Press "Enter" to skip to content
O ideal de dinheiro “apolítico” defendido por criptofanáticos é uma fantasia. (Executium / Unsplash)

Criptomoeda não é uma alternativa

POR
Tradução
Gercyane Oliveira

A criptomoeda promete libertar o sistema monetário das garras dos poderosos - mas, em vez disso, ela funciona principalmente como uma forma de tornar os especuladores ricos ainda mais ricos.

A criptomoeda é frequentemente descartada tanto por economistas quanto por investidores como um ativo puramente especulativo – por uma boa razão. Com oscilações diárias de preços que chegam a 16% no lado positivo e mais de 18% no lado negativo, o Bitcoin, a criptomoeda mais estabelecida, é um dos ativos mais voláteis do mercado.

E, ainda assim, é saudado por alguns como a última reserva de valor e uma estratégia de investimento alternativa ao ouro, enquanto outros chegam ao ponto de afirmar que é a solução para um sistema financeiro em colapso. Cathie Wood, CEO do fundo de capital de risco Ark Invest, afirma que o Bitcoin “representa um seguro contra políticas monetárias malucas e a completa segregação de riqueza em alguns países”, enquanto o CEO do “Bnk To The Future” Simon Dixon vê as criptomoedas como oferecendo aos consumidores uma alternativa às práticas irresponsáveis de empréstimo dos bancos comerciais.

Ao contrário de muitos fanáticos por criptomoedas que de forma simplista veem a criação de dinheiro como uma responsabilidade do governo, Dixon aponta, com razão, que a criação de dinheiro está mais a critério dos bancos comerciais. Esses bancos criam crédito através de empréstimos e hipotecas a uma taxa desproporcionalmente mais alta do que sua acumulação de dinheiro ou reservas no Banco Central, contribuindo para uma ampla oferta de dinheiro em rápida expansão, e posteriormente inflacionando os ativos financeiros e os preços das casas ao criar muito dinheiro nesses mercados. Este tema de “criação de dinheiro” está no centro da ideologia da moeda criptográfica.

A cripto moeda como um projeto político tem suas raízes ideológicas na escola austríaca do pensamento econômico. É encapsulada por pensadores como Milton Friedman, com seu infame e exagerado axioma de que “a inflação é sempre e em todos os lugares um fenômeno monetário”. O pensamento econômico austríaco vê a intervenção governamental como a causa de todos os males e fenômenos econômicos, como a inflação, como consequência das distorções de mercado provocadas pela adulteração das taxas de juros, impostos e gastos pelo Estado.

Seu pensamento diz que, deixado à sua própria sorte e livre dos prognósticos dos burocratas do Tesouro e do Banco Central ou dos políticos que se ocupam da política fiscal e monetária, o sistema financeiro encontrará o equilíbrio e proporcionará uma economia mais estável. Eles propõem, portanto, um retorno a algo como um padrão ouro, o que colocaria um limite à política governamental e à criação de dinheiro.

Há alguma verdade na narrativa que as taxas de juros persistentemente baixas têm impulsionado a inflação dos preços dos ativos nas últimas décadas. Entretanto, a restrição da capacidade de um Estado de usar medidas de política monetária contracíclicas através da aplicação de um padrão-ouro tem sido frequentemente associada a recessões mais frequentes e mais severas. Como aponta o ex-governador do Banco da Inglaterra, Mervyn King, em seu livro The Alchemy of Finance:

A atração do ouro para muitos – particularmente pelo fato de seu fornecimento não poder ser facilmente expandido pelos governos – é, de fato, uma séria fraqueza. Em tempos de crise financeira, o dinheiro impresso pode ser criado rapidamente e com facilidade quando a demanda por liquidez é alta; não é assim a oferta de ouro. Quase invariavelmente, o padrão ouro foi suspenso durante um pânico financeiro.

A primeira falha no pensamento criptofanático é que ele não reconhece que, fora dos tempos de crise, a maior parte da criação de dinheiro não é impulsionada pelos bancos centrais, mas pelos bancos comerciais através do crédito, como aponta Dixon. A criação de crédito de bancos comerciais liga o futuro com o presente, trazendo valor que ainda não foi criado para investir em capital agora, o que ajuda a trazer esse valor futuro à existência – por exemplo, através de empréstimos comerciais.

Por outro lado, os bancos também podem agir para antecipar gastos sem uma criação proporcional em valor ou capital – por exemplo, através da emissão de cartões de crédito. Isto serve para criar artificialmente a demanda no curto prazo, o que, a menos que seja atendido com o aumento da renda mais tarde, significará uma queda no consumo futuro, uma contração no crédito e, posteriormente, uma recessão.

De acordo com King, o problema é que “o foco de grande parte dos bancos mudou de fazer empréstimos, o que requer uma avaliação local cuidadosa dos potenciais clientes de empréstimos, para negociar títulos”. A criação de crédito não é, por si só, boa ou ruim. Ela tem o potencial de direcionar recursos para projetos que melhoram a subsistência de milhões de pessoas, mas ao invés disso está sendo direcionada para atividades especulativas que só servem para concentrar riqueza nas mãos daqueles que já a possuem. A questão não é, portanto, a quantidade de dinheiro criado, mas o critério de e para quem ele é criado e com que finalidade.

Então, como exatamente as criptomoedas, com sua agenda anti-inflação, oferecem uma solução para esta questão? A resposta é que eles não o fazem. Na verdade, a inflação pode ser uma ferramenta útil para a redistribuição da riqueza. Se os salários e o custo dos bens aumentam, mas o preço dos bens permanece estático ou aumenta a um ritmo mais lento, facilita uma transferência de riqueza daqueles que obtêm renda da poupança, dos bens e do aluguel para aqueles que obtêm renda do trabalho. Em contraste, se a taxa de retorno do investimento for superior ao aumento médio dos salários e do crescimento, então a riqueza se acumulará para aqueles que já são ricos em ativos, como esboçado por Thomas Piketty em seu livro Capital in the Twenty-First Century.

Piketty destaca como os ricos gastam uma proporção muito menor de sua renda do que as pessoas comuns e suas economias estão sendo cada vez mais direcionadas à especulação financeira não produtiva e à extração de aluguéis, em oposição ao investimento em capital produtivo que gera empregos, demanda de mão de obra e aumento de salários. Posteriormente, o crescimento é lento e a desigualdade de riqueza está aumentando.

Embora a compreensão de Dixon sobre as questões que envolvem o sistema bancário seja mais matizada do que a de muitos entusiastas da criptografia, sua proposta de solução de “bancos sem reservas fracionárias” ainda falha. Como mencionado, a questão não é a quantidade de dinheiro criado, mas por quem ele é criado. Este é o fator determinante em quais setores da economia ou da sociedade será atribuído o crédito.

Embora a crítica à política monetária livre e seu impacto negativo na desigualdade de riqueza tenha algum peso, não está claro como a moeda criptográfica oferece uma solução para este problema ao defender vagamente algum tipo de padrão de ouro digital. Os problemas que enfrentamos (mudança climática, desigualdade, desemprego, etc.) não podem ser resolvidos limitando a criação de dinheiro. A questão é uma questão política: como democratizar a criação de dinheiro.

King sugere que a maneira de fazer isso é trazer de volta a criação de dinheiro dentro da competência exclusiva dos bancos centrais, que são “responsáveis” perante o governo. As discussões em torno da criação das moedas digitais dos bancos centrais estão puxando o debate nesta direção. No entanto, há propostas mais radicais. E se, em vez de os bancos criarem crédito com a finalidade de gerar lucros para os acionistas, eles, em vez disso, se inclinarem de forma sustentável para fins de regeneração das economias locais em benefício dos residentes locais, que seriam eles mesmos os principais interessados nesses bancos?

Fundos de riqueza comunitária como o Avon Mutual estão sendo criados com este propósito em mente. Os bancos comunitários regionais estão mais em contato com suas economias locais e são comuns na Europa continental. Além disso, estudos demonstraram que o modelo bancário comunitário tem o potencial de proporcionar melhores resultados econômicos, ambientais e sociais para as regiões em que opera. Estes bancos tentam democratizar as finanças operando com base em um só membro, com cada depositante tendo uma palavra a dizer sobre como o banco é administrado e onde ele aloca o crédito.

O ex-chanceler trabalhista inglês, John McDonnell, propôs uma sacudida radical do sistema bancário britânico em 2019. A política defendia uma estratégia de financiamento de longo prazo para projetos de infraestrutura verde e apoio a pequenas e médias empresas, centrada em um banco de investimento nacional com subsidiárias regionais. São ideias como essas que têm o potencial de consertar um sistema bancário falido e autoritário dominado por algumas instituições oligopolistas.

O ideal do dinheiro “apolítico” defendido pelos criptofanáticos é uma fantasia: quanto, onde e para quem o dinheiro é criado é inerentemente uma decisão política. O que é necessário é um mecanismo para estender a “agência monetária” às pessoas comuns para que possam utilizar a criação de crédito em benefício de suas comunidades e da sociedade como um todo.

Sobre os autores

é cofundador da Bristol Cooperative Alliance, uma organização que visa promover uma economia descentralizada que capacite as comunidades locais e facilite a autodeterminação democrática.

Cierre

Arquivado como

Published in Análise, Economia and Tecnologia

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux