Press "Enter" to skip to content
A campanha presidencial de Éric Zemmour acabou sendo uma bênção para a de Marine Le Pen. (PHILIPPE LOPEZ/AFP via Getty Images)

Como as divisões na extrema direita ajudaram Marine Le Pen a se popularizar

POR
Tradução
Cauê Seignemartin Ameni

A campanha presidencial de Éric Zemmour não foi bem – mas ajudou Marine Le Pen a projetar uma imagem moderada, inclusive denunciando seus apoiadores neonazistas. Longe de ser um obstáculo, Zemmour ajudou a atrair os eleitores tradicionais da extrema direita para ela.

Se a eleição francesa de 2022 é hoje representada como um duelo entre Emmanuel Macron e Marine Le Pen, também foi marcada pela guerra civil entre duas facções da extrema direita. Encarnado por Marine Le Pen e Éric Zemmour, respectivamente, esse embate opôs modernistas que buscavam construir uma “frente popular populista” e tradicionalistas que queriam unir toda a direita do país.

Como argumentei anteriormente na Jacobin, Le Pen trabalhou duro para silenciar a oposição interna à sua estratégia dentro do partido. Nos últimos anos, ela conduziu o que os críticos chamam de “expurgo” da ala conservadora de seu Rassemblement Nacional (RN), marginalizando figuras-chave como sua própria sobrinha Marion Maréchal. Enquanto a maioria optou com relutância por permanecer no RN para manter suas vozes presentes nos debates internos, outros seguiram o exemplo de Maréchal. Em 2017, ela anunciou que se aposentou da política e procurou desenvolver sua influência fora das fileiras do RN.

Portanto, não foi surpresa que o maior desafio para a nova linha de Le Pen tenha vindo de um estranho: Éric Zemmour. Concorrendo pela primeira vez em 2022, Zemmour criou seu próprio partido personalista e, nesse sentido, sua candidatura foi inédita. Mas ele também está em continuidade com uma linha tradicionalista mais antiga na extrema direita, representando a mais recente encarnação da estratégia de l’union des droites (a união das direitas), derrubando o muro entre o conservadorismo dominante e o “frentista” da extrema direita historicamente inspirada por Jean-Marie Le Pen.

Comparando Zemmour e Le Pen através das lentes da ideologia e do uso do estilo populista, aqui veremos como suas estratégias conflitam – mas também por que são complementares. Abordarei ainda a centralidade da transgressão no estilo político de Zemmour – um traço comum que ele compartilha com Jair Bolsonaro e Donald Trump, com quem é frequentemente comparado. Isso nos ajudará a ver suas especificidades como um ideólogo reacionário – e os limites de sua campanha.

Zemmour e sua reconquista

Com um nome cada vez mais familiar na França, Zemmour tem sido comumente descrito como um polemista – uma personalidade da mídia convidada por suas opiniões controversas. Ele começou sua carreira escrevendo para o jornal conservador Le Figaro, mas foi sua mudança para talk shows – particularmente On n’est pas couché, onde suas piadas transgressoras criaram inúmeras controvérsias – que o tornaram uma figura popular na mídia. Além disso, sua produção como ensaísta conservador, com livros notáveis como Le premier sexe (O primeiro sexo), lançado em 2006, e Suicide français (Suicídio francês), de 2014, lhe rendeu a reputação de um influente pensador de direita, inabalável e explícito em seu antifeminismo, xenofobia e perspectiva reacionária.

Embora seu papel como especialista significasse que ele havia se misturado nos meios políticos há muito tempo, Zemmour se apresentou como um forasteiro ao lançar sua candidatura em 30 de novembro. No entanto, de muitas maneiras, ele encarna o retorno de uma linha conservadora mais antiga. Durante sua campanha, Zemmour foi sincero sobre sua tentativa de rejuvenescer o projeto da “união da direita”, que ele vê como a única maneira de desafiar a hegemonia de Emmanuel Macron sobre o centro político.

Zemmour sempre foi um grande crítico de Marine Le Pen, tanto pessoal quanto politicamente. Ele argumenta que sua busca pela desdiabolização – para “des-demonizar” seu partido – a levou muito longe dos fundamentos nacionalistas da extrema direita. Em junho de 2021, após a exibição decepcionante do RN nas eleições regionais, Zemmour afirmou que seu pai costumava oferecer “um tipo diferente de política, para melhor ou para pior, mas pelo menos era original”, enquanto Marine Le Pen estava se tornando centrista “falando como Macron”. Como ele viu uma “radicalização, um endurecimento” do eleitorado de extrema direita, ele disse que a persistência cega de Le Pen em suavizar o RN era “uma rendição” e “uma traição” pela qual seus eleitores “a fariam pagar”. Usando a plataforma fornecida pelo bilionário conservador Vincent Bolloré com a CNews, que aspira a se tornar a “Fox News francesa“, a campanha de Zemmour desenvolveu uma notável presença na mídia, abrindo rapidamente uma fenda no eleitorado de Le Pen.

A guerra civil da extrema direita

Entre sua crítica aberta à líder do RN e sua considerável visibilidade, o partido personalista de Zemmour, Reconquête (Reconquista), forneceu uma alternativa atraente tanto para dissidentes estratégicos quanto para aqueles que guardavam rancor pessoal contra Le Pen. Zemmour atraiu um fluxo constante de quadros cada vez mais proeminentes do RN para o seu lado, incluindo Gilbert Collard e Nicolas Bay, ambos recentemente depostos do júri de seleção de candidatos do partido – este último até acusado de ser um espião tentando sabotar a campanha de Le Pen. No entanto, nenhuma dessas deserções correspondeu ao impacto da escolha de Marion Maréchal, em 6 de março, de retornar à vida política na linha de frente de apoio da campanha de Zemmour. Muitas vezes descrito por seus assessores como “o santo Graal” que viraria a maré a seu favor, Maréchal mantinha uma falsa sensação de suspense sobre essa questão desde janeiro.

Le Pen sabia que a união de sua sobrinha com Zemmour era apenas uma questão de tempo, então usou a traição como uma oportunidade para se humanizar ainda mais. Adotando um tom profundamente emocional, ela descreveu a escolha de Maréchal de não apoiá-la como “brutal, violenta e difícil”, principalmente porque “[ela] a criou com [sua] irmã nos primeiros anos de sua vida”. Enquadrar a decisão de Maréchal através das lentes pessoais do conflito familiar permitiu que ela evitasse abordar as razões políticas dessa saída – e minimizasse seu impacto entre suas próprias tropas.

No entanto, Le Pen nem sempre foi tão sutil em seus ataques contra Zemmour. Em uma longa entrevista para seu ex-empregador Le Figaro, ela criticou a campanha de Zemmour por confiar em “fire and fury”, uma referência implícita não apenas ao trabalho original de Faulkner, mas também ao mais recente Fire and Fury, o infame livro de Michael Wolff sobre a caótica guerra de Trump na presidência. Além disso, ela argumentou que seus apoiadores incluíam todos os tipos de “marginais” e “pessoas desonestos”, incluindo “católicos tradicionalistas, pagãos e alguns nazistas”. Essas acusações  —  que Zemmour refutou com veemência, apontando para sua própria condição de judeu nascido na Argélia  —  permitiram que ela apresentasse seu próprio partido como desprovido dessas tendências extremistas graças ao sucesso de sua “des-demonização” — uma narrativa que não não suportar uma análise mais minuciosa.

O anúncio de Zemmour imediatamente reformulou a corrida eleitoral, desafiando a inevitabilidade de uma repetição das eleições de 2017. O sucesso imediato nas pesquisas o fez subir para uma terceira posição abaixo de Macron e Le Pen ao contestar uma parte dos votos dela, fazendo-a cair de 23% para 16% quando ele próprio começou a campanha com 16%. Embora sua parcela de votos prevista nas pesquisas tenha diminuído para 10%, seu surgimento repentino no campo político o tornou uma ameaça à campanha de Le Pen, onde ele foi enquadrado como um fator de divisão que poderia enfraquecer todo o campo da extrema direita. No entanto, o fato de Le Pen ter perdido apenas parte de seus eleitores previstos para Zemmour, demonstra que seus eleitores em potencial não estão completamente alinhados. Cada um deles apela a uma parte distinta e um tanto complementar do eleitorado francês – mostrando que, embora haja uma sobreposição substancial em suas inclinações políticas, existem diferenças notáveis, tanto ideológica quanto estilística.

Comparando Le Pen e Zemmour

Há claras semelhanças entre os dois candidatos, principalmente pela centralidade que cada um confere à imigração como a principal questão na raiz da crise francesa. Enquanto Zemmour é mais explícito sobre sua crítica aberta ao Islã – que ele vê como incompatível com a República Francesa – eles concordam em alegar uma crise de identidade nacional: la France éternelle está ameaçada por causa da “migração em massa” que saiu do controle do povo francês. Zemmour associa abertamente a imigração com a teoria da conspiração da “Grande Substituição” de Renaud Camus – alegando que a população étnica francesa está sendo demograficamente e culturalmente substituída por negros e árabes – enquanto Le Pen evita essa expressão.

Além dessa ameaça, ambos os candidatos diagnosticam uma crise econômica criada por um fluxo avassalador de imigrantes, somada a uma crise de (in)segurança trazida pelo comportamento criminoso nos banlieues e pelo que veem como o surgimento de uma forma cada vez mais belicosa de islamismo. Por fim, concordam que a soberania nacional da França foi prejudicada pela União Europeia, que priva a nação de uma autonomia genuína e a impede de controlar suas fronteiras. Suas políticas, portanto, enfatizam o protecionismo econômico, uma postura rígida de lei e ordem e um compromisso de política externa com o soberanismo.

No entanto, fora desses três grandes eixos que constituem a base do que a literatura da ciência política chamou de “nacionalismo excludente”, ou nativismo, muitas nuances emergem. Zemmour é muito mais explícito sobre sua visão reacionária da França do que Le Pen: onde ambos aspiram um retorno a um tempo mais simples, quando a nação era supostamente gloriosa e forte, Zemmour faz da nostalgia um ponto central não apenas de seus discursos, mas também de sua política de comunicação. Por outro lado, enquanto Le Pen desenvolveu ao longo do tempo um componente social em seu programa, destinado a convencer seu eleitorado popular, Zemmour é muito mais claro sobre seu liberalismo econômico e preferência pelo laissez-faire.

Comparado ao intervencionismo de Le Pen – baseado em um Estado que poderia possuir empresas importantes – o apelo de Zemmour pela reindustrialização soa muito mais vazio, contando com a boa vontade de empresas transnacionais e cortes de impostos para trazer empregos de volta. Além da economia, Zemmour é substancialmente mais conservador em suas posições sobre questões sociais: castigando o feminismo moderno, adotando uma visão heteronormativa da família e se recusando a reconhecer qualquer forma de racismo sistêmico. Embora Le Pen concorde principalmente com ele neste último ponto, ela suavizou sua posição sobre os direitos das mulheres e dos homossexuais. É claro que, olhando mais de perto, fica claro que ela também dificilmente abraçou isso, mas ela estrategicamente escolheu uma ambiguidade mais prudente.

Como destacado acima, essas divergências ideológicas refletem duas estratégias concorrentes dentro da extrema direita: a oposição entre a linha modernista de Le Pen e a tradicionalista de Zemmour. No entanto, essas estratégias não são apenas caracterizadas por um componente ideológico, mas também têm uma dimensão estilística – e ambas estão em constante interação. É precisamente aqui que o quadro fornecido pelo populismo – definido como um estilo político – oferece uma lente útil para capturar as nuanças na forma como esses dois políticos articulam suas políticas.

O uso contrastante do estilo populista

Em poucas palavras, o populismo articula uma sociedade em crise onde uma elite está falhando em seu dever de representar e agir em nome de seu povo, e onde a mudança radical é incorporada através da intervenção salutar de um líder transgressor. Para quebrar esses componentes mais separadamente, o populismo é caracterizado por três características centrais: 1) a articulação de um antagonismo entre o povo e uma elite encarnada por um líder político; 2) a transgressão das normas políticas para parecer mais autêntica do que outros políticos; e 3) a representação da sociedade em crise.

Enquanto Le Pen e Zemmour mobilizam o estilo populista, cada um enfatiza um componente diferente dele, e isso explica em parte a diferença no apelo político. A semelhança mais óbvia entre Le Pen e Zemmour é o desempenho de uma narrativa de crise. A noção de uma França em crise é central em ambas as retóricas, pois sustenta seus argumentos ideológicos. Dito isso, Zemmour é muito mais dramático em sua avaliação da crise, que ele enfatiza mais explicitamente e com mais frequência. A primeira linha de seu programa é “Não é mais hora de reformar a França, precisamos salvá-la”.

O antagonismo entre povo e elite é, inversamente, mais explicitamente enfatizado por Le Pen. Desenvolvido por seu braço direito Jordan Bardella, a estratégia eleitoral de Le Pen tem como premissa a possibilidade de criar uma frente popular populista. Lutando contra o rótulo pejorativo de “extrema direita”, Le Pen ao longo dos anos adotou uma reformulação de sua agenda nacionalista como uma luta entre o “povo francês patriótico” contra um establishment político fracassado que traiu repetidamente sua promessa de proteger o povo. Zemmour compartilha parte dessa estratégia, criticando, em particular, as elites culturais e acadêmicas que são culpadas do que ele chama de “esquerdismo islâmico” ou “wokeism”, uma perversão dos ideais esquerdistas que está levando a França ao declínio. No entanto, enquanto a parte anti-establishment do antagonismo é tão proeminente na retórica de Zemmour quanto na de Le Pen, as referências ao “povo” são muito mais raras em seu discurso do que no de Le Pen.

Além disso, os dois candidatos divergem quanto ao uso de provocações transgressoras. A “des-demonização” de Le Pen depende tanto da normalização, que ela tem, campanha após campanha, reduzido a importância de suas transgressões das normas políticas. Embora ela tente manter uma vantagem radical suficiente para se destacar dos partidos mais tradicionais – mantendo uma postura firme sobre imigração e segurança – sua ênfase em se retratar como uma política séria pronta para a presidência a levou a subjugar essa parte do estilo populista. Já Zemmour faz o contrário: tornou-se o político transgressor por excelência.

Eles se referem ao Islã de forma diferente. Le Pen se baseia na clássica estratégia de extrema direita de “assobio de cachorro“: usar expressões com uma camada implícita de significado que seus apoiadores nacionalistas interpretarão de maneira diferente dos outros membros da audiência. Um exemplo são suas frequentes referências às raízes cristãs (racines) da França, ecoando a controversa expressão français de souche (o francês de origem francesa) para se referir a franceses com uma suposta pureza étnica. Zemmour, por outro lado, é muito mais direto e explícito sobre sua islamofobia, ganhando até condenações criminais por suas declarações racistas e islamofóbicas de que “a maioria dos traficantes são negros ou árabes”, em 2011, ou que “os muçulmanos franceses deveriam escolher entre a França e o islamismo”, em 2016.

As declarações controversas de Zemmour são, de fato, uma assinatura de seu estilo político. Ele elaborou várias teses sexistas em Le premier sexe (uma brincadeira com o título de O Segundo Sexo de Simone de Beauvoir), como sua afirmação de que o poder “se dilui” nas mãos das mulheres ou que “a masculinidade anda de mãos dadas com a violência… os homens são predadores e conquistadores sexuais.” Ele também argumentou na televisão que os migrantes menores de idade “são todos ladrões, todos assassinos, todos estupradores”. Mais recentemente, ele ganhou as manchetes após sua proposta de proibir nomes com sons estrangeiros e permitir apenas nomes franceses retirados do calendário cristão.

Zemmour e Trump

Muitos comentaristas, tanto na França quanto no exterior, viram em Zemmour uma figura semelhante a Trump. Mas a analogia é válida apenas em parte. Há sobreposições: são personalidades da TV e novatos políticos sem experiência em cargos eletivos que transformaram sua fama midiática em capital político. Mais importante é o domínio da transgressão como estratégia central de comunicação política – atraindo a atenção da grande mídia com declarações controversas e usando a reação indignada para aumentar sua própria visibilidade pública.

No entanto, eles diferem radicalmente no sentido de que Trump é um oportunista ideológico, enquanto Zemmour é um ideólogo reacionário. Na biografia completa de Trump, Michael Kranish e Mark Fisher descreveram apropriadamente Trump como tendo uma “abordagem transacional da política” – ou seja, comprometendo-se de forma oportunista com qualquer ideologia política ou partido que melhor atendesse aos seus interesses comerciais. Embora tenha se associado mais intimamente com os republicanos na última década, trocou de partido sete vezes entre 1999 e 2012, com a ideologia sempre em segundo plano em relação a seus interesses pessoais.

Zemmour, por outro lado, permaneceu inabalável em sua posição ideológica desde o início de sua carreira aos olhos do público, mesmo quando isso significava manter opiniões completamente opostas ao mainstream político. Isso é particularmente evidente em seu obstinado compromisso de restaurar a manchada reputação de Philippe Pétain, o ex-herói francês da Primeira Guerra Mundial que colaborou ativamente com o ocupação nazista. Praticamente todos os políticos franceses, particularmente da direita, apoiam oficialmente o consenso nacional de que Pétain foi um herói que traiu a França enquanto De Gaulle representava a “verdadeira” França, resistindo do exterior. Como parte de sua “des-demonização”, a própria Le Pen abandonou a oposição de seu pai sobre Charles de Gaulle e o abraçou como um ícone do soberanismo francês. Em contraste, Zemmour permaneceu fiel ao argumento tradicional da extrema direita do “escudo e a espada”. Nessa perspectiva revisionista, o marechal Pétain é enquadrado como o “escudo”, protegendo o povo francês por dentro, enquanto de Gaulle era a “espada” lutando pela libertação da França no exterior.

Este revisionismo da história francesa com o propósito de desenvolver uma grande narrativa da nação é uma arma retórica para Zemmour. Ao contrário de Trump, que confia na postura de um empresário experiente, a personalidade de Zemmour é construída em torno da imagem de um intelectual sério com profundo conhecimento da história francesa. Ele se imagina um historiador sem ter que se comprometer com o rigor acadêmico e a revisão por pares profissionais. À medida que a proeminência de Zemmour aumentou na campanha de 2022, essa flagrante manipulação da história levou os historiadores franceses a tomarem uma série de iniciativas, incluindo um livro e um longo vídeo no YouTube, para desmascarar suas mentiras mais flagrantes.

Zemmour e o futuro da linha tradicionalista

Embora essa teimosia ideológica tenha sido um dos pontos mais fortes de Zemmour entre seus apoiadores, ela se tornou uma desvantagem na reta final da campanha. O ímpeto de Zemmour foi interrompido pela invasão russa da Ucrânia, forçando-o a contar com seus elogios passados a Vladimir Putin, a quem ele repetidamente enquadrou como um líder modelo. Em vez de recuar, como Le Pen, em uma tentativa pragmática de diminuição de danos, Zemmour dobrou sua admiração pelo líder russo. Mesmo que isso possa ter tranquilizado seus apoiadores mais fiéis de suas convicções inabaláveis, essa transgressão se opôs tanto ao consenso político que começou a afetar seu desempenho nas pesquisas. À medida que Le Pen ampliou sua liderança nas últimas semanas da campanha, as esperanças de Zemmour de contestar sua liderança na extrema direita falharam.

No entanto, o fato de sua pesquisa ter permanecido estável, em torno de 10%, parece não apenas demonstrar que a voz de Zemmour ainda continua influente – também sugere a resiliência da linha tradicionalista que está esperando cuidadosamente para avaliar seu futuro. Maréchal foi clara em suas aspirações de reformular o futuro da extrema direita e, mais geralmente, da direita na França, ao enfatizar suas divergências com Zemmour. Independentemente de sua pontuação final, Zemmour abalou o campo político e provou que a estratégia de “união da direita” ainda não deu suas últimas palavras.

Sobre os autores

é cientista político na Universidade de Warwick, Inglaterra.

Cierre

Arquivado como

Published in Análise, Cultura, Europa, Fronteiras & Migração and Política

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux