Bernie Sanders e o feminismo dos 99%

11/02/2020

Por
Nancy Fraser e Liza Featherstone

Tradução
Cauê Seigner Ameni

Para feministas como Nancy Fraser e Liza Featherstone, a eleição nos EUA representa uma oportunidade única para lutar pela libertação política das mulheres entre a classe trabalhadora.

Apoiadores em um comício de campanha pelo senador Bernie Sanders, em 26 de julho de 2019 em Santa Monica, Califórnia. (Mario Tama / Getty Images)

Somos feministas e estamos votando em Bernie Sanders. Apoiamos Sanders precisamente porque somos feministas.

Elizabeth Warren, Amy Klobuchar e seus apoiadores, incluindo os do conselho editorial do New York Times, defendem fortemente que chegou a hora de uma mulher ser presidente. Warren e seus apoiadores têm sido especialmente persistentes nesses apelos à política de gênero. Se Bernie Sanders não estivesse na corrida eleitoral, poderíamos concordar. Mas a campanha de Sanders representa uma oportunidade histórica – sobretudo para as mulheres.

Não nos interpretem mal. Gostaríamos de ver uma mulher presidente tanto quanto qualquer outra pessoa. Mas isso não pode nos custar a chance de construir um movimento que possa realmente melhorar a vida da grande maioria das mulheres. A campanha Sanders oferece exatamente essa chance.

Todo mundo sabe que Sanders defende os interesses dos 99% contra os da “classe bilionária”. O que é menos compreendido é que sua campanha – e o crescente movimento por trás dela – tratam efetivamente o sexismo, não apenas suas formas cotidianas, mas também suas raízes mais profundas da sociedade capitalista.

Embora as políticas de Bernie – Medicare for All, mensalidade gratuita de faculdade pública, salário mínimo de US $ 15, um Green New Deal, fortalecendo sindicatos – nem sempre sejam reconhecidas como feministas, elas visam abordar questões sociais causadas por gênero, mas também como por classe e raça.

Afinal, a grande maioria dos trabalhadores com baixos salários é formada por mulheres. Aumentar o salário mínimo é aumentar imediatamente a liberdade feminina – tanto no trabalho quanto em casa. E expandir os direitos de negociação coletiva é nos dar uma arma poderosa na luta contra o assédio e agressão sexual no local de trabalho.

Da mesma forma, o Medicare for All, que Sanders apoia enfaticamente, beneficia prioritariamente as mulheres, que usam mais serviços de saúde do que os homens e, portanto, têm custos médicos mais altos. Os ganhos são especialmente altos para mulheres negras, latinas e indígenas, que não têm seguro e normalmente são cobradas com taxas mais altas do que as mulheres brancas no atual sistema com fins lucrativos.

Depois, há o Green New Deal, que é corretamente entendido para beneficiar a todos. Mas isso ocorre porque a política não é apenas ecológica e pró-classe trabalhadora, mas também anti-sexista e anti-racista. Atualmente, mulheres e negros são forçados a lutar com unhas e dentes pelo básico da sobrevivência, como água limpa em Flint ou Dakota. Ganharão mais com o investimento em infraestrutura verde – e com os empregos sindicais bem remunerados que o acompanham. O Green New Deal incorpora uma promessa ativista – de enfrentar as políticas capitalistas que incendeiam o planeta – e os tendões racistas e patriarcais entrincheirados que mantêm o sistema estático no lugar.

De todos os candidatos na disputa atualmente, Sanders também é de longe o mais forte no que costuma ser chamado de “questões de gênero”: direitos reprodutivos, assistência à infância, licença familiar e direitos trans. É fácil expressar essas palavras, e alguns dos outros candidatos o fazem, mas a campanha de Sanders identifica os recursos sociais materiais necessários para transformar direitos no papel em liberdades reais na prática. A versão de Bernie do Medicare for All, por exemplo, fornece acesso total aos cuidados de saúde reprodutiva, incluindo o aborto, algo pelo qual as feministas lutam há décadas. Esta é a única posição verdadeiramente pró-escolha: afinal, de que serve o direito ao aborto se você não puder pagar um ou encontrar um provedor?

Certamente, Elizabeth Warren merece crédito por pautar questões sobre os cuidados infantis e falar eloquentemente sobre isso na campanha. Mas Bernie Sanders vem defendendo o cuidado universal das crianças há décadas, apoiando uma lei em 2011 com o objetivo de fornecer cuidados infantis e educação infantil a todas as crianças, desde as seis semanas até o jardim de infância. Sanders também é o único candidato sério na corrida para proteger, melhorar e organizar melhor a educação pública do ensino fundamental e médio (a coisa mais próxima que nossa sociedade tem da assistência universal à infância), inclusive aumentando o salário de sua força de trabalho (majoritariamente feminina).

Em geral, a campanha de Sanders não trata os “problemas femininos” como meros complementos. Diferentemente das propostas políticas da maioria de seus rivais, Bernie presume que as reformas na organização do trabalho assalariado devem acompanhar as reformas na organização do trabalho não remunerado – e vice-versa. Expressam, assim, uma questão feminista central: os dois domínios estão tão profundamente entrelaçados que nenhum deles pode ser transformado sozinho, isolado do outro. Somente uma reforma coordenada de ambas ao mesmo tempo pode permitir a participação plena e igual das mulheres na sociedade.

Sanders também é a melhor opção feminista em imigração e política externa. Nosso país desencadeou uma violência militar catastrófica no Afeganistão, Iraque e em outras partes do Oriente Médio; patrocinou incontáveis ​​golpes e esquemas imperialistas desestabilizadores na América Central e do Sul – todos com consequências diretas na questão de gênero. Nessas regiões, como em outros lugares, as mulheres são as principais responsáveis ​​pela segurança e sobrevivência das famílias e comunidades. Esse trabalho, sempre desafiador, torna-se punitivo, quando a violência, o conflito e a repressão autoritária tornam impossível a vida cotidiana normal. As mulheres são as responsáveis ​​globalmente pela criação da próxima geração, tentando proteger as crianças quando fogem da violência em casa e enfrentando uma fronteira militarizada num regime norte-americano que prende até crianças. Sanders e o movimento por trás dele são as únicas forças políticas que pretendem mudar nossa política externa e de imigração assassinas, uma prioridade para qualquer movimento feminista sério.

Igualmente importante, a campanha de Sanders identifica corretamente as forças sociais que impedem seus objetivos feministas e pró-classe trabalhadora. A classe bilionária e as megacorporações (bancos, produtos farmacêuticos, TI, seguros e empresas de combustíveis fósseis), como Bernie costuma enfatizar. As feministas têm um dever especial de opor-se aos neoliberais progressistas na esquerda: aquelas que se entusiasmam em conversar com plutocratas enquanto abandonam a grande maioria das mulheres à predação corporativa. Também devemos nos opor àqueles que instrumentalizam as queixas de gênero, empregando-as não para beneficiar as mulheres, mas para minar Sanders, dividir a esquerda e reforçar as cabalas centristas e conservadoras que nos prejudicaram repetida e insensivelmente nos últimos anos.

Por outro lado, a campanha Sanders identifica corretamente nossos aliados mais prováveis e promissores: sindicatos, anti-racistas, imigrantes, ambientalistas e todo tipo de “trabalhadores” – remunerados e não remunerados. Apenas aliando-se a essas forças que as feministas podem reunir o poder que precisamos para derrotar nossos inimigos e obter justiça social.

Na ausência de tal perspectiva e das alianças que ela ajuda a promover, as feministas correm o risco de ser sugadas para o tipo de aliança profana com Wall Street que garantiu a indicação de Hillary Clinton em 2016 e, assim, nos trouxe Donald Trump. A última coisa que precisamos fazer agora é repetir esse desastre!

Por fim, as feministas devem considerar em quem se pode contar entre as candidatas para lutar pelas mulheres – e por todos os 99%. Outros candidatos têm algumas propostas feministas em seus programas. E eles simultaneamente sinalizaram sua disposição de fazer as pazes com a classe doadora mais a frente. Entre os candidatos, apenas Sanders entende a necessidade de uma luta popular de massas. Somente sua campanha está comprometida em construir um movimento para o tipo de mudança estrutural de que as mulheres precisam.

A campanha de Sanders também entende que esse movimento exige a expansão de nosso senso de solidariedade. Ao nos pedir para “lutar por pessoas que não conhecemos”, desafia as feministas a participarem de ações anti-racistas, ecológicas, a favor dos imigrantes, trabalhistas e outras lutas da classe trabalhadora, assim como também a luta contra o sexismo.

Vamos enfrentar esse desafio?

Esta eleição apresenta uma escolha clara. Qual é o nosso objetivo principal ou mais urgente: instalar uma mulher na Casa Branca e torcer para que os ganhos cheguem a todas? Ou participar e ajudar a criar uma campanha que priorize diretamente as necessidades e esperanças da grande maioria das mulheres? Da mesma forma, qual é o verdadeiro significado do feminismo e da igualdade das mulheres: paridade masculino/feminino dentro das classes privilegiadas? Ou igualdade de gênero em uma sociedade organizada para o benefício dos 99%?

Em outras palavras: seremos sugados por invocações cínicas do feminismo daqueles que buscam minar um movimento progressista de massas? Ou apoiaremos o único candidato na corrida que está promovendo uma política que realmente melhorará a vida de todas as mulheres que pertencem aos 99%?

Bernie Sanders é esse candidato. Portanto, como somos feministas, orgulhosamente declaramos nosso apoio a ele.

Sanders é a verdadeira escolha feminista.

Sobre os autores

é professora de filosofia e política na New School for Social Research. É co-editora do livro "Feminismo para os 99%"(Boitempo 2019) e autora do livro "O velho está morrendo e o novo não pode nascer" (Autonomia Literária 2020).

é colunista da Jacobin, jornalista freelancer e autora de "Selling Women Short: The Landmark Battle for Workers’ Rights at Wal-Mart".

Sobre os autores

Nancy Fraser é professora de filosofia e política na New School for Social Research. É co-editora do livro "Feminismo para os 99%"(Boitempo 2019) e autora do livro "O velho está morrendo e o novo não pode nascer" (Autonomia Literária 2020).

Liza Featherstone é colunista da Jacobin, jornalista freelancer e autora de "Selling Women Short: The Landmark Battle for Workers’ Rights at Wal-Mart".