Press "Enter" to skip to content
Os funcionários trabalham atrás de telas de plástico em um centro de distribuição da Amazon em Swindon, Reino Unido, na terça-feira, 23 de novembro de 2021. (Chris Ratcliffe / Bloomberg via Getty Images)

Greves e protestos miram a Amazon em 20 países

POR
Tradução
Cauê Seignemartin Ameni

Nesta Black Friday, trabalhadores do mundo todo estão se organizando sob a bandeira de Make Amazon Pay, exigindo que a empresa pague um salário mínimo, impostos e compensações por seu impacto trabalhista e ambiental. As ações abrangem toda cadeia de suprimentos e ultrapassam fronteiras - assim como a própria empresa.

Nesta Black Friday, uma coalizão de sindicatos, organizações não governamentais e grupos militantes unidos sob o nome de Make Amazon Pay está realizando um dia de greves e protestos contra a Amazon em 20 países, exigindo que a empresa pague um salário mínimo, impostos e compensação por seu impacto ambiental.

A ação ocorre no nível das operações da Amazon: o planeta. Embora a empresa de tecnologia e logística tenha sede nos Estados Unidos, ela opera globalmente, empregando cerca de 1,3 milhão de pessoas no mundo todo, um número que não inclui seus muitos trabalhadores que são contratados por subcontratados. Da mesma forma, a resistência às fronteiras da Amazon também deve ser ultrapassada.

A coalizão Make Amazon Pay foi lançada no ano passado com um dia de ação na Black Friday, mas neste ano o alcance da coalizão será mais amplo, com protestos e greves planejados em 20 países. A coalizão diz que o dia da ação vai variar de “refinarias de petróleo a fábricas, depósitos, centros de dados e escritórios corporativos”, destacando os braços de longo alcance e menos visíveis da Amazon.

Amazon Web Services (AWS), por exemplo, gera a maior parte dos lucros da empresa e trabalha tanto com a indústria de combustíveis fósseis quanto com as forças armadas, mas seus datacenters são muito menos visíveis do que suas operações de armazenamento e entrega. Com os protestos fora das refinarias de petróleo, a Make Amazon Pay espera começar a mudar isso. Como Kelly Nantel, diretora de relações com a mídia nacional da Amazon, disse ao Motherboard, que relatou pela primeira vez sobre as ações da Black Friday: “Esses grupos representam uma variedade de interesses”. Na verdade, esse é o ponto.

“A coalizão Make Amazon Pay é um grupo muito diverso de trabalhadores e seus aliados estão em muitos lugares e têm grupos ativistas diferentes”, diz Casper Gelderblom, coordenador da Make Amazon Pay para o Progressive International, uma organização transnacional de ativistas de esquerda que está ajudando a coordenar o dia de ação junto com UNI Global Union, uma federação trabalhista que é filiada a cerca de 150 sindicatos e que representam 20 milhões de trabalhadores. “A forma como a campanha nasceu foi reconhecendo que a Amazon é uma entidade transnacional e transversal. Se você quiser se posicionar contra uma grande entidade como a Amazon, precisa espelhar sua própria estrutura.”

“Em dias de ação global como a Black Friday, estamos vendo como o movimento que pressiona para mudar as regras de nossa economia e desafiar o poder corporativo está ficando mais ousado e forte”, disse Christy Hoffman, secretário-geral da UNI Global Union. “Cada vez mais pessoas estão fazendo mais perguntas sobre o comportamento brutal anti-sindical da Amazon, práticas anti-sociais de evasão fiscal e obsessão por controle.”

As ações abrangem a cadeia de abastecimento da Amazon, que vai desde trabalhadores do setor de confecções em Bangladesh e Camboja a motoristas de entrega na Itália até o local de desenvolvimento do River Club na Cidade do Cabo, África do Sul, onde a Amazon espera construir a sede da África Amazon. Além das ações dos trabalhadores, Make Amazon Pay está destacando 8 locais “para representar a profundidade do abuso da Amazon e a escala e unidade de resistência à empresa”. Trata-se de uma refinaria de petróleo na América Latina, uma fábrica na Ásia, um navio porta-contêineres na América Latina, um depósito na América do Norte, um depósito de caminhões na Europa, um escritório regional na África e um ministério de finanças na Europa.

Em Bangladesh e Camboja acontecem o tratamento inadequado dos trabalhadores por empresas que produzem roupas para as linhas de consumo da Amazon – embora a Amazon seja um mercado para vendedores terceirizados, ela também produz alguns de seus próprios produtos de marca própria. Trabalhadores do setor de vestuário nas cidades de Dhaka e Chittagong farão manifestações contra a quebra de sindicatos pela Global Garments e, no Camboja, os trabalhadores da fábrica Hulu Garment continuarão sua campanha exigindo que a Amazon, e outras empresas que a fábrica fornece, lhes paguem os US$ 3,6 milhões que são devidos em indenização.

“Houve campanhas contra os sindicatos em Bangladesh às quais a Amazon, pelo menos, fez vista grossa. Sua forma são uma reminiscência das lutas que vemos em, por exemplo, Bessemer, Alabama”, diz Gelderblom. “Os destinos da classe trabalhadora estão conectados – em geral, mas também especificamente nesta luta.”

Os trabalhadores da Amazon na Itália provaram ser alguns dos membros mais organizados da força de trabalho da empresa: no mês passado, os trabalhadores do depósito se envolveram em uma greve de um dia que levou a empresa a concordar com algum nível de reconhecimento dos sindicatos de trabalhadores sobre as questões de vagas e treinamentos. Nesta Black Friday, milhares de motoristas de entrega se engajarão em sua própria greve de um dia, exigindo cargas de trabalho menores e um ritmo mais sustentável. Embora esses motoristas não trabalhem diretamente para a Amazon – como nos Estados Unidos, eles funcionam para contratados terceirizados – eles são, no entanto, um componente-chave das operações da empresa.

O dia da ação aconteceu enquanto a organização trabalhista contra a Amazon continua nos Estados Unidos, onde a empresa está a caminho de se tornar em breve a maior empregadora do país. Os grupos baseados nos Estados Unidos envolvidos nos protestos da Black Friday incluem a Coalizão Athena, a Oxfam e o Movimento Sunrise. Embora o caminho para controlar a empresa seja repleto de obstáculos, há sinais de esperança. No início deste mês, na Califórnia, a Amazon foi multada em US$ 500.000 por esconder casos de COVID-19 de seus funcionários no depósito. Os esforços de organização do independente como Amazon Labour Union continuam em Staten Island (assim como a quebra do sindicato da empresa, tanto em Nova York quanto em Bessemer, Alabama, onde uma repetição da recente eleição do sindicato se aproxima).

O mais interessante disso: uma chapa acabou de ganhar a eleição de liderança dos Teamsters em uma campanha para organizar os trabalhadores da Amazon e assumir a United Parcel Service (UPS), uma das maiores empresas de logística do mundo, enquanto o contrato do sindicato, que cobre cerca de um quarto de milhão de trabalhadores, está sendo negociado. Os dois princípios estão relacionados: vai ser preciso lutar na UPS, articulando uma greve que seria a maior paralisação do setor privado que já vi, para ganhar um contrato melhor do que o atual em que a liderança dos Teamsters empurrou em 2018 de forma antidemocrática, e é fortalecendo a posição dos trabalhadores da UPS que os Teamsters podem enfrentar a Amazon também.

“Este movimento está tendo cada vez mais sucesso em se tornar internacional em sua perspectiva”, diz Gelderblom:

Muitas questões decisivas de nosso tempo, sejam elas sobre desigualdade de renda ou destruição do clima, são intrinsecamente internacionais por natureza. Se você quiser desafiar o poder em um nível fundamental, você precisa encontrar um ao outro, coordenar-se e efetuar uma mudança transformadora ampla nesse nível transnacional. Precisamos enfrentar o capital em seu nível global.

Se o patrão é o melhor organizador, como às vezes dizemos no movimento trabalhista, Jeff Bezos pode acabar sendo responsável historicamente pela reconstrução do movimento sindical internacional.

Sobre os autores

é redatora da equipe da Jacobin. Seus textos são publicados no Washington Post, Vox, the Nation, n + 1, entre outros lugares.

Cierre

Arquivado como

Published in América do Norte, Meio Ambiente, Notícia and Trabalho

Be First to Comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux