“A Turquia revive o Estado Islâmico em Rojava”

04/12/2019

Uma entrevista com
Rosa Burç e Kerem Schamberger

Tradução
José Carlos Ruy

A invasão turca no norte da Síria é seu mais recente esforço para destruir a nascente democracia radical em Rojava, onde as forças lideradas pelos curdos esmagaram o Estado Islâmico, cujas as milicias fundamentalistas agora estão de volta.

Vendedores de frutas, legumes e utensílios de cozinha para refugiados fora do campo de Badarash, em Dohuk, Iraque, que continua a crescer para os refugiados curdos sírios que fogem da invasão turca em Rojava, em 24 de outubro de 2019. Byron Smith / Getty

A morte do líder do Estado Islâmico (ISIS) Abu Bakr al-Baghdadi não é o fim do banho de sangue na Síria – mesmo nas áreas que o ISIS há muito tiranizou. Nos últimos dois anos, seu território foi radicalmente reduzido, graças à ação das Unidades de Proteção do Povo (YPG) e das Forças Democráticas da Síria (SDF). Essas forças lideradas pelos curdos não apenas resistiram ao ISIS, como criaram uma nova forma de democracia não sectária no norte da Síria, conhecida como Rojava. Apesar da morte de al-Baghdadi, Rojava está novamente em perigo. Essa ameaça renovada ao projeto democrático no norte da Síria não é totalmente surpreendente.

Em um teatro de guerra envolvendo potências como EUA, Rússia, Turquia e Estados do Golfo, a sobrevivência de Rojava esteve sempre à mercê de um equilíbrio geopolítico precário. Quando, no início deste mês, Donald Trump retirou o pequeno número de forças americanas da Síria, deu sinal verde para o presidente autoritário da Turquia, Recep Tayyip Erdoğan, para lançar uma invasão do território controlado pelos SDF.

Nesta entrevista a Steve Hudson, os ativistas pró-Rojava Rosa Burç e Kerem Schamberger falam da invasão, a proliferação de jihadistas e a ameaça ao Rojava.

SH

Conte-nos o que é o Rojava e o que está acontecendo lá nos últimos anos.

RB

 Rojava significa literalmente “a terra onde o sol se põe” em curdo e é usado como sinônimo para o Curdistão Ocidental. Durante sete anos, em meio à guerra na Síria, as forças curdas e a população civil lutam por uma nova forma de autodeterminação. Nos últimos anos, eles construíram sua autonomia. Não fizeram isso no vácuo, mas através da luta contra o Estado Islâmico. Rojava é um símbolo de autodeterminação para os povos do Oriente Médio e especialmente da Síria.

SH

Costumo ler o artigo discutido em termos de autogoverno democrático – uma democracia de base que defende os direitos das mulheres e das minorias.

RB

Rojava é a resposta natural à ascensão e colapso dos estados-nação no Oriente Médio. Os curdos e outras minorias na região foram sistematicamente excluídos da vida política por quase um século. Portanto, Rojava é algo novo – e tem um caráter de base, porque contorna a hegemonia supressora das nações dominantes e de seus respectivos estados. Rojava é essencialmente um projeto de autodeterminação por aqueles a quem foram negados direitos fundamentais pelos estados-nação existentes.

SH

Então, por que a Turquia invadiu agora?

KS

Rosa disse algo importante: a fundação dos Estados-nação turcos, sírios e depois do Iraque não prestou atenção à diversidade multiétnica da região, mas apenas a uma identidade nacional dominante: os turcos, os sírios. Identidade árabe e iraquiana-árabe em cada país respectivo. Qualquer projeto que afirme o contrário – ou seja, a diversidade de culturas – representa uma ameaça para essa perspectiva de Estado-nação. Portanto, a Turquia tem interesse em impedir qualquer autodeterminação – e especialmente em interromper o que Rojava está tentando implementar. Também vimos isso em setembro de 2017, durante o referendo da independência no sul do Curdistão (norte do Iraque), onde todos os estados vizinhos intervieram massivamente.

A Turquia agora invadiu Rojava na tentativa de destruir esse autogoverno e resistir a todas as formas de autodeterminação curda. Mas também, para servir seus planos neo-otomanos para a expansão do estado turco. Como você pode ver, em todos os lugares que a Turquia invadiu nos últimos anos – em março de 2018 em Afrin [uma cidade em grande parte curda] e agora na parte ocidental do norte da Síria – não permitiu o autogoverno, mas construiu um tipo colônia, por exemplo, criando correios e universidades turcos. Refugiados da Síria, que tiveram que fugir após a guerra civil, devem se instalar nesses mesmos territórios. Isso significaria uma arabização das áreas onde a maioria dos curdos morava.

SH

O turco agora está sendo ensinado em Afrin?

KS

Sim, exatamente – não como no período de governo autônomo, quando as lições foram adaptadas às respectivas áreas e seus idiomas. Agora, o curdo não é sequer uma das línguas ensinadas nas escolas de Afrin.

RB

Não se deve esquecer que a Turquia tem uma longa história de “guerras de turquificação” contra os curdos. Por exemplo, até 1991, o idioma curdo foi banido. Hoje, mesmo que a língua curda seja permitida, o povo curdo não tem o direito de instruir em seu próprio idioma, o que significa que não desfruta do direito à educação em sua língua materna. Nem os curdos recebem um intérprete curdo no tribunal. Pior ainda, eles são linchados – como vimos algumas semanas atrás – porque falam curdo.

O que vimos em Afrin e voltamos a ver hoje é a continuação de uma política de turificação de um século, sob ocupação. A Turquia fala sobre “riscos à segurança” para justificar suas operações na maioria das regiões curdas. Mas trata-se de esmagar qualquer forma de expressão política curda e impedir seu ressurgimento dentro ou fora da Turquia.

SH

O que exatamente está acontecendo, especialmente contra a população civil? E em termos militares?

KS

Militarmente, houve um acordo entre as Forças Democráticas da Síria (SDF) e o Exército Árabe da Síria – ou seja, o exército do regime de Assad – para defender certas áreas de fronteira contra a Turquia. Ninguém sabe o que esse acordo realmente significa, mas estamos vendo a Turquia atacando, em dois lugares em particular: Girê Spî e Serê Kaniyê. E se olharmos para o papel que essas cidades desempenharam historicamente, podemos falar de uma redivisão do Curdistão. Lá, apesar do chamado “cessar-fogo”, os ataques das milícias jihadistas pró-turcas continuam em massa. Parece também que há um acordo da Rússia e dos Estados Unidos de que a Turquia pode continuar atacando essas áreas – de fato, ninguém está falando sobre os ataques em andamento.

Essas duas cidades foram centrais para o surgimento de um cinturão árabe na década de 1960. Milhares de famílias árabes do norte foram instaladas lá, com o objetivo de quebrar a maioria curda da população. Mas, nos últimos anos, ainda havia uma coexistência muito diversificada de diferentes culturas. O ataque agora pode significar re-arabização.

Os ataques turcos em Serê Kaniyê foram particularmente violentos, mas as forças curdas defenderam a cidade por mais de dez dias. Isso, contra o segundo maior exército da OTAN. Existem dezenas de milhares de mercenários jihadistas na folha de pagamento do exército turco. Todos os dias, dezenas de mortes são relatadas nesta área, incluindo civis, pois estão sujeitas a bombardeios direcionados pelas forças turcas. Atualmente, 300.000 pessoas estão fugindo. Cerca de 300–500 civis foram mortos até agora. É uma situação dramática.

SH

Também houve a execução da política curda Hevrîn Xelef…

RB

Sim, houve relatos e imagens de vídeo confirmados do Observatório Sírio mostrando essa execução. Ela tinha 35 anos – depois dos estudos, voltou a Rojava para contribuir com a mudança social que estava acontecendo. Foi exatamente isso que eu quis dizer antes: as pessoas fizeram todos os esforços possíveis para construir um novo sistema em Rojava. Ela esteve ativamente envolvida na construção de um conselho de mulheres e foi co-presidente do Futuro Partido da Síria.

Falar sobre sua execução é doloroso, porque ela representava pessoalmente tudo o que Rojava havia imaginado para o futuro – os curdos e todos os outros povos. Ela era conhecida por suas realizações em termos de laços diplomáticos entre vários grupos curdos, étnicos e religiosos. Ela promoveu a amizade curdo-árabe e estava trabalhando ativamente em um futuro conjunto na Síria do pós-guerra.

É importante não esquecer que as milícias jihadistas – que são pagas e apoiadas pelo segundo maior exército da OTAN – a executaram a sangue frio e que um jornal amigo do AKP, da Turquia, comemorou essa “neutralização” de uma “terrorista”. Existe um nacionalismo extremo e racista na Turquia, construído em torno do ódio anti-curdo, tanto na política quanto na mídia. Quando ouvi as notícias sobre ela, meus pensamentos se voltaram para o ministro do Interior turco. Alguns dias antes, ele havia dito em uma entrevista à CNN Turca que eles não estavam combatendo uma “organização terrorista” convencional, mas uma “organização terrorista de mulheres”. E então, é claro, surge a questão de saber se esse ódio às mulheres é de fato, simbólico do que está sendo feito para o Rojava.

KS

Este ataque contra Hevrîn pode ser uma premonição do futuro na Turquia, se os mercenários conseguirem conquistar essas áreas. Isso significaria um reino de terror para as mulheres e para todos os que defendem uma forma diferente de coexistência.

SH

O AKP tenta pintar todas as tentativas de autodeterminação como “terrorismo”. Ao mesmo tempo, existe essa aliança com grupos jihadistas e até com o ISIS. Durante muito tempo, foi dito que a Turquia havia tolerado ou até ajudado a construir o ISIS no norte da Síria – o que está acontecendo com eles agora, especialmente os prisioneiros das áreas controladas pelos curdos?

RB

O apoio da Turquia ao ISI é antigo. Não é apenas desde que vimos recentemente bombardeiros aéreos turcos contra prisões para libertar soldados do ISIS, mas até na luta por Kobanê em 2015. Naquela época, Erdogan falou da captura da cidade pelo ISIS como uma vitória. Muitas evidências semelhantes foram acumuladas nos últimos anos; o corpo de fronteira turca permitiu por exemplo que o ISIS cruzasse fronteiras. O ISIS lutava pelos interesses turcos no norte da Síria.

KS

A Turquia chama eufemisticamente seu ataque de “Operação Primavera da Paz”, mas, na verdade, eu o batizaria de “reavivamento do Estado Islâmico”. Uma das primeiras ações turcas foi bombardear as prisões onde os combatentes do ISIS foram mantidos, permitindo centenas de fugas. Também há relatos não confirmados de que armas foram lançadas para equipá-las. E também há relatos de bandeiras ISIS tremulando novamente. Isso é realmente inacreditável: os curdos perderam 11.000 combatentes na luta contra o Estado Islâmico, 24.000 ficaram gravemente feridos e agora esse aliado da Otan está fazendo ataques bombardeios contra os curdos. Estou na política há vinte anos, mas raramente experimentei uma injustiça tão flagrante.

SH

E como o Ocidente reage a uma injustiça tão flagrante?

KS

No momento, acho que toda a reação ocidental é hipócrita. Hoje, o governo alemão impediu a existência de embargos de armas da União Europeia. Existem embargos de estados individuais, como Espanha, Holanda ou países escandinavos – e a Alemanha pode seguir o exemplo. Mas as lojas de armas da Turquia estão cheias de armas ocidentais – de fato, o governo federal alemão entregou cerca de 500 tanques Leopard à Turquia. Qualquer embargo só teria efeito em meses ou anos.

Segundo, nos últimos quinze anos, o AKP conseguiu reativar a indústria de armas turca. Isso significa que 80% das armas turcas são produzidas lá, pois também estão atentas à transferência de conhecimento e agora podem produzir fuzis de tiro rápido alemães. Portanto, não há mais dependência de armas estrangeiras.

As sanções de que Trump está falando são ridículas – não farão nada. Acho que as sanções e as condenações verbais servem para apaziguar o público global e dizer: a União Européia também condena isso para que eles possam alegar que estão “fazendo alguma coisa”, mesmo que tenham sido eles que tornaram a guerra possível. Essa é claramente a estratégia deles. Nós, da nossa parte, temos que sair às ruas, demonstrando e aumentando a desobediência civil, em vez de confiar nos governos. O próprio Ocidente não tem interesse no projeto Rojava.

RB

Devemos olhar para o Rojava e ser inspirados por ele. O que as pessoas fizeram lá é exigir o seu próprio direito à auto-determinação, para a libertação humana. Se, em nossa indignação, simplesmente olharmos para a comunidade internacional e confiarmos nas sanções ineficazes impostas por governos estrangeiros, isso apenas significa que mais pessoas morrerão, os curdos serão deslocados, a Turquia aprofundará seu autoritarismo e Rojava não sobreviverá. Isso significará a morte de um projeto através do qual muitas pessoas em todo o mundo recuperaram suas esperanças de um futuro melhor.

Nas ruas, e onde quer que estejamos, temos que mostrar como estão interconectadas as injustiças de nossos tempos. Devemos deixar claro que uma derrota para a “utopia” de Rojavan seria uma derrota para todos os defensores da democracia dos povos ao redor do mundo. Também há coisas mais práticas que podemos fazer, como boicotes. No final, trata-se de defender uma sociedade igualitária – em Rojava e além.

Sobre os autores

é um ativista nascido no Reino Unido com sede na Alemanha e co-presidente da Momentum International. Ele co-organiza o podcast halbzehn.fm.

é pesquisador do Instituto de Ciência da Comunicação e Pesquisa em Mídia da Universidade Ludwig Maximilian de Munique e membro da Esquerda Marxista.

é pesquisadora do Centro de Estudos do Movimento Social (COSMOS) da Scuola Normale Superiore em Florença, Itália.

Sobre os autores

Steve Hudson é um ativista nascido no Reino Unido com sede na Alemanha e co-presidente da Momentum International. Ele co-organiza o podcast halbzehn.fm.

Kerem Schamberger é pesquisador do Instituto de Ciência da Comunicação e Pesquisa em Mídia da Universidade Ludwig Maximilian de Munique e membro da Esquerda Marxista.

Rosa Burç é pesquisadora do Centro de Estudos do Movimento Social (COSMOS) da Scuola Normale Superiore em Florença, Itália.