Press "Enter" to skip to content
Julian Assange em uma coletiva de imprensa em Londres em agosto de 2014. (David G. Silvers / Cancillería del Ecuador via Flickr)

É hora da Austrália pedir a libertação de Julian Assange

[molongui_author_box]
Tradução
Sofia Schurig

Enquanto o jornalista australiano fundador do Wikileaks Julian Assange enfrenta um injusto pedido da extradição, é mais urgente e necessário do que nunca que o recém eleito governo de esquerda da Austrália intervenha em seu nome.

Para surpresa de ninguém, a Ministra do Interior do Reino Unido, Priti Patel, carimbou uma ordem de extradição de Julian Assange para os Estados Unidos, onde o fundador do WikiLeaks pode enfrentar até 175 anos de prisão com uma variedade de acusações de espionagem.

No entanto, os xerifes norte-americanos ainda não colocaram suas mãos sob o ativista, pois a equipe jurídica de Assange lançará mais recursos através dos tribunais britânicos e possivelmente do Tribunal Europeu de Direitos Humanos. A família de Assange e seus apoiadores também expressaram a esperança de que o recém-eleito primeiro-ministro do partido de esquerda da Austrália, Anthony Albanese, intervenha no caso.

O governo australiano tem um péssimo histórico quando se trata de oferecer um apoio significativo a Assange. Mas sua responsabilidade em fazê-lo, uma vez que o jornalista australiano enfrenta o inferno da extradição, é mais urgente e necessária do que nunca.

Um novo humor

Até agora, o governo de Albanese tem se mostrado, pelo menos em discurso, mais solidário com Assange do que seus predecessores. Como líder da oposição no final de 2021, Albanese disse que “não viu qual era o propósito” da “perseguição contínua do Sr. Assange”. Em outra ocasião, ele disse que “não se perseguem jornalistas por fazerem seu trabalho”. Considerando que a acusação dos EUA depende da negação da proteção de Assange na Primeira Emenda e a designação clara de que ele trabalha como jornalista é significativa.

Pouco depois da decisão de Patel, Albanese disse à imprensa que manteve seus comentários anteriores, e o Procurador-Geral Mark Dreyfus e a Ministra das Relações Exteriores Penny Wong divulgaram uma declaração que dizia: “O caso de Assange se arrastou por muito tempo e (…) deve ser encerrado”. Continuaremos expressando esta opinião aos governos do Reino Unido e dos Estados Unidos”. Dreyfus fez comentários semelhantes enquanto estava na oposição em 2020.

Esses tipos de comentários contrastam com os do ex-primeiro-ministro Scott Morrison, que não tinha nada a dizer em apoio a Assange. Ele chegou ao ponto de sugerir em certo ponto que Assange deveria “enfrentar a música”. Em uma audiência do Senado em abril de 2022, a ministra das Relações Exteriores de Morrison, Marise Payne, confirmou que nem ela, nem ninguém do Departamento de Relações Exteriores e Comércio havia se comunicado recentemente com o governo do Reino Unido sobre Assange. Ela também reconheceu que ninguém havia conversado com os EUA sobre os recentes relatórios que sugeria que a CIA considerava assassinar Assange em 2017.

O registro do último governo de esquerda da Austrália não é muito melhor. Em 2010, Julia Gillard alegou que a aquisição e publicação de documentos confidenciais pelo WikiLeaks era ilegal; quando questionada sobre isso, no entanto, ela não conseguiu identificar quais leis haviam sido infringidas. No entanto, as empresas de cartão de crédito usaram tais alegações como justificativa para bloquear doações ao WikiLeaks. O procurador-geral do governo Gillard também considerou a hipótese de cancelar o passaporte de Assange.

O apoio à Assange, no entanto, cresceu no parlamento australiano de forma mais geral. Graças em parte ao aumento de Verdes e deputados independentes nas eleições de 2022, um grupo parlamentar “amigos de Julian Assange” aumentou seu tamanho. Embora suas fileiras incluam menos de 20% do parlamento federal, o grupo tem um número suficiente de membros de alto nível para pressionar Albanese, caso eles optem por fazê-lo – especialmente se figuras de alto nível do setor trabalhista, como Kevin Rudd e Bob Carr, aumentarem a pressão sobre o governo Albanese, ao invés de apenas postar comunicados com palavras leves via Twitter.

Diplomacia barulhenta e seus descontentamentos

O governo de Albanese gostaria que o público acreditasse que negociações sérias estão acontecendo a portas fechadas. Uma fonte anônima do governo federal disse recentemente aos jornalistas que o caso de Assange havia sido levantado com altos funcionários dos EUA, mas quando perguntado no final de maio se ele havia mencionado Assange com Joe Biden em uma recente reunião de segurança, Albanese respondeu que “nem todas as relações exteriores são bem feitas com o barulhento”.

O tempo dirá se a cara de poker de Albanese esconde uma boa mão, ou uma vontade de jogá-la contra o aliado mais próximo da Austrália. Infelizmente, o tempo não é algo que Assange tenha que dispensar agora.

“A manutenção de um bom relacionamento com as mesmas pessoas que estão disputando o futuro de Julian Assange é o pilar central da política externa australiana”.

Isto não é para sugerir que a aversão de Albanese à diplomacia barulhenta seja mal orientada. Em 2015, Tony Abbott advertiu que a Austrália “reconheceria nosso descontentamento” se a Indonésia executasse dois australianos que enfrentam execução por tráfico de drogas. As declarações de Abbott foram amplamente noticiadas na mídia indonésia – onde foram criticadas como ameaçadoras e desrespeitosas à soberania da Indonésia. Isto desencadeou uma reação nacionalista maciça que fez com que a anuência às exigências australianas fosse politicamente muito cara para o presidente indonésio Joko Widodo. Os dois homens acabaram sendo executados.

Falando com a Jacobin, o ex-diplomata Bruce Haigh concorda que a diplomacia de alto-falante raramente é eficaz, mas diz que Albanese, no entanto, precisa manter o tema de Assange no âmbito público, embora em um tom de “contenção, lógica e firmeza, mas sem qualquer indício de intimidação”:

Se quisermos levar o caso Assange a sério, devemos colocar nossos pontos publicamente enquanto nos oferecemos para negociar em privado. Devemos detalhar publicamente se houve falta de resposta a nossos argumentos ou pontos para expressar nossa frustração. O governo deveria ser o veículo para manter o assunto no domínio público.

Na opinião de Haigh, é duvidoso que as negociações estejam ocorrendo, citando a atitude “completamente negativa” deste governo até o momento.

Os EUA contra Julian Assange

Se Albanese está negociando ativamente com os EUA para assegurar a liberação de Assange, não será uma tarefa fácil. Tanto o governo dos EUA quanto o aparato de segurança parecem estar totalmente comprometidos com a extradição. Considere como, dentro de uma hora após o Equador revogar o asilo de Assange e suspender sua cidadania em abril de 2019, os EUA haviam submetido seu pedido de extradição ao Reino Unido e desvincularam uma acusação secreta contra ele.

Um documentário lançado recentemente sobre a campanha para libertar Assange, Ithaka, dá pistas sobre o tratamento ácido dado para o fundador do WikiLeaks dentro de alguns segmentos do governo dos EUA. Um lobista contratado por Stella Assange para pressionar Donald Trump a pedir perdão foi, supostamente, chamado de traidor e recebeu ameaças de morte contra ele e sua família. O lobista disse que embora muitos no círculo interno de Trump apoiassem o perdão, foram informados por figuras importantes da segurança nacional que “qualquer mitigação da sentença [de Assange] é uma questão de segurança nacional”.

Infelizmente, não é apenas o aparato de segurança nacional que se coloca contra Assange. Muitos no establishment do Partido Democrata querem vingança pela publicação pelo WikiLeaks de uma série prejudicial de e-mails de Hillary Clinton e sua equipe, que eles alegam ter garantido a vitória de Trump em 2016. O Comitê Nacional Democrata [DNC, na sigla em inglês], lançou posteriormente uma ação judicial sem sucesso que acusou o WikiLeaks de conspirar com a campanha do Trump e a Rússia para roubar as eleições de 2016.

O processo sugere que muitos no establishment do Partido Democrata compartilham a opinião do ex-diretor da CIA e Secretário de Estado de Trump, Mike Pompeo, que se referiu ao WikiLeaks como “um serviço de inteligência hostil não estatal”. Joe Biden – que comparou Assange a um “terrorista high tech” enquanto era vice-presidente em 2010 – não forneceu nenhuma indicação de que ele seja mais simpático a Assange do que o Partido Democrata ou Pompeo.

Infelizmente, manter um bom relacionamento com as mesmas pessoas que estão disputando o futuro de Assange é um pilar central da política externa australiana, pelo menos nos partidos trabalhistas e liberais. “Ambos os principais partidos apoiam a aliança norte-americana à custa de qualquer outra coisa”, disse Alison Broinowski a Jacobin, ex-diplomata e uma vez candidata do partido WikiLeaks ao Senado.

Esta orientação da política externa foi recentemente reafirmada através do acordo de segurança AUKUS, que liga a Austrália à máquina de guerra norte-americana por muitos anos. Em um artigo recente, Broinowski pinta o pacto de segurança como uma vitória maciça para os fabricantes de armas dos EUA e do Reino Unido, que fornecerão à Austrália maiores quantidades de equipamentos militares sofisticados, mas uma derrota para qualquer um que esperava que a Austrália pudesse abandonar “nossa inquestionável disposição – até mesmo a ânsia – de lutar nas guerras expedicionárias dos EUA”.

Embora o acordo AUKUS represente, em última instância, a fidelidade da Austrália aos EUA, Broinowski identifica nela uma possível moeda de troca nas negociações sobre Assange:

O primeiro-ministro Albanese poderia dizer a Biden: “Olha, nós assinamos esta coisa. Vamos endividar nosso país por décadas para comprar estas coisas de vocês. Estamos fazendo isto como parte de sua estratégia para manter a supremacia dos EUA. Estamos apoiando vocês nisto, por isso merecemos um retorno nesse assunto aqui”.

Sobre os autores

é um escritor que mora em Melbourne.

Cierre

Arquivado como

Published in América do Norte, Análise, Guerra e imperialismo, Imprensa and Pacífico

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux