Press "Enter" to skip to content
Julian Assange, fundador do Wikileaks, em Londres, 2019. (Alberto Pezzali / NurPhoto via Getty Images)

A extradição de Assange seria um prego no caixão da liberdade de imprensa

Tradução
Sofia Schurig

A Suprema Corte recusou a permissão de Julian Assange, fundador do Wikileaks, para apelar contra a extradição para os EUA – estabelecendo um precedente que põe em perigo todo jornalista cujo trabalho ameace os interesses do imperialismo.

Caso Julian Assange fosse condenado por homicídio culposo, ele provavelmente já estaria fora da prisão. As condenações por homicídio acabam resultando em pouco tempo – cerca de dois anos de prisão. O máximo são dez anos. Essas sentenças normalmente não são cumpridas em uma prisão de alta segurança.

Mas Julian Assange, que não foi condenado por nenhum crime, não está em liberdade há mais de uma década e está atualmente prestes a entrar em seu quarto ano encarcerado na prisão mais draconiana do Reino Unido, a prisão de alta segurança de Belmarsh.

A recente decisão da Suprema Corte de recusar ouvir o último recurso de Assange praticamente garante que ele passará pelo menos o próximo ano na cadeia.

Durante esse tempo, seus advogados irão iniciar outra tentativa para libertá-lo.

A decisão da Suprema Corte do Reino Unido na segunda-feira impediu Assange de contestar a última decisão do tribunal londrino, na qual os advogados agindo pelos EUA conseguiram anular uma decisão anterior contra a extradição no final da única audiência completa que o caso teve no Tribunal de Magistrados de Westminster.

Nessa decisão, proferida no início de 2021, a juíza decidiu que, embora todos os fundamentos políticos nos quais Assange havia afirmado que não deveria ser extraditado fossem inválidos, ele não deveria ser oferecido para extradição porque a natureza opressiva do sistema prisional dos EUA o colocaria em risco de suicídio.

Esta foi a decisão que os EUA apelaram para o Tribunal Superior. O Tribunal Superior manteve o recurso dos EUA, decidindo que a extradição deveria ir adiante, com o fundamento de que os EUA deram garantias de que Assange seria bem tratado no sistema penitenciário americano.

Os advogados de Assange contestaram isso, argumentando que as garantias não haviam sido dadas na audiência principal e, portanto, não haviam sido testadas no tribunal. A Suprema Corte acabou de deixar isso de lado e decidiu que tais garantias devem ser tomadas pelo valor nominal sempre que forem dadas, e que não há necessidade de serem discutidas na frente de um juiz.

Essa decisão cria um precedente perigoso que pode ser usado por qualquer regime da Arábia Saudita à China enquanto perseguem dissidentes políticos aqui no Reino Unido. Do dia para noite, ela torna os opositores políticos de regimes autoritários inseguros na Grã-Bretanha.

No entanto, o caso de Assange ainda tem chance de luta nos tribunais. Há motivos limitados sobre os quais a Ministra do Interior, Priti Patel, tem que considerar sobre as objeções à extradição. E mesmo que ela as indefira, como parece provável, os advogados de Julian Assange podem então lançar um novo recurso ao Tribunal Superior para anular as partes da decisão original nas quais perderam.

Estas são, na verdade, as partes mais políticas e substantivas do caso. Eles tratam se houve ou não uma defesa de interesse público para publicar o material que Assange colocou em circulação. Eles também tratam se este é ou não um caso político. Esses casos são supostamente inadmissíveis nos termos do tratado de extradição. Se não fossem, todas as ditaduras do planeta estariam caçando seus oponentes, usando o tratado para colocar suas mãos neles. Eles lidam com as questões mais fundamentais da liberdade de imprensa.

Os apoiadores de Assange já estão bem acostumados com os processos bizantinos do sistema jurídico.  Eles reconhecem que “a lei” está sendo usada para desgastar tanto Assange pessoalmente quanto a campanha para defendê-lo.

Isso não deve acontecer. Durante este recurso, o tribunal da opinião pública se posicionou a favor de Assange. A testemunha principal da acusação admitiu que ela mentiu ao tribunal e os planos da CIA de sequestrar ou matar Assange foram expostos publicamente.

Enquanto isso, um extraordinário leilão virtual levantou enormes fundos de milhares de apoiadores para pagar os custos legais do caso. Um novo apelo de financiamento coletivo agora foi lançado para cobrir os custos de futuras campanhas políticas.

Em um ambiente político onde vozes dissidentes e alternativas estão sendo reprimidas, é mais importante do que nunca que este caso de sinal de liberdade de expressão não se perca. A liberdade de expressão e uma imprensa livre estão sob ameaça e por isso elas devem ser defendidas.

Sobre os autores

é cofundador da Stop the War Coalition e pesquisador visitante na Goldsmiths, University of London.

Cierre

Arquivado como

Published in América do Norte, Análise, Europa, Imprensa, Política and Tecnologia

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux