Lucio Urtubia (1931–2020), o Robin Hood antifascista

22/07/2020

Por
Eoghan Gilmartin

Tradução
Cauê Seignemartin Ameni

O pedreiro anarquista Lucio Urtubia fez seu nome roubando bancos para financiar revolucionários clandestinos na Espanha e forjando documentos para o Baader-Meinhof e os Panteras Negras. Para ele, não havia nada de criminoso em suas expropriações de empresas como o Citibank – argumentando que “quem rouba um ladrão é mil vezes perdoado”.

Lucio Urtubia foi considerado o Robin Hood pela esquerda francesa e espanhola.

Quando Lucio Urtubia foi preso no café de Paris, Les Deux Magots, em 1980, a polícia francesa não conseguia acreditar que esse humilde pedreiro era o cérebro por trás da trama internacional para saquear o Citibank. Nos últimos meses, Urtubia vinha distribuindo milhares de cheques de viagem a grupos revolucionários em toda a Europa, das Brigadas Vermelhas na Itália ao ETA no País Basco. A resposta do Citibank apenas aprofundou suas perdas ao proibir em toda a Europa os cheques de todos os viajantes acima de US$ 10 – cortando assim a receita que normalmente gerava através de taxas e comissões.

Como os cheques de Urtubia se espalharam pela América do Sul após sua prisão, o Citibank ficou desesperado. Decidindo processar pela paz, o maior banco do mundo tinha pouca opções a não ser atender às demandas de seu inimigo: desistir de todas as acusações e entregar uma mala cheia de dinheiro (que Urtubia usaria mais tarde para financiar movimentos sociais na América Latina). Quando os dois lados se reuniram para finalizar o acordo, o chefe de segurança do Citibank se recusou a apertar sua mão, levando Urtubia a dizer aos financiadores: “Vocês são os verdadeiros criminosos. Vocês não sabem fazer nada além de financiar guerras e espalhar a morte.”

Lucio Urtubia, anarquista, antifascista, assaltante de banco e trabalhador da construção civil, morreu em Paris no último sábado, 18 de julho, aos oitenta e nove anos. Após sua morte, o vice-primeiro-ministro da Espanha, Pablo Iglesias, lembrou-se do exílio basco como “um pedreiro revolucionário que lutou a vida toda por um mundo melhor com a alegria de alguém que sabe que está plantando as sementes do futuro”. Considerado Robin Hood dos últimos dias pela esquerda francesa e espanhola, Urtubia se recusou a caracterizar suas ações como roubo, mas, como outros “bandidos sociais” que vieram antes dele, falou em desapropriação – alegando que “quem rouba um ladrão, é um mil vezes perdoado”.

A luta clandestina

Nascido em uma família pobre de esquerda em Navarra em 1931, Urtubia iniciou suas atividades extra-legais roubando o exército franquista enquanto ele fazia seu serviço militar na Espanha pós-Guerra Civil. “Foi uma enorme alegria roubar a pátria”, disse ele mais tarde ao jornalista Jordi Évole. Forçado a fugir da Espanha depois que um membro de sua gangue foi pego, Urtubia foi para Paris em 1954, onde começou a socializar com anarquistas catalães exilados da Confederação Nacional do Trabalho (CNT).

“Eu pensava que era comunista”, disse ele ao El Salto, “porque naquela época todos [na Espanha] que se opunham a Franco eram comunistas”. No entanto, em Paris, ele caiu sob a influência do líder anarquista Quico Sabaté, chefe de um bando de guerrilheiros catalães que fez uma série de ataques ousados a Barcelona controlada por Franco. Em seu livro Bandits Eric Hobsbawm afirmou que: “A chave para a carreira única de Sabaté depois de 1945 estava na superioridade moral que ele estabeleceu sobre a polícia pela política consciente de sempre avançar em direção a eles [e então desencorajá-los]… Pela sua pureza e simplicidade, Sabaté foi preparado para se tornar uma lenda.”

Depois que Sabaté foi preso na França, Urtubia começou a organizar diversos assaltos a bancos – doando grande parte do dinheiro a grupos que trabalhavam com presos políticos na Espanha. No entanto, ao contrário de seu mentor, ele não tinha estômago para a violência e, por fim, optou por se concentrar em falsificações. Durante as décadas de 1960 e 1970, Urtubia continuou trabalhando em tempo integral na construção civil, mas dedicou suas noites para forjar passaportes, carteiras de identidade e cheques para a luta política. Originalmente, os passaportes eram produzidos para refugiados sul-americanos e dissidentes espanhóis. Mais tarde, porém, membros do grupo Baader-Meinhof da Alemanha até os Panteras Negras os usariam.

Urtubia também estava convencido de que suas falsificações poderia ser usada para atingir o coração do sistema capitalista. Em uma reunião com Che Guevara, na capital francesa, em 1962, ele se ofereceu para ajudar Cuba a imprimir milhões de dólares falsificados – que o Estado comunista poderia usar para inundar o mercado e causar uma forte desvalorização da moeda. Che recusou a oferta, mas Urtubia mais tarde tentou colocar em prática uma versão do plano contra Franco – forjando milhares de cheques com o objetivo de desestabilizar os bancos espanhóis e, portanto, o regime.

O nobre bandido

A vida de Urtubia foi objeto de várias biografias, uma graphic novel e um brilhante documentário de 2007 chamado Lucio. Ele foi apelidado de “o último anarquista” – uma figura de uma época passada, imbuída de uma certeza inabalável na justiça de sua causa. Como ele diria na edição espanhola do Vice: “Não me arrependo de nada. Se tivesse que recomeçar minha vida, voltaria a fazer o mesmo. Uma coisa é ser anarquista em algum comitê, outra é estar diante do juiz acusado de terrorismo dizendo a ele: ‘Sim, meritíssimo, eu sou anarquista, porque acredito na anarquia’.”

Após sua prisão pela trama do Citibank, seu caso se tornou uma causa célebre na esquerda francesa – até porque as investigações legais subsequentes confirmaram que o dinheiro ganho com as falsificações estava sendo enviado para movimentos na América Latina e em outros lugares.

No tribunal, ele foi representado por Roland Dumas, “advogado de Picasso” e mais tarde ministro das Relações Exteriores sob François Mitterrand. Dumas também o defendeu das acusações relacionadas ao seqüestro do banqueiro franquista Angel Baltasar Suárez em 1974. O seqüestro foi uma resposta à execução do anarquista Salvador Puig Antich – com Suárez posteriormente libertado ileso. Após protestos contra o julgamento de ativistas antifascistas, o tribunal absolveu os nove acusados de todas as acusações no julgamento de 1981.

Hobsbawm escreveu sobre Sabaté que “considerações de alta política, estratégia e tática dificilmente afetavam homens de sua espécie”. Ele poderia facilmente estar falando de Urtubia, cuja “propaganda do ato” fazia ele praticar o anticapitalismo no dia-a-dia, como expropriador. Ainda aos oitenta e quatro anos, Urtubia alegou que ele não havia desistido de tal trabalho – embora ele não conseguisse mais elaborar suas atividades. “Ninguém tem a solução”, ele insistiu para Évole, “e por esse motivo, todos devemos lutar.”

Sobre os autores

é escritor, tradutor e colaborador jacobino com sede em Madri.

Sobre o autor

Eoghan Gilmartin é escritor, tradutor e colaborador jacobino com sede em Madri.