Press "Enter" to skip to content
Um tanque militar ucraniano escondido em uma posição de defesa não revelada vista nos arredores da região separatista de Donetsk (Alex Chan Tsz Yuk / SOPA Images / LightRocket via Getty Images)

Como Biden está fortalecendo a indústria bélica com a guerra na Ucrânia

Tradução
Cauê Seignemartin Ameni

Joe Biden assinou um projeto de ajuda de US$ 40 bilhões para a Ucrânia. Mas o maior beneficiário não é a população – são as empresas militares nos EUA que devem receber pelo menos US$ 17 bilhões em receita adicional.

No sábado passado, Joe Biden assinou um projeto de lei que fornece US$ 40,1 bilhões em financiamento emergencial para a Ucrânia, incluindo US$ 24,6 bilhões para programas militares e US$ 15,5 bilhões para não militares. Pelos padrões de Washington, a legislação passou pelo Congresso em um piscar de olhos. O Congresso recebeu o pedido de financiamento da Casa Branca em 28 de abril e apenas três semanas depois – depois de aprovar facilmente na Câmara (368 a 57) e no Senado (86 a 11) – o projeto estava pronto para a assinatura de Biden.

Mas o que está no projeto? Quem é o principal beneficiário? E isso vai trazer o conflito mais perto de um fim?

Embora seja difícil dizer quanto do projeto de ajuda de US$ 40,1 bilhões à Ucrânia terminará como ajuda direta à Ucrânia, está claro que os contratados privados receberão uma quantia significativa para fornecer as armas e serviços militares, sejam eles para a Ucrânia ou outro país “impactado pela situação na Ucrânia”, como diz o projeto de lei. De fato, a indústria doméstica de armas pode vir a ser a principal vencedora financeira do projeto.

A legislação, de acordo com minhas estimativas, produzirá pelo menos US$ 17,3 bilhões em receita para empresas militares norte-americanas – mais do que o valor total do financiamento não militar (US$ 15,5 bilhões). Essa estimativa – conservadora – é baseada na linguagem do projeto de lei, nos documentos que acompanham a Casa Branca e no Comitê de Apropriações da Câmara e nas tendências gerais de contratação militar.

Alguns desses US$ 17,3 bilhões em receita projetada para o setor privado estão sob o guarda-chuva de “ajuda direta”. Por exemplo, cerca de US$ 1,5 bilhão dos US$ 6 bilhões para a Iniciativa de Assistência à Segurança da Ucrânia (uma disposição de lei que fornece à Ucrânia armas, treinamento, inteligência, apoio logístico e salários e estipêndios para o pessoal alistado no exército da Ucrânia) será usado para comprar armas dessas empresas.

Em certo nível, esse projeto é uma redistribuição maciça de riqueza dos cofres públicos para os bolsos de empresas militares privadas. Isso permite que o governo Biden continue aumentando o envolvimento militar dos Estados Unidos na guerra, à medida que o governo parece cada vez mais desinteressado em acabar com isso por meio da diplomacia. Ele não fornece supervisão suficiente para mitigar os riscos inerentes de despejar tantas armas em um país tão rapidamente. Ele destina dinheiro para o Departamento de Defesa comprar armas para seus próprios estoques. Além disso, o financiamento de emergência para a resposta à pandemia dos EUA que Biden solicitou originalmente foi retirado do projeto.

Apesar de tudo isso, os democratas decidiram por unanimidade na Câmara e no Senado aprovar o projeto. Todos os votos contrários vieram dos republicanos. Nem mesmo Bernie Sanders se opôs à medida.

Até que os setores progressistas do Congresso possam mobilizar alguma resistência, o governo Biden continuará em um caminho perigoso de priorizar a escalada militar sobre a resolução de conflitos – e investir em armas em vez do bem-estar público.

Sobre os autores

é cofundador do Security Policy Reform Institute, um think tank de política externa dos EUA com financiamento próprio.

Cierre

Arquivado como

Published in América do Norte, Análise, Guerra e imperialismo and Militarismo

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux