“Não são por 30 pesos, são por 30 anos”

21/10/2019

Por
Pablo Abufom

Tradução
Cauê Ameni

No Chile, o aumento da tarifa de transporte transformou-se em um protesto massivo contra a austeridade em todo o país. Agora, o presidente direitista e as forças armadas estão respondendo com uma repressão nunca vista desde a ditadura de Pinochet.

Polícia ataca manifestantes no Chile, 18 de outubro de 2019. Frente Fotografico / Facebook

Na sexta-feira à noite, o presidente direitista do Chile, Sebastían Piñera, convocou estado de emergência para toda a cidade de Santiago em resposta a uma semana de protestos em massa. Rejeitando o aumento da tarifa, milhares de pessoas se recusaram a pagar o aumento do metrô com um slogan simples de protesto: evade.

O catracaço massivo durante toda a sexta-feira pegou o governo completamente de surpresa. Duas das seis linhas de metrô de Santiago foram canceladas e os ônibus da cidade logo transbordaram de passageiros. A repressão policial pouco pôde fazer para impedir os protestos liderados por estudantes, enquanto milhares de trabalhadores se juntaram às ações. Aparentemente, esse foi simplesmente um ato desafiando a alta de preços no transporte público.

Um pôster feito à mão nas redes sociais expressava o sentimento geral: “Não são por 30 pesos, são por 30 anos.” Faz mais ou menos trinta anos, desde 1988, quando o Chile iniciou sua transição da ditadura de Pinochet para a democracia liberal. Essas três décadas viram a restauração dos direitos civis, mas também do aprofundamento dos esquemas econômicos neoliberais.

A destruição do sistema de pensões, a marginalização do movimento dos trabalhadores organizados e um padrão volátil de acumulação capitalista com base na extração e exportação de matérias-primas – essas características definidoras do Chile contemporâneo criaram uma vida social profundamente fragmentada e desigual. Nesse mesmo sentido, a revolta espontânea que a nação está testemunhando em resposta ao aumento do custo de vida não é apenas um grito de ajuda, é uma tentativa desesperada de encontrar uma alternativa política.

Ao decretar estado de emergência, o presidente Piñera nomeou Javier Iturriaga, general de uma família associada aos abusos dos direitos humanos da época de Pinochet, como chefe da defesa nacional. Esse fato por si só reforça a realidade brutal da situação no Chile: a ditadura continua assombrando permanentemente o presente.

Lado de Cerro Santa Lucia queima depois que forças especiais disparam gás lacrimogêneo contra manifestantes, 19 de outubro de 2019. Frente Fotografico / Facebook
Lado de Cerro Santa Lucia queima depois que forças especiais disparam gás lacrimogêneo contra manifestantes, 19 de outubro de 2019. Frente Fotografico / Facebook

Os militares voltaram às ruas na tentativa de restaurar a ordem pública. Mas os protesto de sexta à noite e sábado de manhã deixaram claro que o povo chileno não seria intimidado. Apesar das constantes patrulhas policiais e militares, milhares de pessoas permaneceram nas ruas, erguendo barricadas e fogueiras. As coisas estão tomando uma virada ainda mais radical: as estações de metrô foram saqueadas e incendiadas. Centenas de pontos em toda a cidade se tornaram foco de confrontos com a polícia.

Na tarde de sábado, os protestos haviam virado em escala nacional e o governo decidiu voltar atrás nos aumentos das tarifas em Santiago. No entanto, nesse momento, os aumentos de tarifa já estavam fora de questão. Os protestos continuaram até às 20h do sábado, quando um toque de recolher foi declarado entre 22h e 7h da manhã do domingo seguinte. Uma medida completamente sem precedentes (exceto durante desastres naturais como terremotos), foi um lembrete doloroso dos anos da ditadura.

Durante todo o tempo, o governo tem difamado os manifestantes como parte de uma conspiração criminosa – uma tentativa desesperada de subestimar o caráter espontâneo em massa dos protestos. Por volta da meia-noite, em Santiago, ficou claro que o toque de recolher não teve êxito. Milhares se mantiveram firmes, erguendo barricadas e gritando e cantando contra o presidente, o estado de emergência, os militares e o legado da ditadura. A emocionante manifestação lembrou os anos 80: os dias de protestos nacionais contra Pinochet, que na época incluíam bater em panelas vazias como um sinal da vida empobrecida e endividada da maioria.

Neste fim de semana, o governo estendeu o estado de emergência e toque de recolher a Valparaíso e Concepción, duas das principais cidades do Chile (mais cidades se juntariam à crescente onda de desobediência nacional no domingo). Esta é apenas uma resposta parcial ao que hoje é um protesto em todo o país, onde dificilmente existe uma esquina sem barricada e fogueira, onde saques de supermercados e shoppings, ataques a delegacias e prédios do governo estão lentamente começando a ver pessoas de todos os setores envolvidas.

Seria impossível, neste momento, escrever a palavra final sobre a situação. As coisas são simplesmente muito voláteis. Uma coisa é certa: a resposta do governo foi voltar ao seu único conjunto de ferramentas: repressão e blindar a propriedade privada contra a ameaça de democracia e revolta da classe trabalhadora.

Dito isto, há dois cenários possíveis para o futuro: as táticas de repressão e propaganda do governo tomarão o controle, levando a uma “situação normalizada”; ou, a mobilização em massa seguirá em frente e continuará ocupando espaços nas cidades do país, exigindo não apenas uma transformação política de baixo custo de vida, mas também profunda. Quanto ao primeiro cenário, o governo está sozinho desejando um retorno imediato à paz social, e Piñera está encurralado e na defensiva, atormentado por seus próprios erros e sem saber como retirar os militares das ruas.

Quanto à segunda opção, uma greve geral pedindo o fim do estado de emergência já está em andamento hoje. Anunciado inicialmente pelos principais movimentos sociais do Chile – organizações estudantis do ensino médio e o Comitê de Coordenação Feminista “8M”, responsável pela Greve Geral Feminista -, a ele se juntam trabalhadores portuários, professores, trabalhadores da saúde e da construção civil, entre outros.

Após uma semana de inquietação popular implacável, embora as coisas não mudem completamente da noite para o dia, não há dúvida de que os protestos em massa voltaram ao Chile.

Sobre o autor

é um militante do movimento Solidaridad em Santiago, Chile.