Os perigos do merkelismo continuam

26/09/2021

Por
Loren Balhorn

Tradução
Gercyane Oliveira

Esta eleição alemã é uma das mais imprevisíveis em décadas após 16 anos de Angela Merkel. Mas mesmo que os social-democratas de Olaf Scholz consigam montar um governo, eles estão prometendo a continuidade das políticas capitalistas de centro – não a mudança que os trabalhadores e o clima precisam.

Qualquer que seja a coalizão que substitua o governo de Angela Merkel na eleição do próximo domingo, é provável que persiga mais quatro anos de merkelismo. (Omar Marques / Getty Images)

O termino do quarto e último mandato de Angela Merkel como chanceler alemã marcará o fim de uma era. Embora não seja a chefe de governo mais antiga do país (uma honra ainda reservada ao pai fundador Otto von Bismarck), o reinado de Angela Merkel foi notável. Os seus 16 anos no cargo viram uma consolidação profunda do poder econômico e político da Alemanha estabelecendo-a firmemente como o poder supremo na União Europeia. Esta ascensão dentro da UE foi acompanhada por um crescimento econômico quase contínuo no país – impulsionado pelo setor de baixos salários criado pelas reformas neoliberais do governo anterior de Gerhard Schröder.

Enquanto grande parte da Europa lutou para se recuperar da crise financeira de 2008, o PIB alemão recuperou as suas perdas até meados de 2011 e tem apresentado, desde então, números consistentes de crescimento trimestral. A desigualdade social também aumentou consideravelmente – a Alemanha tem agora o dobro dos bilionários que tinha quando a líder democrata-cristã (CDU) Merkel foi eleita pela primeira vez em 2005 – mas muitos eleitores não parecem se importar. Poucos dias antes dela se demitir, quase dois terços dos alemães dizem estar “satisfeitos” com o seu desempenho. Os salários podem estar estagnados, mas pelo menos há empregos estáveis e um Estado federal que, até agora, parece ser capaz de lidar com crises (das quais passou por muitas). O custo do aluguel tem crescido bastante em muitas áreas urbanas, mas o governo ainda subsidia muitas maneiras para as famílias construírem uma casa nos subúrbios. Em resumo: as coisas poderiam ser muito piores.

A explicação para o aparente sucesso de Merkel é simples. Ela deu aos eleitores alemães aquilo que eles mais valorizam: a estabilidade. A CDU sempre integrou alguns trabalhadores na sua coligação, particularmente os das zonas rurais e dos pequenos locais de trabalho sem sindicatos. Mas, sob Merkel, o partido tornou-se um partido de grandes tendências por excelência. Depois de receber um resultado mais fraco do que o esperado em 2005, Merkel virou-se para o centro, afastou-se de mais reformas do mercado de trabalho e passou a maior parte dos últimos 16 anos governando com os sociais-democratas (SPD). O seu mandato foi marcado por uma série de reformas comparativamente progressistas, incluindo a legalização do casamento gay e a instituição de um salário mínimo. Embora a CDU continue a ser um partido de profissionais de classe média e dos capitalistas tanto grandes como pequenos, sob a Merkel o partido conseguiu, pelo menos, expandir a sua coalizão para incluir muitos eleitores da classe trabalhadora que queriam um governo estável e uma economia estável.

Os seus opositores políticos levaram a sério a lição e, à medida que se aproxima a eleição para escolher o seu substituto, até o candidato social-democrata do SPD, Olaf Scholz, está fazendo o seu melhor para se projetar como um digno herdeiro do seu estilo moderado. Os números das sondagens sugerem que outra grande coligação entre a CDU de Merkel e o SPD é quase impossível. Mas seja qual for a combinação de partidos que acaba por concordar com a próxima coligação para governar, é provável que sejam mais quatro anos de merkelismo – apenas sem Merkel.

Corrida ao meio

Até há alguns meses atrás, muitos observadores pensavam que uma coligação “verde-preto” entre a CDU e os Verdes cada vez mais populares era uma aposta segura para conduzir a Alemanha para a era pós-Merkel. Nenhuma outra constelação obteve uma maioria estável nas sondagens, e políticos de ambos os partidos insinuaram repetidamente essa possibilidade. Em muitos aspectos, a coligação fazia sentido: a CDU significava estabilidade e continuidade, enquanto que os Verdes prometiam tornar a economia mais verde e tomar as medidas necessárias para cumprir os compromissos do Acordo de Paris da Alemanha. Progresso, mas não muito e não muito rápido. 

No entanto, tanto Annalena Baerbock, que é a primeira classificada dos Verdes, como Armin Laschet, sucessor da CDU de Merkel, assistiram à queda do seu apoio durante o último verão. A CDU paira agora não muito acima dos 20% de apoio, enquanto que os Verdes de Baerbock estão presos na alta adolescência há mais de um mês – colocando uma maioria para os dois partidos fora de alcance e enviando comentadores e políticos para uma enxurrada de especulação. Quem terá votos suficientes para governar: a chamada coligação Deutschland (preto-vermelho-amarelo) entre o SPD, a CDU, e os Democratas Livres neoliberais (FDP)? Uma variação um pouco mais progressista do mesmo, excluindo a CDU, mas incorporando os Verdes? Ou talvez o sonho de longa data dos progressistas alemães de (praticamente) todas as listras, uma coligação vermelho-vermelho-verde incluindo o partido socialista Die Linke?

Gostaríamos de pensar que esta crise de credibilidade poderia ser atribuída às inundações catastróficas na Alemanha ocidental há dois meses atrás, ou ao colapso do governo afegão apenas uma semana após a retirada das forças apoiadas pela OTAN. Afinal, a região da Renânia do Norte-Vestefália, que Laschet governa desde 2017, foi particularmente atingida pelas inundações, e tanto os Verdes como a CDU têm sido fervorosos defensores da missão alemã no Afeganistão desde o início. Será que os eleitores estão punindo o centro pela sua incapacidade de lidar com as alterações climáticas ou de se opor ao imperialismo dos EUA, e procurando alternativas mais ousadas?

Não exatamente. De fato, parece que as atuais dificuldades do centro político se resumem a pouco mais do que más relações públicas. Após uma breve lua-de-mel como a candidata favorita dos meios de comunicação social liberais, a Baerbock dos Verdes viu-se em águas quentes no início de junho quando uma jornalista reparou várias reivindicações questionáveis no seu currículo oficial, tais como a sua alegada participação no Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (que não tem membros individuais). Outras revelações semanas mais tarde que o seu recente livro, intitulado Jetzt [Agora], copiou passagens de outros autores sem reconhecimento, o que cimentou ainda mais a sua imagem como amadora, se não mesmo como totalmente desonesta.

Os defensores de Baerbock são rápidos em culpar o seu mergulho nas pesquisas de opinião pública pelo machismo – argumentando que um homem não seria tratado de forma tão dura por um erro tão grave. Dito isto, há apenas dez anos atrás, um escândalo de plágio semelhante levou o ministro da Defesa da CDU, Karl-Theodor zu Guttenberg, ao banimento da vida pública. Entretanto, Franziska Giffey – a candidata do SPD a presidente da câmara de Berlim, e quase vencedora garantida para 26 de setembro – saiu ilesa das revelações de que o seu PhD e a sua tese de mestrado foram plagiados. À parte a bizarra propensão dos políticos alemães para falsificar títulos acadêmicos, parece que em vez de ser o machismo o problema, algumas partes do establishment político e midiático alemão continuam veementemente contra a ideia de uma chanceler verde, e os próprios trapalhões de Baerbock dão-lhes o pretexto necessário para a derrubarem.

Dito isto, os Verdes não são o único partido que se vêem com um problema de imagem. Para não ser ultrapassado pelos neoliberais progressistas à sua esquerda, o conservador Laschet rapidamente subiu a parada com o seu próprio desastre de relações públicas. Em meados de julho, após repentinas inundações no seu Estado natal que mataram 47 pessoas e devastaram cidades inteiras perto da fronteira belga, o ministro-presidente da Renânia do Norte-Vestfália foi filmado brincando e rindo com outros colegas da CDU, enquanto o presidente da Alemanha, Frank Walter-Steinmeier, proferia um discurso solene em comemoração daqueles que perderam as suas vidas.

Laschet rapidamente pediu desculpa por aquilo a que se referiu como uma infeliz “impressão que emergiu de uma situação de conversação”, mas o dano já estava feito: os eleitores começaram a virar as costas a ele em massa, e mesmo alguns líderes do seu próprio partido expressaram abertamente o desapontamento no seu desempenho. Neste momento, Laschet parece não ter qualquer hipótese de apoiar a sua posição, e muito provavelmente receberá o resultado mais baixo da história para um candidato a chanceler da CDU.

A social-democracia volta à esteira

Talvez ainda mais surpreendente do que a auto-sabotagem da coligação negro-verde é o espaço que ela abriu para que os social-democratas em crise saiam das cinzas como o novo líder do centro moderado. A base de apoio do SPD desmorona há duas décadas, com cada eleição nacional marcando o pior de sempre, apenas para ser ultrapassada pela próxima. No entanto, de repente, o declínio parece ter parado.

Liderado pelo atual ministro das Finanças Olaf Scholz, os números do partido começaram a subir desde que a infeliz “situação de conversação” de Laschet foi parar nas manchetes, e têm permanecido estáveis desde então. Nas eleições de hoje, ele irá provavelmente emergir como o próximo chanceler da Alemanha. Scholz pode não ser particularmente carismático ou ter uma visão notável para o futuro do país, mas é um rosto conhecido na cena política, e como ministro das Finanças conseguiu associar-se ao financiamento de emergência do Estado para suavizar o golpe da crise da COVID-19. Esta combinação de fatores, juntamente com as crises política de Baerbock e Laschet, impulsionaram a social-democracia de volta ao centro da política alemã – embora não como uma força de renovação, mas como mordomos do familiar e do fiável. “Sem experimentos”, o slogan informal da CDU durante os últimos 70 anos, seria como se estivesse em casa num governo liderado por Scholz.

Qualquer pessoa que espera que o SPD sob a sua nova liderança de esquerda em torno de Saskia Esken e Norbert Walter-Borjans usariam a sua liderança repentina nas sondagens para criar uma dinâmica para um governo vermelho-vermelho-verde encontrará pouco com que se entusiasmar. O SPD deixou bem claro que a sua opção preferida seria uma coligação com os Verdes e os falcões neoliberais do FDP – cuja presença assegura que quaisquer planos importantes para enfrentar a crise climática seriam ditados pelo capital alemã. O próprio Scholz tem tido o cuidado de se retratar como a próxima Merkel, chegando mesmo ao ponto de copiar o seu gesto de mão “triângulo de poder” para as câmaras (reconhecidamente, não é o único que o faz). Em vez de girar para a esquerda, o SPD parece pensar que a sua melhor hipótese de destituir os conservadores é tornar-se um deles.

A nomeação de Scholz em agosto de 2020, meses antes de os outros partidos anunciarem os seus candidatos, já era um sinal claro de que a dupla tinha perdido a sua batalha pela alma da social-democracia e, se não capitulado, pelo menos fez uma pechincha com a direita. Eleitos em finais de 2019, logo após Jeremy Corbyn ter sido participado das eleições gerais britânicas, Esken e Walter-Borjans criticaram abertamente a deriva dos anteriores líderes do SPD para a direita, falaram sobre o termo “socialismo democrático”, e manifestaram interesse em governar em conjunto com Die Linke. O seu apoio a Scholz, um notório falcão de austeridade repetidamente rejeitado pela esquerda do partido como a personificação de tudo o que está errado com o SPD, prefigura o regresso triunfante do partido ao centrismo que está agora em plena exibição.

No entanto, alguns inicialmente defenderam o movimento como uma tática inteligente para atrair os eleitores moderados, dando assim ao SPD uma alavanca para liderar o próximo governo, enquanto a liderança de esquerda assegura que a administração de Scholz não repetiria os ataques ao Estado de bem-estar social prosseguidos pelo último chanceler do SPD, Gerhard Schröder. Enquanto o partido estava sondando para que o vermelho-vermelho-verde aparecesse como uma possibilidade real, Scholz distanciou-se do Die Linke, enquanto Esken e Walter-Borjans mostravam as suas afinidades com a esquerda numa tentativa de manter as esperanças entre os fiéis do partido e partes dos sindicatos.

No último mês, no entanto, à medida que o SPD ia avançando nas pesquisas, os líderes do partido e representantes da sua ala esquerda, nomeadamente o antigo presidente do Young Socialist, Kevin Kühnert, deixaram de falar de vermelho-verde por completo ou começaram a fazer exigências para que Die Linke proclamasse a sua fidelidade à OTAN e à aliança com os Estados Unidos antes que as conversas da coligação pudessem começar. Esta é uma tentativa flagrante, e profundamente cínica, de cortar os sonhos do vermelho-verde no início, antes que se descontrolem e forcem o partido a cumprir uma ou duas promessas de campanha. Na semana passada, Kühnert declarou a sua intenção de votar contra o referendo sobre a expropriação da empresa privada de construção habitacional de Berlim Deutsche Wohnen.

Quando chega a hora de empurrar, mesmo os esquerdistas do SPD mais vocais parecem mais preocupados em assegurar a sua própria posição na hierarquia do partido do que em formar um governo que pudesse assegurar um futuro para os seus filhos e netos.

Tudo calmo no front Ocidental

Independentemente de quem for governar a República Federal depois de Merkel, parece uma aposta segura que, ao contrário de muitos dos seus vizinhos europeus, na Alemanha o centro político continuará a governar por mais alguns anos. A ampla e comparativamente próspera classe média do país pode mudar as suas cores do preto CDU para verde ou vermelho SPD ou alguma combinação dos três – mas poucos eleitores parecem interessados em dar um salto para o “desconhecido político”. 

Enquanto os Verdes, a CDU, e o SPD lutam por quem tem o candidato mais brando e menos ameaçador, é impressionante como a turbulência nas pesquisas beneficiou um outro partido: a Alternativa para a Alemanha (AfD), a direita-populista, que se manteve estável nos 12%, o FDP está confortavelmente aglutinando na juventude, enquanto o Die Linke – o outro “vermelho” numa possível coligação vermelho-verde-verde – está ofegante para respirar, pouco acima do limiar de 5% necessário para reentrar no parlamento.

A estagnação do Die Linke não é novidade. Uma acumulação de mudanças demográficas fragmentou a sua base social tradicional, uma vez que o seu núcleo eleitoral da Alemanha Oriental morre ou se move para a direita. O antigo sonho do partido de substituir o SPD nas regiões industriais ocidentais também não se concretizou e nos últimos anos tem cultivado um perfil incoerente como “partido dos movimentos”, afirmando ser a autêntica voz de protesto no parlamento, ao mesmo tempo que está ansioso para se juntar ao governo onde quer que a oportunidade surja. Esta incoerência política foi exacerbada durante 9 anos por uma liderança partidária ineficaz que lutou para comunicar uma mensagem clara aos eleitores ou para chamar a atenção dos meios de comunicação social.

A novidade é que uma CDU desesperada está invocando um tipo de retórica anticomunista que a Alemanha não via há décadas, procurando assustar potenciais apoiadores do SPD e dos verdes ao reivindicar que um voto para a centro-esquerda é realmente um voto para uma coalizão com comunistas. Esta nova rodada de campanhas anticomunistas “meias vermelhas” não ajudou Armin Laschet, nem prejudicou o SPD ou os Verdes mais do que as suas próprias ações. Mas teve o efeito não intencional de finalmente chamar a atenção dos meios de comunicação social para Die Linke e a sua nova líder, Janine Wissler, após meses de cobertura que se concentraram em grande parte no Laschet e Baerbock. Paradoxalmente, embora o apoio de Die Linke esteja no seu ponto mais baixo desde a fundação do partido, pela primeira vez em tantos anos, os observadores especulam seriamente sobre a possibilidade de uma coligação vermelho-vermelho-verde.

Embora tais prognósticos não tenham melhorado a posição miserável do partido nas pesquisas, Wissler provou ser um orador hábil e ágil, capaz de lutar com apresentadores de talk show de limpeza à direita e fanfarrões conservadores de uma forma que os seus antecessores não conseguiam. Assumindo que o partido consegue aguentar 5 ou 6% nas eleições, Wissler vai entrar no parlamento como deputado pela primeira vez e provavelmente se tornará a nova face pública da oposição. Embora os limites dos projetos de esquerda centrados em personalidades carismáticas tenham sido experimentados mais de uma vez nos últimos anos, dado o estado atual da esquerda alemã, o seu surgimento proporciona pelo menos uma suspiro de esperança de que os próximos quatro anos não serão tão cinzentos como os últimos.

Sobre os autores

Loren Balhorn é um editor contribuinte jacobino em Berlim, Alemanha, onde é membro do Die Linke.

Sobre o autor

Loren Loren Balhorn é um editor contribuinte jacobino em Berlim, Alemanha, onde é membro do Die Linke.

WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux