etiópia como “o berço do nacionalismo africano” e da influência de Selassie como a força modeladora da história contemporânea etíope, explicando como o exemplo etíope inspirou e contribuiu para a formação do Congresso Nacional Africano. Sylvia tinha seguido a oposição do seu pai à monarquia e explicou a Selassie que o apoiava não porque ele era imperador, mas porque acreditava na causa da Etiópia.  

Há muito mais a dizer de Sylvia Pankhurst, é claro. O seu envolvimento nos debates em torno do estabelecimento do Partido Comunista da Grã-Bretanha, o seu tempo nos EUA e as suas ligações com James Connolly e Eva Gore Booth e muitos outros na Irlanda. O seu comentário mais pungente sobre Connolly foi “para mim a morte de James Connolly foi mais dolorosa do que qualquer outra porque a sua rebelião foi mais profunda do que o mero nacionalismo”. E “Connolly era necessário para o pós-construção”. Como em tantos casos, ela provou ter razão.

A sua vida terminou na Etiópia com o seu filho e a sua nora ao seu lado, trabalhando para tornar o mundo consciente dos esforços de reconstrução do país. Foi provavelmente o momento mais confortável da sua vida. Tinha uma casa leve e arejada, com um belo jardim. Era respeitada pelos etíopes e renovou a sua amizade com muitos dos líderes dos países africanos recém-independentes. 

Ela já tinha escrito o seu próprio epitáfio: “Quando chegava a vitória de qualquer causa, ela tinha pouco lazer para se regozijar, nenhum para descansar; ela tinha sempre outro objetivo em vista”.

Sobre os autores

é membro trabalhista da Câmara dos Lordes. Ela apóia a Campanha pelo Socialismo na Escócia e é membro fundador da Sociedade Keir Hardie.

Sobre o autor

Pauline Bryan é membro trabalhista da Câmara dos Lordes. Ela apóia a Campanha pelo Socialismo na Escócia e é membro fundador da Sociedade Keir Hardie.

WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux