A revolução argelina mudou o mundo para melhor

05/07/2021

Por
Robert Maisey

Tradução
Guilherme Ziggy

A Argélia se tornou uma nação independe neste dia em 1961. A luta argelina pela libertação do imperialismo francês foi absolutamente central para a paisagem política do século XX. Hoje devemos lembrar sua história e honrar seu legado.

Uma celebração para marcar a independência da Argélia no verão de 1962. (Centro para o Estudo da História Moderna e Contemporânea)

A Argélia hoje apresenta ao mundo um rosto fechado e desconfiado. Embora seu estado revolucionário tenha sobrevivido às tumultuosas rupturas do final do século XX, atormentado por conflitos de fronteiras, insurgências islâmicas e, mais recentemente, uma intensificação de protestos de massas. No entanto, o legado do povo argelino e de seu estado de libertação é tão dinâmico, internacionalista e corajoso quanto qualquer outro no mundo – orgulhosamente semelhante a uma Cuba e um Vietnã no heroísmo revolucionário.

Um século atrás, a Argélia estava no coração do império francês, tão central para o projeto imperial francês quanto a Índia era para os britânicos. A Argélia foi parcialmente ocupada por brancos colons, que a consideravam sua pátria e não se enxergavam como uma casta de administradores imperiais. A França manteve uma ficção legal de que a Argélia era parte integrante da nação, assim como qualquer outra província doméstica, separado do continente pelo Mediterrâneo como Paris foi dividida pelo Sena.

A grande maioria da população árabe tinha status de segunda categoria como súditos, não como cidadãos. Embora uma pequena minoria pudesse “evoluir” para a cidadania francesa plena renunciando à cultura árabe, em particular a fé muçulmana, a maioria do povo não interessava aos colonos franceses. Como tal, eles foram mantidos o mais segregados possível e não foram vistos ou ouvidos além de sua utilidade como empregados domésticos, trabalhadores agrícolas ou bucha de canhão em tempos de guerra. Até mesmo a classe trabalhadora industrial na Argélia francesa era composta em sua esmagadora maioria por colonos brancos, permitindo que o vigoroso movimento trabalhista francês permanecesse distante da miséria econômica que assolava a maioria da população muçulmana.

O começo do nacionalismo

Os argelinos travaram uma longa e furiosa luta contra a colonização desde o seu início na década de 1830, mas no final do século XIX todos os vestígios desta resistência foram sufocados. No entanto, como em outras partes dos antigos impérios, a experiência de servir nos exércitos imperiais durante a Primeira e a Segunda Guerra Mundial, bem como a migração para dentro e para fora dos centros industrializados, expôs os argelinos a novas perspectivas ideológicas. O liberalismo wilsoniano, o socialismo soviético e as correntes reformistas dentro do Islã combinaram-se para trazer uma renovada consciência nacional argelina.

Na década de 1920, as correntes liberais na política argelina responderam às declarações anticoloniais de Woodrow Wilson e começaram a defender a igualdade de cidadania e a autonomia limitada. No entanto, eles rapidamente se viram frustrados e perseguidos, sem conseguir encontrar um aliado nos Estados Unidos. A autodeterminação “wilsoniana” destinava-se apenas aos povos brancos da Europa. A resistência à participação muçulmana na vida democrática foi particularmente forte entre os colons, que não tinham a intenção de permitir que os nativos coexistissem em igualdade.

Em 8 de maio de 1945, o dia da Vitória na Europa, uma manifestação de massa estourou na cidade de Sétif. Com a França agora libertada, a expectativa era de que a reforma colonial ocorreria. Os colons que, durante a guerra, se aliaram decisivamente aos fascistas de Vichy, aumentaram sua resistência a reformas de qualquer tipo, e a manifestação foi recebida com recriminação imediata e brutal. Soldados atiraram indiscriminadamente contra a multidão, desencadeando revoltas e resultando em cinco dias de intensa repressão, incluindo o bombardeio aéreo de aldeias vizinhas e a organização de pogroms ratonnade [ratoeiras] nos assentamentos muçulmanos locais, deixando até trinta mil pessoas mortas.

O massacre de Sétif causou ondas de choque em todo o país, radicalizando o movimento liberal de independência. Uma nova geração de líderes da independência logo surgiu das fileiras dos soldados muçulmanos desmobilizados do Exército Francês Livre, muitos dos quais serviram à França com distinção e não tinham intenção de retornar a uma vida de subjugação violenta em sua própria terra.

Uma guerra em duas frentes

O Front de Libération Nationale (FLN) argelino que então surgiu era uma organização que valorizava a ação acima das nuances teóricas e a unidade acima da distinção. Em 1º de novembro de 1954, a FLN declarou guerra unilateralmente à França. A guerra começou antes mesmo que a FLN tomasse forma política concreta, e a liderança central apostou em atrair apoio popular imediato para a luta. Foi uma aposta baseada nos desejos dos líderes da FLN, majoritariamente soldados em vez de acadêmicos, de transformar a retórica ineficaz em ação decisiva – e funcionou.

Os franceses reagiram ao desafio como sempre fizeram no passado: com uma repressão rápida e brutal. No entanto, no novo contexto internacional, os antigos métodos produziram resultados diametralmente opostos. Sentindo os ventos da mudança soprando pelo mundo colonizado, os argelinos se aglomeraram sob a bandeira da FLN, primeiro aos milhares e depois aos milhões. Os franceses responderam com uma campanha anti-insurgência intensificada na qual o uso de tortura, campos de concentração e o assassinato de civis se tornaram nada menos que uma política oficial.

A FLN foi rápida em reconhecer a importância da nova dinâmica internacional e abriu uma guerra em duas frentes. Primeiro, eles adotaram uma organização partidária leninista-maoísta adequada para travar uma guerra de guerrilha prolongada. Eles fizeram uso de assassinato e terror, tendo como alvo funcionários franceses e colaboradores muçulmanos em particular, deliberadamente aprofundando a polaridade do conflito e forçando a população a uma escolha entre os lados. Eles também fizeram uso intenso da agitação política, especialmente entre as populações rurais que dependiam do aspecto social revolucionário da guerra e estabeleceram o movimento como um estado paralelo sob o nariz dos franceses. Muito parecido com o Vietcong, de quem se inspirou, o FLN começou a fornecer serviços de saúde, bem-estar e educação para uma população rural de camponeses agrícolas.

A segunda frente era internacional, com um quadro diplomático liderado por revolucionários carismáticos como Ahmed Ben Bella. A luta foi transposta do campo aberto para as câmaras de debate das Nações Unidas. Apesar de ainda não representar um Estado próprio, a FLN enviou delegações a reuniões internacionais significativas, incluindo a conferência de Bandung na Indonésia. Nas Nações Unidas, em Bandung e em outros lugares, eles pressionaram suas exigências para as superpotências, bem como ao emergente Terceiro Mundo, incluindo Jawaharlal Nehru da Índia, Zhou Enlai da China e Gamal Abdel Nasser do Egito.

No centro do mundo

Nasser, um pan-arabista que se colocava como o cabeça político de todo o mundo árabe, estava particularmente interessado em mostrar seu apoio à FLN. Ele, por sua vez, era muito estimado pelos argelinos, que o viam como uma prova viva de que a auto libertação revolucionária era possível no mundo árabe. A rádio Voz dos Árabes, com sede no Cairo, ampliou a propaganda da FLN no Oriente Médio e no Norte da África, dando-lhes uma presença global descomunal e reforçando a legitimidade de sua revolução aos olhos de árabes e africanos em todos os lugares.

Os egípcios também atuaram como facilitadores de vendas de armas para a FLN, canalizando encomendas tchecas, iugoslavas e chinesas para os mujahideen argelinos. Estas foram colocadas em uso ao lado de táticas militares de guerrilha aprendidas com os comunistas chineses e norte-vietnamitas, com os quais os argelinos mantinham contato próximo. Marrocos e Tunísia, vizinhos da Argélia a oeste e leste, permitiram que a FLN usasse seu território como a base de operações de seu alto comando militar.

Os sauditas, que detestavam Nasser, pois o viam como um socialista ateu e uma ameaça direta às suas próprias reivindicações de liderança no mundo árabe, competiram para oferecer suporte financeiro aos argelinos. Eles também ofereceram passaportes sauditas para viajar livremente ao redor do mundo, incluindo a Nova York para participar de cúpulas das Nações Unidas, onde a FLN estabeleceu um escritório permanente para pressionar sua reivindicação por um Estado independente.

Como a selvageria da guerra continuou a aumentar, a equipe diplomática de alto nível da FLN fez de tudo ao seu alcance para manter os olhos do mundo firmemente focados no conflito. Mesmo com o agravamento da situação militar no país, a pressão diplomática sobre a França se intensificou e, como resultado, a FLN começou a colocar suas esperanças no fim do conflito por mediação política.

Abane Ramdane, comandante da seção da frente de Argel e um dos principais ideólogos da FLN, tentou resolver a guerra em duas frentes, lançando uma insurreição espetacular na capital. A Batalha de Argel, embora muito mitificada posteriormente, não teve o efeito desejado e resultou na destruição quase total da organização clandestina na cidade. Ramdane, fugindo para o Marrocos pouco depois, foi assassinado por seus próprios pares do alto comando.

Mesmo quando o fascínio global pela luta argelina atingiu seu ápice, as tensões aumentaram dentro da liderança secreta da FLN. Os comandantes da seção rural, acampados nas profundezas do sangue, ressentiam-se das pesadas perdas que deveriam suportar enquanto a campanha diplomática era travada por seus camaradas mais luxuosamente acomodados. Quando a França fortificou as fronteiras de Marrocos e da Tunísia e começou a agrupar a população rural em campos de reassentamento, a capacidade dos exércitos no campo perdeu reforços e reabastecimento foi drasticamente reduzida. No entanto, mesmo quando os franceses começaram a colher vantagens militares dessas táticas, sua violência indiscriminada, incluindo o bombardeio de aldeias tunisianas do outro lado da fronteira, gerou novo ultraje no cenário mundial.

Os métodos terroristas empregados pela FLN receberam fundamentação teórica nos escritos de Frantz Fanon. Fanon era um médico psiquiatra da Martinica francesa que, enquanto trabalhava na Argélia, se juntou às forças de libertação. Fanon eloquentemente enquadrou o imperialismo em termos de racismo absoluto, descrevendo a desumanização do povo conquistado, e defendeu fortemente a violência revolucionária como uma forma de redenção em massa. As opiniões de Fanon se cruzaram com as correntes socialistas e nacionalistas predominantes no movimento de libertação, para ajudar a definir o campo ideológico de todo o projeto do Terceiro Mundo.

Nos campos da FLN no Marrocos, Tunísia e Mali, revolucionários de todo o continente africano – incluindo Nelson Mandela – receberam treinamento militar e político. Antes mesmo de libertarem sua própria pátria, os argelinos já haviam se colocado no centro da política pan-africanista e global do Terceiro Mundo.

Tabula rasa

Na França, a opinião pública estava cansada da guerra. Passando por uma era de dramático progresso econômico doméstico, o francês médio estava cada vez mais desinteressado no engrandecimento colonial da classe dominante. Os obstinados pied noirs (nome pelo qual os colons eram frequentemente chamados) haviam se tornado uma força embaraçosa e desestabilizadora na política interna, chegando a tentar um golpe contra o presidente Charles de Gaulle, eleito com mandato democrático para encerrar a guerra.

Em 1962, apesar da esmagadora superioridade militar no interior do Saara, a posição francesa entrou em colapso. Os franceses foram apanhado entre o implacável ataque diplomático da FLN, que conseguiu criar agitação urbana contínua na Argélia e na França, e um exército argelino bem equipado sob o comando do implacável coronel Houari Boumédiène, concentrando-se atrás das cercas da fronteira.

Recém-libertado de uma prisão francesa, Ahmed Ben Bella rapidamente se estabeleceu como um líder nacional popular e enérgico, apoiado por Boumédiène e pelo establishment militar. A guerra varreu o antigo Estado colonial francês junto com o modo de vida tradicional argelino, então Ben Bella e a FLN começaram a trabalhar para traduzir sua revolução em um novo Estado-nação.

Ben Bella se encaixava perfeitamente no molde de um estadista revolucionário do Terceiro Mundo. Pessoalmente carismático e ideologicamente ágil, Ben Bella comprometeu a Argélia com a revolução social em seu país e com uma política ativista no exterior. Quando os pied noirs votaram com os pés e deixaram o país em massa, suas vastas propriedades agrícolas, fábricas e negócios foram ocupados pela população árabe. Reconhecendo que o controle dos trabalhadores estava de fato se estabelecendo em muitos dos setores agrícolas e industriais, Ben Bella manteve a FLN na crista da onda revolucionária ao reconhecer e apoiar formalmente essas ocupações populares.

A rápida transição para uma economia totalmente socializada encantou os soviéticos, que viram a Argélia seguir os passos cubanos em um caminho de desenvolvimento que contornou completamente o capitalismo. Também causou grande empolgação entre a esquerda intelectual em geral, que via o reconhecimento e o incentivo de Ben Bella ao controle popular da indústria como uma realização das aspirações mais democráticas do socialismo.

Argel também estava se tornando rapidamente um próspero centro diplomático para todas as correntes revolucionárias do mundo. As relações estreitas que a FLN fomentou com outros movimentos de libertação durante seus anos de luta foram formalizadas, com grupos como o Vietcong, o Congresso Nacional Africano e até mesmo os Panteras Negras abrindo escritórios e embaixadas. Os argelinos não fizeram segredo sobre ajudar as forças subversivas em toda a África, facilitando a troca de tudo, desde ideias a armamentos. Na década de 1960, Argel era um lugar onde nacionalistas árabes, guerrilheiros angolanos, trotskistas franceses e diplomatas iugoslavos passeavam nas ruas, se conheciam em cafés e marcavam encontros secretos em bares de hotéis.

Fim de jogo

Em 19 de junho de 1965, a população de Argel acordou com a visão de tanques nas ruas. Nas últimas semanas, a cidade se preparou para sediar uma conferência de chefes de Estado afro-asiáticos de alto escalão. Anunciada como Bandung 2, a cúpula definiria o tom para a próxima fase da revolução mundial no Sul Global. Faltando apenas alguns dias, mesmo com a presença de dignitários estrangeiros, Boumédiène atacou seu antigo aliado Ben Bella.

A reação da população foi silenciada. O golpe veio como um fato consumado, com Bem Bella sequestrado de sua humilde casa na cidade enquanto ainda dormia. A presença militar altamente visível nas ruas dissuadiu qualquer tentativa de protesto espontâneo.

Mas o que aconteceu, exatamente? Apesar da exuberância da revolução argelina, como todas as revoluções, ela fervilhava de contradições logo abaixo da superfície. As ambições de Ben Bella de promover o controle popular genuíno da indústria vacilaram contra as demandas da modernização liderada pelo Estado. Os camponeses que apenas começavam a exercer uma autonomia genuína se viram pressionados por demandas para implementar uma rápida mecanização da produção – e puxados por demandas igualmente poderosas de produzir grande quantidade de excedentes para investir no desenvolvimento industrial, particularmente no setor de petróleo e gás.

Além disso, o cosmopolitismo do governo Ben Bella foi cada vez mais visto com hostilidade por elementos conservadores da sociedade argelina, incluindo dentro da própria coalizão da FLN. Embora Ben Bella adotasse um tipo de nacionalismo revolucionário que afirmava harmonizar a identidade árabe com o socialismo, estava claro o suficiente que o modernismo do regime via o islamismo como uma força reacionária a ser reprimida. Os estrangeiros que entravam no país, fossem companheiros de viagens ideológicas, jornalistas ou representantes de governos fraternos, eram chamados desdenhosamente de “pied rouges”, primeiro a portas fechadas, mas depois de forma mais aberta nas seções mais conservadoras da imprensa. Mais significativamente, o nacionalismo estava assumindo um caráter cada vez mais xenófobo dentro das fileiras do exército.

A cúpula afro-asiática programada levou essas tensões subjacentes a um clímax dentro do sistema de poder argelino. Do ponto de vista de Ben Bella, a conferência solidifica sua posição como um estadista verdadeiramente internacional e permitiria que ele imprimisse sua autoridade sobre a revolução argelina e seus oponentes dentro dela. Para Boumédiène, o segundo no comando da Argélia de fato, representou o último momento em que Ben Bella poderia ser desafiado antes de adquirir o status de divindade semelhante a Fidel Castro.

No mesmo ano em que Ben Bella foi derrubado, Kwame Nkrumah foi destituído do cargo em Gana e golpes também derrubaram governos na Nigéria, Congo e vários outros países africanos. Pouco depois, Nasser foi humilhado na desastrosa guerra de 1967 contra Israel, anunciando o encerramento da era mais idealista e pluralista do Terceiro Mundo.

Embora muitos no Terceiro Mundo temessem que o golpe militar de Boumédiène representasse uma virada dramática em direção à contra revolução e ao alinhamento ocidental, este não foi, de fato, o que aconteceu. A socialização da economia continuou, mas com a ênfase mudada ainda para o planejamento central de estilo soviético, orientado para o desenvolvimento das enormes reservas de hidrocarbonetos no país. No campo internacional, a Argélia permaneceu comprometida com o desalinhamento, defendendo vigorosamente nas Nações Unidas uma reconfiguração econômica global em favor do mundo em desenvolvimento. No entanto, mesmo esse internacionalismo assumiu formas cada vez mais estatistas, culminando com a participação da Argélia na formação da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP). O cartel da OPEP  teve sucesso em paralisar a economia global por meio da manipulação dos preços do petróleo bruto, inadvertidamente desencadeando a propagação do neoliberalismo no Ocidente repentinamente desindustrializado, mas rapidamente se espalhando para o Terceiro Mundo e o bloco comunista.

A revolução argelina foi absolutamente central para o cenário político de meados do século XX. Nele, a dinâmica da descolonização e da Guerra Fria se desenrolou em um espetáculo visível. Geograficamente na encruzilhada da Europa, África e Oriente Médio, e mantendo-se politicamente entre os sistemas comunista e capitalista mundial, o status internacional da Argélia superou em muito o que qualquer um esperava de um país dilacerado pela guerra com uma população tão pequena e empobrecida.

Embora tenha desaparecido dos holofotes globais nas últimas décadas, continua sendo um dos Estados mais modernos do mundo árabe, tanto em termos de infraestrutura quanto de cultura. A luta da Argélia foi longa e dura, mas não menos heróica por isso.

Sobre os autores

é ferroviário e oficial político da sucursal de Paddington №1 do RMT, o Sindicato Nacional dos Trabalhadores Ferroviários, Marítimos e de Transportes do Reino Unido. Ele também faz parte do conselho regional dos sindicatos do sul do País de Gales e do Sudoeste.

Sobre o autor

Robert Maisey é ferroviário e oficial político da sucursal de Paddington №1 do RMT, o Sindicato Nacional dos Trabalhadores Ferroviários, Marítimos e de Transportes do Reino Unido. Ele também faz parte do conselho regional dos sindicatos do sul do País de Gales e do Sudoeste.

WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux