Press "Enter" to skip to content
Cena do filme Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo. (A24)

Tudo em todo lugar ao mesmo tempo é o filme mais insano do ano

[molongui_author_box]
Tradução
Cauê Seignemartin Ameni

Dedos de cachorro-quente, um guaxinim falante e karatê com plug anal. Tirando os absurdos, o filme é um conto profundamente (e às vezes excessivamente) sentimental sobre uma família lutando para sobreviver.

Tudo em todos os lugares ao mesmo tempo é uma loucura. O segundo e mais recente longa da equipe de direção Daniel Kwan e Daniel Scheinert (estilizado como Daniels) é o tipo de insanidade que se presta a ser descrito listando coisas em um tom reverente. Dedos de cachorro-quente, um guaxinim falante, karatê com plug anal, Michelle Yeoh vestida como uma dominatrix espancando um cara – tudo isso e muito mais, você pode esperar ver neste filme.

Na verdade, filmes que induzem esse tipo de estupor sem palavras nos críticos (falta de muitas outras coisas, mas nunca palavras) geralmente são ruins: Scott Pilgrim, Eternal Sunshine, The Lobster, a maioria dos filmes da Marvel , todos os filmes de Charlie Kaufman e, de fato, o primeiro filme de Daniels, Swiss Army Man. O que há para dizer? Muita coisa acontece. Há muitos personagens fazendo muitas coisas atraentes numa rápida sucessão. Eles dizem coisas fofas e desorientadoras e fazem coisas encantadoras e imprevisíveis em uma sequência previsível, em algum lugar uma história se entrelaça, o impulso aumenta, geralmente fica chique no final e depois termina.

Em filmes como esses, o público é manipulado para produzir tantas reações – rir, chorar, suspirar – em um ritmo tão rápido que logo percebem que têm duas opções: parar de assistir e recuperar a homeostase ou ceder ao turbilhão cinematográfico por mais algumas horas. E esses filmes são (com exceção do terrível Lobster) geralmente coloridos, rápidos e cheios de diversão, celebridades bonitas convidando você a rir com eles. Que tipo de estraga-prazeres pode resistir? E realmente qual é o problema? Nenhum. Mas quando você está na metade do caminho de volta para casa, tudo o que resta do filme em sua mente são alguns flashbacks de cores vivas – uma linha de diálogo simplista e talvez um quadro particularmente bem decorado.

Tudo em todo lugar ao mesmo tempo evita o vazio que sentimos nesse tipo de filmes – na maioria das vezes. As últimas oscilações dos Daniels são grandes, mas não sacrificam o coração da obra. As narrativas emocionais puxam você para todas as direções, mas a maioria delas está profundamente enraizada em arcos de personagens bem desenhados – exceto pela personagem Jenny Slate, uma falastrona tipo princesa judia-americana que os Daniels chamaram de “Big Nose”.

O filme é novo em alguns aspectos – usar a lógica da ficção científica para contar uma história de amor e luta de imigrantes é algo realmente engenhoso. De outras maneiras, parece um filme da Marvel de baixo orçamento que Kevin Feige e companhia deixaram a equipe criativa ter controle total. O aspecto mais interessante de Tudo em todo lugar ao mesmo tempo, o aspecto que mais endossa as afirmações críticas ao seu “frescor” e visão progressista, é na verdade a estranha conexão do filme com um produto particularmente conservador do passado de Hollywood.

O filme é centrado em Evelyn Wang, a proprietária de uma lavanderia de meia-idade, interpretada pela lendária estrela do cinema nascida na Malásia, Michelle Yeoh. Evelyn está sobrecarregada de trabalho, atormentada, prejudicada pela interminável corrida entre obstáculos, contratempos e infortúnios da vida, e constantemente atendendo a todos ao seu redor para fazer melhor. Seu marido, Waymond (Ke Huy Quan), atende seus pedidos alegremente, mas está planejando discretamente pedir divórcio. Sua filha Joy (Stephanie Hsu) é tudo menos o que parece.

Uma festa de Ano Novo Chinês se aproxima, as autoridades estão pressionando os Wang a colocar seus negócios em ordem, o pai de Evelyn, Gong Gong (James Hong), vem da China com problemas de saúde para morar com eles, e tudo que Joy quer é que Evelyn apresente sua namorada, Becky (Tallie Medel), para Gong Gong, não a “muito boa amiga” que Evelyn está sempre junta.

Pequenas fissuras crescem, ameaçando abrir o frágil pote de barro da vida de Evelyn, para usar uma metáfora do filme. Mas a ajuda vem de um lugar inesperado, até mesmo incompreensível. Evelyn e Waymond encontram maneiras de explorar versões de si mesmos em universos alternativos, versões que podem ajudá-los a pensar e agir melhor em qualquer situação que surja neste universo. E muita coisa vem em seu caminho.

Depois de socar uma auditora fiscal (um Jamie Lee Curtis primorosamente engraçado) em um ataque multidimensional, hordas de policiais desta linha do tempo se juntam a hordas de bandidos de outras linhas do tempo, que pretendem destruir Evelyn. Os bandidos juram fidelidade a Jobu Tupaki, o único ser no multiverso poderoso o suficiente para perceber toda a matéria em todas as linhas do tempo simultaneamente. Tupaki vê uma ameaça em Evelyn, que, como explica Waymond alternativo, é tão poderosa porque ela é a maior falha de todas as Evelyns, aquela que tomou todas as decisões erradas e, portanto, aquela que pode aproveitar o poder de todos os seus melhores “eus”. Tupaki também é uma alternativa da filha de Evelyn, que criou um bagel que tem o poder de engolir todo o multiverso, naturalmente.

É uma perda de tempo escrever sobre o enredo de Tudo em todo lugar ao mesmo tempo, porque você só precisa assistir ao desenrolar da história. Além da performance verdadeiramente extraordinária de Yeoh, que subverte completamente o tipo de personagem coadjuvante em que ela foi sepultada, a parte mais interessante deste filme é o final surpreendentemente conservador. Depois de duas horas e meia de performances exageradas, experimentação narrativa e desconstrução de gêneros, o filme chega ao mesmo ponto que toda comédia de propaganda familiar e melodrama do período clássico que Hollywood costumava finalizar: respeite os mais velhos, ouça seus filhos e ame mais seu marido.

Evelyn descobre que o segredo para derrotar Jobu Tupaki é realmente amá-la. Ela só descobre isso quando finalmente abre seu coração, deixa de controlar sua família e ouve seu marido. Quan se encolhe um pouco, isso a lembra de como o amor é importante – “Eu sei que vocês estão brigando porque estão assustados e confusos. Mas você tem que ser gentil, especialmente quando você não sabe o que está acontecendo.”

Tal como acontece com os filmes que são loucos pela loucura, não há nada de errado com os valores da família tradicional. Que os Daniels tenham um argumento tão forte para eles em meio a uma loucura tão desequilibrada, na verdade, estabelece uma conexão ainda mais profunda com as brilhantes e desconcertantes mulheres do elenco. Pode demorar um pouco para as pessoas perceberem o que já é um clássico em Tudo em todo lugar ao mesmo tempo.

Sobre os autores

é um escritor e crítico de San Gabriel Valley que escreve sobre cinema e cultura. Seu trabalho pode ser lido no Little White Lies, Los Angeles Review of Books, Rue Morgue e Ampersand LA.

Cierre

Arquivado como

Published in América do Norte, Filme e TV and Resenha

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux