Reagrupando a esquerda boliviana

07/03/2020

Por
Pablo Stefanoni

Tradução
Cauê Seigner Ameni

A Bolívia ainda está sofrendo as consequências do golpe que derrubou Evo Morales no final do ano passado. Em meio à repressão, com mais de 30 mortos, perseguição aos indígenas e camponeses e a intimidação constante de uma fortificada direita no poder, a esquerda está se preparando para novas eleições presidenciais.

Luis Arce Catacora, candidato à presidência e ex-ministro das Finanças (centro), e David Choquehuanca, candidato à vice-presidência e ex-ministro das Relações Exteriores (à esquerda), acenam durante uma manifestação do Movimento Rumo ao Socialismo (MAS) em 8 de fevereiro de 2020 em El Alto, Bolívia. (Marcelo Perez del Carpio / Getty Images)

Após o golpe que removeu Evo Morales do poder em novembro de 2019, as próximas eleições presidenciais da Bolívia estão marcadas para 3 de maio de 2020. Com Morales no exílio na Argentina e com um governo de transição de extrema-direita que se dedica à demolição de seu legado, o Movimento ao Socialismo (MAS) enfrenta uma batalha árdua em sua tentativa de retornar o governo.

Apesar da virada reacionária do país e das ondas de repressão desencadeadas pela nova presidente interina Jeanine Áñez, uma pesquisa recente, no entanto, mostra que o MAS reteve uma parcela significativa de sua base popular e, com a direita dividida, poderia muito bem garantir um lugar na corrida eleitoral.

Uma chapa vencedora?

A eleição de maio ocorrerá no contexto de uma instabilidade política única. Todos os dias, ex-funcionários do MAS são presos sob variadas acusações de corrupção. Em 22 de janeiro, centenas de soldados foram mobilizados nas ruas para intimidar os seguidores de Morales no aniversário da nova Constituição do Estado Plurinacional, aprovada em 2009.

No período que antecede a eleição de maio, as campanhas do MAS estão sendo classificadas como “suspeitas” e são frequentemente mencionadas em termos como “terrorista”. O que Fernando Molina chamou de “um novo bloco de poder” está se formando, apoiado por uma base urbana “mais branca”, conservadora e rica – um contraste distinto com a base amplamente rural de Morales.

No momento em que escrevo, Evo Morales ainda é candidato senador por Cochabamba. Isso pode mudar se o Supremo Tribunal Eleitoral decidir impedir Morales de concorrer alegando que ele não reside na Bolívia. A candidatura do candidato presidencial do MAS, Luis Arce Catacora, está sob “investigação”, e sua campanha certamente será alvo de ataques antes das eleições.

A escolha de Luis Arce Catacora para candidato à presidência foi decidida em Buenos Aires, onde Morales está atualmente exilado. Ministro das Finanças de boa parte do governo de Morales, Luis Arce Catacora é um economista moderado responsável pelas políticas que estimularam com sucesso o crescimento e a redução da pobreza – embora não tenham mudado a dependência das indústrias extrativistas. Seu modelo incentivou a expansão do papel do Estado na economia, mantendo também a estabilidade macroeconômica, diferenciando a experiência boliviana da venezuelana.

Outro candidato do MAS era o ex-ministro das Relações Exteriores, David Choquehuanca, que perdeu o cargo em 2017, mas conta com apoio nas regiões aimaras do Altiplano. Choquehuanca prova-se ideologicamente inescrutável. Seu discurso se concentra em defender a Pachamama (Mãe Terra) e é um pouco esotérico. Nos últimos anos, ele tem participado de campanhas nas regiões aimaras. Ele conheceu pela primeira vez Morales na década de 1980 e, através do programa Nina, financiado por algumas ONGs, ajudou Morales a dar o salto da organização sindical entre os plantadores de coca para a política, embora estejam agora um pouco distantes.

O Pacto de Unidade, reunindo grande parte das organizações rurais do MAS, elegeu Choquehuanca como candidato à presidência e Andrónico Rodríguez como companheiro de chapa. Rodríguez é vice-presidente das Federações Cocaleras do Trópico de Cochabamba, o sindicato dos plantadores de coca do qual Morales permanece presidente. Com apenas trinta anos, ele é de origem agrícola e goza de grande popularidade entre os camponeses. O ingresso de Choquehuanca-Rodríguez prometeu manter um equilíbrio aimara-quíchua e preservar a identidade do MAS, mas sem dúvida faltava uma posição urbana.

De sua base na capital argentina, Morales, ainda líder do MAS, concordou em colocar Choquehuanca na lista, mas como candidato a vice-presidente – e não presidencial -, e promoveu Arce Catacora para tentar recuperar alguns dos voto nas cidades, epicentro da revolta contra o MAS.

O ex-presidente tem reservas sobre seu ex-ministro das Relações Exteriores, Choquehuanca, temendo que ele possa se tornar um novo Lenín Moreno – o presidente equatoriano que se desentendeu violentamente com seu antecessor Rafael Correa, depois de ter desfrutado de seu apoio e altíssima popularidade na vitória eleitoral. Outra consideração é que ter Choquehuanca, um indígena como líder do MAS, pode significar que a usurpação da influência de Morales.

De fato, a influência de Morales enfraqueceu. Hoje, existem pelo menos três “universos” diferentes dentro da organização do MAS, marcadas por desconfiança mútua. Há exilados na Argentina, onde os “radicais”, frequentemente acusados ​​de não entenderem o que está acontecendo na Bolívia, dominam. Existe o grupo parlamentar do MAS, que controla dois terços do Congresso e favorece o “diálogo” com o novo governo. Depois, há as organizações sociais, sobretudo de caráter indígena-camponesa, frequentemente focadas em seus interesses setoriais.

Uma história de tensões

Essas tensões políticas têm suas raízes nos primeiros dias do partido. Nascido na zona rural na década de 1990, o MAS era o nome eleitoral adotado pelo Instrumento Político da Soberania dos Povo, uma organização política sui generis composta por sindicatos rurais e por ex-membros da esquerda tradicional, cujos partidos – comunistas, trotskista, guevarista – estavam em crise com a queda do bloco soviético.

Embora seja ideologicamente difuso, o MAS poderia ser caracterizado como uma organização amplamente nacionalista de esquerda com um novo discurso indígena, que assumiu maior destaque desde 1992, no 500º aniversário da conquista das Américas.

Embora mais tarde tenha se espalhado pelas cidades, o núcleo do apoio do MAS estava originalmente entre organizações camponesas. Sempre foi uma espécie de partido sindical, com pouca unidade orgânica ou debate ideológico. Embora seu apoio urbano sempre tenha tendido a flutuar, o MAS continua sendo a única força eleitoral de esquerda na Bolívia e o único partido com forte apoio popular em todo o país – a direita terá uma enorme dificuldade em fazer incursões na base do MAS dentro dos territórios habitados por indígenas e camponeses.

O MAS entende-se como um “instrumento político” para organizações sociais e não como um partido tradicional. Essa abordagem não tem precedentes: na década de 1940, guiada por iniciativas trotskistas, os mineiros bolivianos concorreram às eleições parlamentares como um bloco de mineradores. Essa mesma tradição de participar de políticas eleitorais através de uma base sindical seria posteriormente transferida para o MAS. Agora, por outro lado, o sujeito ou a vanguarda política não é mais o mineiro, mas o camponês.

O MAS mantém um complexo equilíbrio entre sindicatos, regiões e grupos étnicos (por exemplo, no norte de Potosí, entre indígenas ayllus, camponeses e mineiros), e o faz com pouca unidade interna típica da esquerda tradicional. Devido à sua composição social, os quadros da classe média são tratados como “convidados”, e não como membros integrais do partido. Arce Catacora é um desses “convidados”.

Alcançar um certo grau de unidade entre esses interesses está sendo complicado e a liderança de Evo Morales tem sido vital para mantê-los unidos. Na sua ausência, as tensões estão aumentando novamente. Por outro lado, o fato de ele ter se destacado poderia servir para reduzir a polarização social e, finalmente, beneficiar o MAS.

O calcanhar de Aquiles do MAS

Talvez o mais impressionante seja que, no auge do golpe, ficou evidente que o MAS havia perdido o controle das ruas. Poucas organizações sociais saíram para lutar e, em vez disso, as ruas foram ocupadas pela oposição, incluindo as milícias de direita organizadas de Santa Cruz – uma região agroindustrial na parte leste do país, historicamente um bastião do conservadorismo.

Por que aconteceu isso? Os anos de proximidade entre os movimentos sociais e governo fez com que as lideranças se distanciassem de sua base social. Ao mesmo tempo que as lideranças aspiravam posições burocráticas no “governo dos movimentos sociais”, elas minavam o trabalho de base. Essa lógica burocrática enfraqueceu a cultura do debate na vida interna dos movimentos e prejudicou sua autonomia.

Por outro lado, enquanto setores da classe média se sentiam excluídos pelo MAS, que pouco se importava com a capital simbólica dos diplomas universitários, a insatisfação se aprofundava. A decisão de Morales de concorrer à presidência novamente, mais vezes do que os termos estipulados na Constituição de 2009 e contra a decisão de um referendo de 2016, desencorajou alguns ex-apoiadores do MAS nas cidades e radicalizou a oposição. Reivindicações de irregularidades nas eleições alimentaram mais ainda o incêndio.

Por todos os sucessos dos 14 anos no poder de Morales, a falta de independência do judiciário (embora não seja um fenômeno novo na Bolívia), o uso de recursos do governo para fins eleitorais na campanha e o “duplo padrão” em relação ao meio ambiente não ajudou em nada. Os incêndios de Chiquitanía enfraqueceram o governo na opinião pública.

Depois que Morales e Álvaro García Linera partiram, e a violência contra seus apoiadores aumentou, o MAS não teve quadros que pudessem intervir para ocupar as posições de liderança – apesar do MAS controlar dois terços do Congresso e ocupar posições de destaque no Senado e a Câmara dos Deputados. Em vez de pedir o retorno de Morales ao poder, a resistência foi atraída pela proteção e legitimidade do whipala, um símbolo indígena alvo de manifestantes de direita.

Um cenário incerto

Após a queda de Morales, o novo governo desencadeou uma onda de repressão que resultou na morte de 30 pessoas. Ao mesmo tempo, em um esforço para intimidar, a polícia foi posicionada em frente à Embaixada do México, onde vários ex-funcionários do governo pediram asilo. Vozes estrangeiras que criticaram o atual governo – como o embaixador mexicano e um alto diplomata espanhol – foram declaradas personas non grata e denunciados por estarem fazendo uma “conspiração internacional” contra o novo governo boliviano.

Grupos violentos, geralmente armados, são um motivo ainda maior de preocupação. A chamada “resistência” pode ser vista “guardando” a Embaixada do México em La Paz, quando eles não estão intimidando ativistas do MAS em todo o país com a cumplicidade da polícia. A radicalização, ou o “efeito Bolsonaro”, desse setor da direita, com sua retórica intensamente anticomunista, é um dos principais desencadeamentos na política boliviana atual.

Sua busca por “apagar” os últimos 14 anos e substituí-lo por sua própria narrativa é refletida pelo governo, pela mídia e pelas redes sociais, e é capturada em três palavras: “hordas” – uma referência aos ativistas do MAS que os reduz a fanáticos; “desperdício” – alegando que o desempenho macroeconômico altamente elogiado pelo governo anterior era uma ficção; e “tirania” – alegando que os últimos 14 anos não passavam de despotismo puro no Estado.

Por enquanto, o campo anti-Evo tem vários candidatos: há a presidente em exercício, Jeanine Áñez, que, por enquanto, alcançou 15,5% dos votos nas pesquisas; o ex-presidente Carlos Mesa atingiu 17%; e Luis Fernando Camacho – líder da ala mais radicalizada responsável pela queda de Morales – caiu para 9,6%, com apenas 1% em La Paz. Camacho pode ter que se retirar da corrida se seus números permanecerem muito baixos.

O MAS, por sua vez, produzirá resultados positivos se puder realizar uma boa campanha, tirar proveito da fraqueza da direita e apresentar uma auto-imagem mais humilde do que nos últimos anos. É verdade que pode não ganhar a presidência, mas há uma boa chance de ganhar a maioria no Parlamento. À medida que o fervor pós-golpe começa a diminuir, a distribuição de poder na Bolívia está prestes a surgir.

Sobre os autores

é historiador e jornalista. Ele atua como editor-chefe da revista Nueva Sociedad.

Sobre o autor

Pablo Stefanoni é historiador e jornalista. Ele atua como editor-chefe da revista Nueva Sociedad.