Press "Enter" to skip to content
Elon Musk, fundador da SpaceX e CEO da Tesla Inc., comprou a rede social Twitter. (Liesa Johannssen-Koppitz / Bloomberg via Getty Images)

Bilionários como Elon Musk são inimigos da democracia

Tradução
Cauê Seignemartin Ameni

Elon Musk, o homem mais rico do mundo que está tentando comprar o Twitter, diz que quer proteger a democracia e promover a liberdade de expressão – mas o que um megabilionário com um histórico de silenciar críticos e retaliar trabalhadores sabe sobre democracia?

Em 4 de abril, Elon Musk divulgou sua participação de 9,2% no Twitter. Essa notícia desencadeou uma reviravolta de quase um mês por que Musk queria mais espaço no conselho da empresa. Antes de reverter o curso e, em vez disso, ele anunciou planos para uma aquisição completa em 14 de abril.

Inicialmente, havia ceticismo em relação ao plano de aquisição de Musk. Em sua carta de oferta, ele disse que era um bom negócio e sua oferta final – se o conselho não aceitasse, ele consideraria vender sua participação e ir embora. O financiamento não havia sido garantido, o que levou os investidores a questionar se ele estava falando sério. Mas nos dias que se seguiram, Musk juntou uma mistura de empréstimos e patrimônio pessoal para mostrar que poderia financiar o negócio e, em 25 de abril, o conselho aceitou sua oferta de US$ 44 bilhões.

Como resultado, o Twitter mais uma vez se tornará uma empresa privada e, independentemente da posição que Musk se dê, ele terá imenso poder para direcionar o futuro de uma plataforma que é central no discurso público em muitos países ao redor do mundo. Mas quais mudanças ele realmente faz e se os usuários realmente abandonarão o Twitter de Musk ainda não se sabe.

Liberdade de expressão para quem?

No período que antecedeu a compra da plataforma de rede social, Musk se posicionou como defensor da liberdade de expressão. Qualquer pessoa com uma boa noção da realidade pode ver que isso não é verdade, já que Musk tem um histórico de silenciar seus críticos e retaliar seus funcionários, mas isso não significa que não terá um impacto material em como ele direciona os moderadores de conteúdo do Twitter para abordar seu trabalho.

Em um comunicado após a finalização do acordo, Musk escreveu que “a liberdade de expressão é a base de uma democracia em funcionamento, e o Twitter é a praça da cidade digital onde são debatidos assuntos vitais para o futuro da humanidade”. Há algum grau de verdade nisso, embora a ideia de que o Twitter incentiva o diálogo racional que beneficia a sociedade com shitposting seja um pouco exagerada.

A compreensão de Musk do conceito de liberdade de expressão vem dos comentaristas de direita com os quais ele se associa cada vez mais e que acusam as plataformas de rede social de silenciar vozes conservadoras. Eles fundaram uma série de redes sociais alternativas como Parler e Gab nos últimos anos que afirmam respeitar a “liberdade de expressão”, mas são principalmente sobre permitir que as pessoas digam as coisas mais vis, mentirosas e cruéis que quiserem.

Para ser justo, Musk fez declarações que sugerem que ele não abandonará completamente todas as regras. Em uma entrevista ao TED, ele disse que erraria por não derrubar postagens e prefere tempos limitados a banimentos, mas ainda haveria um papel para moderadores humanos e ele respeitaria as leis de vários países. Ele também disse que “derrotaria os bots de spam ou morreria tentando!” Mais amplamente, ele falou sobre estender o acesso à verificação, abrir os algoritmos da empresa e mexer em vários outros recursos.

É provável que ele descubra que remodelar uma grande plataforma de rede social não é tão fácil quanto simplesmente dizer às pessoas abaixo dele o que ele quer que elas façam. Também haverá consequências não intencionais para qualquer coisa que ele tente, principalmente na moderação de conteúdo, o que pode provocar raiva entre os funcionários do Twitter. Musk tem um histórico de se considerar um especialista em coisas sobre as quais realmente sabe pouco e tem o hábito de demitir pessoas que lhe dizem coisas que ele não quer ouvir.

Tudo isso significa que é difícil saber exatamente como será o futuro do Twitter. Há uma versão particularmente terrível que lembra a repugnância do Parler ou Gab; há outro em que as mudanças são pequenas e o interesse do bilionário acaba se movendo para outros assuntos. Mas há também a questão natural do que a aquisição nos alerta sobre o controle de capital sobre o espaço digital: como responder e se é possível se separar para uma alternativa melhor.

Existe uma alternativa?

Em resposta à aquisição, houve um conjunto de usuários do Twitter que alegaram que deixariam a plataforma, ou pelo menos procuraram imaginar como as coisas poderiam ser melhores do que são hoje. Aqueles que estão saindo gravitaram em direção ao Mastodon, uma alternativa descentralizada que começou em 2016 e recebe atenção renovada toda vez que pessoas de esquerda ficam bravas com o Twitter, mas que nunca vingou realmente. É improvável que isso mude mesmo com Musk assumindo o comando.

Ao considerar alternativas, as sugestões muitas vezes equivalem a um retorno a algum momento do passado da Web que foi percebido como melhor: os primeiros dias da Web, o momento em que muitas pessoas usavam o Tumblr ou o tempo imediatamente anterior ao domínio das plataformas atuais quando os blogs eram populares. Embora o renascimento da blogosfera possa parecer atraente, as propostas de voltar o relógio para um período idealizado na história da Internet não consideram como as lógicas estruturais da Web mudaram.

Desde esses momentos, a Internet passou por um novo processo de consolidação e comercialização, que permite aos capitalistas exercer mais poder e extrair maiores retornos do que fazemos online. A centralização também tornou a Web mais fácil de usar e forneceu alguns benefícios para os usuários. Para reverter o curso, ou sair de uma trilha que está nos enviando para as distopias de uma Web3 baseada em criptografia ou metaverso, esses incentivos precisariam ser fundamentalmente alterados – algo que exigiria uma resposta política que visasse as forças capitalistas que impulsionam esses desenvolvimentos.

Dentro de certos círculos de tecnologia, há um desejo de acreditar que resolver problemas estruturais simplesmente requer a solução tecnológica certa, embora tenhamos décadas de evidências de que o capitalismo pode cooptar até as inovações mais bem-intencionadas para servir a seus fins. Mas propostas sérias para uma infraestrutura de plataforma alternativa precisam enfrentar os fatores sociais, políticos e econômicos que nos trouxeram até este momento, e isso precisará ser abordado para possibilitar uma alternativa mais justa e democrática.

O que vem depois do Twitter?

Ao assumir o Twitter, Musk demonstrou que sua riqueza significa que ele não precisa nem se preocupar em pensar seriamente sobre as implicações de suas propostas. Em vez disso, seus planos para uma plataforma com milhões de usuários são impulsionados por sua experiência individual. Ele vê bots de spam em suas menções, então percebe que eles são um problema. Mas ele não encontra o assédio que a direita (ou o próprio Musk) pode desencadear nas pessoas, então isso não está em sua lista de prioridades. Esta não é claramente uma maneira prática, sustentável ou justa de governar a infraestrutura de massa que as plataformas de mídia social se tornaram.

É improvável que haja um êxodo em massa do Twitter por causa de Musk pela simples razão de que esse tipo de drama é exatamente o que os usuários mais dedicados do Twitter vivem. Mas é possível que sua compra seja um marco importante na história da empresa – que sinaliza o início de seu declínio e a necessidade não apenas de construir alternativas, mas de criar condições mais amplas para que prosperem – como foi no inicio da internet.

Sobre os autores

é um escritor de tecnologia canadense. Ele é o apresentador do podcast Tech Won't Save Us e autor do livro Road to Nowhere: What Silicon Valley Gets Wrong about the Future of Transportation (Verso, 2022).

Cierre

Arquivado como

Published in América do Norte, Análise, Capital, Política and Tecnologia

DIGITE SEU E-MAIL PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER

2019 © - JacobinBrasil. Desenvolvido por Estudio Dos Ríos & Dobke | Mantido por PopSolutions.Co
WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux