Press "Enter" to skip to content
Praça Maidan em Kiev, Ucrânia, após a qual a Revolução Maidan de 2014 foi nomeada. (Hnapel / Wikimedia Commons)

Tudo o que você sabe sobre a Ucrânia está errado

Tradução
Gercyane Oliveira

A crise da Ucrânia é extremamente complexa e pouco compreendida. O sociólogo ucraniano Volodymyr Ishchenko explica as origens da crise, as ficções que a cercam e por que esse conflito se tornou inevitável.

UMA ENTREVISTA DE

Branko Marcetic

Se você confiou na mídia do establishment para acompanhar os acontecimentos na Ucrânia nestes últimos oito anos, então provavelmente o que você sabe está errado. Apesar – ou, mais provavelmente, por que – o tumulto na Ucrânia tem aparecido no noticiário nestes últimos anos, a história do país e seus contínuos conflitos internos têm sido alguns dos mais propagandeados para as pessoas do Ocidente.

O Dr. Volodymyr Ishchenko, sociólogo e pesquisador associado do Instituto de Estudos da Europa Oriental, passou anos escrevendo sobre a política ucraniana, a Revolta de Euromaidan de 2014, e a confusão entre protestos, movimentos sociais, revolução e nacionalismo. Recentemente, ele conversou com Branko Marcetic, da Jacobin, sobre o que o Ocidente precisa entender sobre a Ucrânia e o impasse internacional em curso em relação a ela.


BM

Por que as autoridades ucranianas e os governos europeus estão assumindo posições tão diferente do Estados Unidos e o Reino Unido sobre a perspectiva de uma invasão russa?

VI

A diplomacia coercitiva russa e os acúmulos militares são apenas uma parte disso, porque também há ações diplomáticas paralelas. Outra parte é esta campanha midiática sobre uma invasão iminente, que tem sua própria lógica autônoma, é impulsionada por interesses diferentes e não deve ser tomada como um reflexo objetivo das ações russas. Ela também tem este caráter de intensificação e crescimento. O principal alvo desta campanha provavelmente não é nem a Rússia ou a Ucrânia, mas a Alemanha, que deveria estar mais próxima de seus aliados da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN).

No início, a Ucrânia nem mesmo notou esta campanha no meio de comunicação ocidental. Em seguida, tentou explorar a campanha solicitando mais armas e pedindo sanções preventivas contra a Rússia. Há apenas três ou quatro semanas que o governo ucraniano começou a fazer declarações muito explícitas de que a invasão não é realmente iminente, que estamos sob ameaça russa desde 2014 e que estamos acostumados a isto, e que de acordo com sua inteligência, esta ameaça não é maior do que era na primavera do ano passado (durante o estágio inicial das movimentações russa, que foi feito publicamente com intenções muito claras).

Esta campanha midiática ocidental teve consequências negativas e muito concretas para a economia ucraniana. A moeda ucraniana começou a ser desvalorizada, os investidores começaram a sair – particularmente no mercado imobiliário – e o governo tem tido bastante medo de que, mesmo sem uma invasão real, a economia ucraniana possa ter sérios problemas com isso. Mas eu não tomaria isso como um simples equívoco estratégico.

BM

Por que a Ucrânia é um país tão importante, tanto para a Rússia, quanto para o Ocidente e os Estados Unidos?

VI

Economicamente, a Ucrânia é na verdade um grande fracasso. Se você olhar para os indicadores econômicos, o país é provavelmente um dos muito poucos países do mundo que não atingiu seu nível de PIB per capita desde 1990. Houve um enorme declínio econômico nos anos 90, e então a Ucrânia não conseguiu crescer como seus vizinhos da Europa Oriental. Não vivemos melhor do que no final da União Soviética, ao contrário da Polônia, por exemplo, ou mesmo da Rússia ou Bielorrússia.

Para a Rússia e para os Estados Unidos, é um lugar através do qual o gás natural é transportado. Houve algumas iniciativas para ter um consórcio tripartite: a Rússia como fornecedor de gás, a União Europeia como consumidor, e a Ucrânia como território de trânsito. Estas posições foram atacadas nos anos 90 e 2000, particularmente pelo lado ucraniano, e o resultado foi que a Rússia acabou de construir vários gasodutos ao redor da Ucrânia. O Nord Stream 2 é talvez o mais perigoso para a Ucrânia agora, pois pode fazer com que os oleodutos ucranianos se tornem obsoletos.

De um ponto de vista militar, a Rússia diz que a Ucrânia pode ser importante porque se a OTAN começar a instalar armas ofensivas, há mísseis que podem chegar até Moscou em cinco minutos. A estratégia defensiva russa durante séculos foi a expansão, a fim de empurrar sua fronteira o mais para o oeste possível, criando profundidade estratégica, o que levou as invasões de Napoleão Bonaparte e Adolf Hitler ao fracasso – embora as guerras contemporâneas não sejam travadas da mesma forma que eram há meio ou dois séculos atrás.

Para os Estados Unidos, a Ucrânia é um potencial foco de conflito contra a Rússia. Se a Ucrânia estiver criando tensões com a Rússia, poderá enfraquecer a Rússia e desviar seus recursos, por exemplo, no caso de uma ascensão chinesa. Algumas pessoas comentam agora com cinismo: “Por que não deixar os russos invadirem a Ucrânia, e vamos fazer da Ucrânia outro Afeganistão para a Rússia”? A Rússia gastaria muitos recursos, seria atingida com sanções – provavelmente o Nord Stream também estaria sob sanções – e não é tão claro por quanto tempo a Rússia sobreviveria a uma grande intensificação na Ucrânia. Esta poderia ser uma razão pela qual esta guerra [na região de Donbass] já dura há tanto tempo: não há nenhum interesse real em detê-la. Houve várias oportunidades para fazê-lo em 2019 e 2015, e o governo dos EUA não fez o máximo que pôde.

BM

Qual é a relação entre a Ucrânia e a Rússia, já que a longa e complicada história dos países molda tantas das divisões políticas e culturais da Ucrânia moderna?

VI

Não há nada próximo a um consenso sobre esta questão. Algumas pessoas de esquerda, como alguns marxistas ucranianos no século XX, defenderam que a Ucrânia era uma colônia russa e que, pelo menos no Império Russo, ela era explorada economicamente. Essa foi uma história diferente sob a União Soviética, quando a Ucrânia se desenvolveu muito rapidamente e acabou sendo uma das partes mais desenvolvidas do país – uma das razões pelas quais a crise após a era soviética foi tão grave. Outros diriam que a Ucrânia era mais parecida com a Escócia para a Inglaterra, e nem mesmo próxima das relações entre as metrópoles ocidentais e suas colônias na África ou na Ásia, ou mesmo entre a Rússia e a Ásia Central, ou a Rússia e a Sibéria.

Para muitos russos, a Ucrânia é parte de sua percepção da nação russa. Eles simplesmente não poderiam imaginar a Rússia sem a Ucrânia. No Império Russo, havia esta ideia de que russos, ucranianos e bielorussos eram três partes do mesmo povo. E esta narrativa foi recentemente reiterada por Vladimir Putin, em seu artigo onde afirmava que ucranianos e russos são apenas um povo, artificialmente dividido.

Esta narrativa tem uma longa história no pensamento do imperialismo russo. Desta perspectiva, você veria as relações entre a Ucrânia e a Rússia como uma competição de pelo menos dois projetos de construção de nações. Pode-se dizer que a Ucrânia não é parte da Rússia; os ucranianos são um povo separado. Esta narrativa é a mais dominante na Ucrânia neste momento. No entanto, este projeto de construção de uma nação não teve sucesso por completo – apesar de três revoluções que tiveram um conteúdo de construção de uma nação forte, que aconteceu em 1990, 2004 e 2014. Outra narrativa afirmaria que os ucranianos são realmente parte de alguma unidade eslava oriental maior e este projeto de construção da nação não foi realizado devido à fraqueza da modernização no Império Russo.

Entretanto, esta discussão ocupa apenas uma pequena parte da sociedade ucraniana, especialmente os intelectuais. Para os ucranianos comuns, esta não é a questão importante. De acordo com pesquisas realizadas durante os trinta anos desde a independência soviética, as questões de empregos, salários e preços estiveram no topo das preocupações da população, enquanto que identidade, língua, relações geopolíticas, União Europeia (UE), Rússia e OTAN sempre estiveram na lista de prioridades ucranianas.

BM

Alguns comentaristas dizem que, como a extrema direita não teve muito sucesso nas eleições pós-Maidan, seu papel no país é insignificante. Até que ponto isso é verdade?

VI

O papel dos nacionalistas radicais na política ucraniana é significativo, através da pressão direta sobre o governo e da disseminação de narrativas. Se você olhar para as políticas reais que foram tomadas pelo governo pós-Maidan, você verá o programa dos partidos nacionalistas radicais, particularmente a descomunização, a proibição do Partido Comunista da Ucrânia e a ucranização, o que significa empurrar a língua russa para fora da esfera pública ucraniana. Muitas coisas que a extrema direita fez na campanha antes do Maidan foram implementadas por políticos não direitistas.

A radicalização nacionalista é uma compensação pela falta de quaisquer mudanças revolucionárias após a revolução. Se você começar, por exemplo, a mudar algo na esfera ideológica – renomeando ruas, tirando qualquer símbolo soviético do país, removendo as estátuas de Vladimir Lênin que estavam de pé em muitas cidades ucranianas – você cria uma ilusão de mudança sem realmente mudar na direção das aspirações do povo.

A maioria dos partidos relevantes são, na verdade, máquinas eleitorais para redes patronais e clientelistas específicas. As ideologias são geralmente totalmente irrelevantes. Não é difícil encontrar políticos que trocaram de campo completamente opostos na política ucraniana várias vezes durante suas carreiras.

Os partidos nacionalistas radicais, pelo contrário, têm ideologia, têm ativistas organizados e, neste momento, são provavelmente os únicos partidos no sentido real da palavra “partido”. Eles são as partes mais organizadas e mobilizadas da sociedade civil nas ruas. Depois de 2014, eles também conseguiram os recursos para a instrumentalizar a violência: eles tiveram a oportunidade de criar unidades armadas coligadas e uma ampla rede de centros de treinamento, acampamentos de verão, cafeterias simpatizantes e revistas. Esta infraestrutura talvez não exista em nenhum outro país europeu. Parece mais a política da extrema direita dos anos 30 na Europa do que a política contemporânea europeia de extrema direita – que não depende tanto da violência paramilitar, mas é capaz de conquistar uma parte bastante ampla do eleitorado.

BM

Quais são alguns dos aspectos incompreendidos ou desconhecidos da Revolta de Maidan de 2014 que o espectador ocidental pode não estar ciente?

VI

No Ocidente, o que se tornou dominante é a narrativa das ONGs profissionais, que foram uma parte importante da insurreição de 2014. Mas elas definitivamente não representavam toda a diversidade desta revolta e muito menos a diversidade deste grande país. Em suas narrativas, esta foi uma revolução democrática e pacífica contra um governo autoritário liderado por Viktor Yanukovych, que é provavelmente um dos poucos governantes do mundo a ter sido derrubado por duas revoluções.

Esta narrativa das ONGs profissionais e intelectuais liberais nacionais foi retomada pela mídia e pelas autoridades ocidentais, em parte porque era o que eles queriam ouvir. E as autoridades ocidentais apoiaram a Revolta de Maidan de forma bastante aberta. Para a UE, naquele momento, foi bastante inspirador, porque enquanto o povo na Grécia estava queimando bandeiras da UE, as pessoas na Ucrânia estavam balançando-as.

O medo dos nacionalistas radicais inspirou os protestos contrários à Maidan nas regiões sudeste da Ucrânia. A Rússia decidiu fornecer e, em um momento crucial, intervir e impedir a derrota dos rebeldes separatistas na região. O resultado é que uma parte de Donbass, uma região oriental ucraniana, fortemente industrializada e urbanizada, está agora sob o controle das chamadas repúblicas populares que devem ser vistas mais ou menos como estados fantoches russos.

BM

Quais são suas esperanças sobre como esta crise pode ser resolvida?

VI

Minha esperança é que haja uma solução pacífica para a crise. Todos nós esperamos que os russos não comecem uma invasão estúpida e não comecem a piorar, não apenas em Donbass, mas em todo o país.

Qualquer progresso na implementação dos acordos de Minsk – que tratam de como integrar os territórios separatistas pró-russos de volta à Ucrânia – seria certamente útil para a desaceleração da crise. Embora a maioria dos ucranianos não estejam satisfeitos com os acordos de Minsk – principalmente porque eles se mostraram ineficazes desde 2015 e não trouxeram paz a Donbass, não que a maioria dos ucranianos os considere inerentemente inaceitáveis – os protestos reais contra os acordos de Minsk foram bastante pequenos e não foram realmente apoiados pela maioria dos ucranianos.

Mas até agora, a Ucrânia não quer aceitar Minsk. Ela encontra desculpas diferentes para não fazer o que concordou junto com a França, a Alemanha e a Rússia. Uma das razões são as ameaças violentas muito explícitas dos nacionalistas na Ucrânia, que enxergam Minsk como uma rendição da Ucrânia. Para os nacionalistas, Minsk significa reconhecer a diversidade política da Ucrânia – que os ucranianos dissidentes não estão simplesmente zumbificados pela propaganda russa, e não são traidores nacionais; que têm razões muito racionais para não concordar com a narrativa nacionalista e que têm uma percepção alternativa da Ucrânia.

Se o governo ucraniano fosse sério em implementar os acordos, e não encontrasse desculpas apontando ameaças dos nacionalistas, eles poderiam pedir ajuda ao Ocidente – para uma posição muito consolidada dos Estados Unidos e da UE na rápida implementação dos acordos. Seria certamente útil para o governo ucraniano e desmotivaria a parte nacionalista da sociedade civil, especialmente aquelas partes que dependem diretamente da ajuda financeira do Ocidente.

Sobre os autores

é um sociólogo que mora em Kiev. Publicou artigos e entrevistas no The Guardian e na New Left Review.

é escritor da redação da Jacobin e mora em Toronto, Canada.

Cierre

Arquivado como

Published in Entrevista, Europa, História, Imprensa and Militarismo

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux