A vacina da COVID tem que ser para todos – não apenas para os países ricos

23/11/2020

Por
Heidi Chow

Tradução
Deborah Almeida e David Guapindaia

Mais de 80% dos estoques de vacinas da Pfizer foram comprados por países que representam apenas 14% da população mundial. O poder da industria farmacêutica e a riqueza do mundo desenvolvido ameaçam a luta global contra à pandemia.

Todo país merece ter acesso às vacinas e aos tratamentos de combate ao coronavírus. (Flickr)

Houve um suspiro coletivo aliviado com a notícia de que os primeiros resultados da Pfizer, uma vacina eficaz contra Covid-19, pode estar no horizonte. O chefe da Pfizer proclamou o anúncio declarando: “Hoje é um grande dia para a ciência e a humanidade“.

A descoberta de uma vacina é de fato uma ótima notícia, mas infelizmente não é para toda a humanidade – apenas para uma pequena fração dela. Mais de 80% dos estoques de vacinas da Pfizer até o final do próximo ano já foram pré-adquiridas por países ricos como Reino Unido, EUA, União Européia, Japão e Canadá. Coletivamente, esses países representam apenas 14% da população global.

Se a vacina da Pfizer for aprovada, a maioria da população mundial – vivendo principalmente em países de baixa e média renda – não chegará nem perto dela. E o mesmo ocorre com a farmacêutica Moderna, que declarou que sua vacina é quase 95% eficaz.Uma vez que 78% de suas doses já foram pré-compradas por países ricos, representando apenas 12% da população mundial.

É provável que os suprimentos globais sejam ainda mais limitados porque a patente da Pfizer e sua parceira BioNTech sobre a vacina não permite que outra empresa faça ou venda essa vacina por um período mínimo de 20 anos. Isso fornece a base para um monopólio legal – e sem competição, a Pfizer decide quem recebe a vacina e a que preço.

Nesses termos, não é surpresa que a maioria das vacinas tenha ido para os compradores mais ricos e a Pfizer / BioNTech estão prontas para sair com lucros fantásticos, fazendo cerca de US$ 13 bilhões no próximo ano com a vacina.

Tudo isso parece extremamente injusto, senão imoral. No entanto, é exatamente assim que o sistema funcionou por décadas. A indústria farmacêutica é uma máquina com fins lucrativos que usa monopólios de patentes para cobrar os preços mais altos por tratamentos que salvam vidas enquanto obtém os maiores lucros.

Tornou-se uma das indústrias mais lucrativas do mundo, mas à custa de bilhões de pacientes que lutam para ter acesso a tratamentos a preços acessíveis, desde os mais básicos até aos mais cruciais que salvam vidas. Isso já é ruim o bastante em tempos normais, mas durante uma pandemia global pode ser verdadeiramente desastroso.

Então o que pode ser feito a respeito disso? Bem, nenhuma empresa pode satisfazer a demanda global. Se o problema é obter estoques físicos reais, então a atitude mais óbvia se a fazer é: que empresas como a Moderna e a Pfizer compartilhem seu know-how tecnológico e os direitos de fabricação da vacina com outras empresas. A mobilização de mais fabricantes aumentará a oferta global para que mais pessoas possam ter acesso à vacina e evitar a alta de preços.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou um mecanismo no início deste ano – Covid-19 Technology Access Pool – para facilitar o compartilhamento de know-how tecnológico e direitos de propriedade intelectual para permitir que qualquer empresa ou qualquer país tenha acesso às vacinas e tratamentos tão necessários. No entanto, apenas 40 países se juntaram a este pool global e as empresas farmacêuticas condenaram o esquema, com o chefe da Pfizer descartando-o como “um absurdo”.

Essa reação não é tão surpreendente. Afinal, por que uma empresa com fins lucrativos entregaria seus segredos comerciais e propriedade intelectual aos concorrentes? Na verdade, isso já foi feito antes.

O Medicines Patent Pool, uma organização de saúde pública apoiada pela ONU, ajudou a negociar o compartilhamento voluntário com empresas de genéricos para melhorar o acesso aos tratamentos de HIV, TB e Hepatite C em países de baixa e média renda. E a Moderna se comprometeu a não utilizar suas patentes durante esta pandemia, mas não assumiu nenhum compromisso público de compartilhar seu know-how tecnológico, o que será crucial para outras empresas replicarem a vacina.

O financiamento público desempenhou um papel importante na busca por uma vacina contra Covid-19. Globalmente, mais de US$ 5,5 bilhões foram investidos na pesquisa e desenvolvimento para a criação de uma vacina para o coronavírus. Mesmo com as alegações da Pfizer de que não receberam nenhum financiamento do governo, eles se beneficiaram das compras antecipadas por governos ricos de mais de um bilhão de doses do para uma vacina não comprovada, enquanto a BioNTech recebeu € 375 milhões em financiamento direto do governo alemão.

A própria ciência na qual a Pfizer e, também, outras vacinas candidatas se baseiam – uma tecnologia de proteína de pico – foi financiada pelo governo dos EUA. Não deve ser controverso que as vacinas com financiamento público priorizem resultados de saúde pública, incluindo compromissos sobre preços, licenciamento aberto e compartilhamento de know-how de fabricação.

Em última análise, o compartilhamento voluntário de know-how e direitos de patente é exatamente isso – é voluntário e depende da boa vontade gradativa das empresas para fazer a coisa certa. Mas agora, fazer a coisa certa em face da pandemia global não deve ser opcional.

Os governos da Índia e da África do Sul colocaram na mesa da Organização Mundial do Comércio (OMC) uma proposta para suspender as regras de comércio global que sustentam os monopólios das Big Pharma. A suspensão proposta cobriria os produtos de saúde para COVID-19 e duraria até que a vacinação generalizada fosse implementada e a imunidade global do rebanho fosse alcançada.

Suspender essas regras injustas seria uma grande virada de jogo – quebraria os monopólios da indústria farmacêutica sobre as vacinas e tratamentos à COVID-19, permitindo que o máximo de fornecedores possíveis maximizassem o fornecimento global. Os países do Sul Global estão acolhendo essa proposta, enquanto apenas um punhado de países ricos se opõe a ela.

Em vez disso, países como o Reino Unido estão contando com um esquema global de compra de vacinas, o Covax Facility liderado pela Fundação Gates, para enfrentar o problema da desigualdade de acesso à vacina. A ideia é reunir os países para comprar coletivamente e distribuir de forma equitativa.

Mas o governo do Reino Unido está assumindo grandes compromissos com a Covax Facility, ao mesmo tempo que a enfraquece, garantindo acordos para acumular vacinas para o país. Suas ações estão alimentando o nacionalismo de vacinas, com outros países ricos também fechando seus próprios acordos para garantir o abastecimento.

Estima-se que 51% dos estoques globais já foram comprados pelos países ricos, levantando a questão se existem vacinas suficientes para a Covax comprar. No final das contas, a Covax Facility não está disposta a desafiar os monopólios das Big Pharma ou apoiar o pool global. Portanto, vai acabar lutando pela sobra depois que os países ricos fizerem suas escolhas.

Se houver um momento certo para reorientar o sistema farmacêutico global para priorizar a saúde pública em detrimento dos lucros corporativos, esse momento é agora. Há muito em jogo para permitir que os monopólios e os lucros das Big Pharma restrinjam o acesso a vacinas e tratamentos essenciais da COVID-19.

O desespero para ver o fim dos bloqueios nacionais e das restrições sociais é sentido não apenas neste país, mas em todos os países afetados. Todo país merece ter acesso às vacinas e tratamentos para combater esse vírus, e a única maneira de isso acontecer é as empresas farmacêuticas permitirem e apoiarem outras empresas para ajudar a aumentar o abastecimento.

Se eles não fizerem isso voluntariamente, os governos precisam intervir para que isso acontecer.

Sobre os autores

é ativista e consultora de políticas da Global Justice Now. Ela lidera a campanha farmacêutica do Global Justice Now para lutar pelo acesso a medicamentos no Reino Unido e em todo o mundo.

Sobre o autor

Heidi Chow é ativista e consultora de políticas da Global Justice Now. Ela lidera a campanha farmacêutica do Global Justice Now para lutar pelo acesso a medicamentos no Reino Unido e em todo o mundo.

WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux