A crise de saúde mental na pandemia

02/09/2020

Por
Hannah Robinson

Tradução
Deborah Almeida e David Guapindaia

Uma nova pesquisa sugere que a depressão dobrou durante a Covid-19 – e a situação se agravou mais devido a anos de cortes nos serviços de saúde mental, deixando os sistemas de apoio sucateados para lidar com a situação.

Foto: Oleg Golovnev | Shutterstock

Enquanto os países lutam com a pandemia covid-19 e suas consequências econômicas, uma outra epidemia subjacente está ocorrendo. Lockdown, uma recessão cada vez mais profunda e luto generalizado são apenas algumas das causas do impacto psicológico que o coronavírus teve na população. O ONS divulgou uma série de estatísticas mostrando que antes da pandemia, um em cada dez adultos (9,7%) experimentava alguma forma de depressão. Esse número agora saltou para um em cada cinco (19,2%).

Antes da pandemia, os serviços de saúde mental assistiram por décadas seus orçamentos sendo reduzidos. Acompanhados de baixos níveis de pessoal e moral, os serviços sem fundos lutam para fornecer cuidados básicos. Cada vez mais, é a polícia quem está na linha de frente, lidando com as crises de saúde mental, tanto no Reino Unido quanto em muitos outros lugares. Para os jovens, o problema é especialmente agudo. Embora o governo já tenha introduzido nas escolas a obrigatoriedade da educação sobre saúde mental e bem-estar, isso não vai longe o suficiente.

O Reino Unido é um dos países com números mais baixos na Europa em leitos hospitalares e psiquiatras para jovens que lutam com problemas de saúde mental. Os serviços de saúde mental para crianças e adolescentes estiveram entre os primeiros a serem privatizados. Enfrentar graves problemas de saúde mental e ser forçado a esperar meses por um encaminhamento é a dura realidade enfrentada por muitos.

Não só faltam serviços, mas as causas dos problemas de saúde mental foram negligenciadas ou se agravaram nos últimos anos. A austeridade abriu caminho para o aprofundamento das desigualdades, pobreza e oportunidades econômicas limitadas, o que a pandemia acelerou. Navegar por um sistema de seguridade social cheio de sanções, um processo degradante de asilo ou avaliações constantes nas escolas contribuem para o sofrimento psicológico, mas a responsabilidade é muitas vezes atribuída ao próprio indivíduo.

A pandemia acelerou muitas tendências, iluminando o forte contraste entre as circunstâncias de vida das pessoas. O acesso ao espaço, casas superlotadas, segurança de emprego, poupança, equipamento escolar e creche, violência doméstica, insegurança alimentar e acesso à conectividade à Internet variam enormemente em nossa sociedade – e tudo isso é relevantes para a saúde mental das pessoas. Pessoas com menos de 40 anos, mulheres, portadores de deficiência e aqueles que disseram que teriam dificuldade para pagar um custo inesperado de £ 850 foram os grupos com maior probabilidade de apresentar sintomas de depressão nas últimas pesquisas.

Conforme a recessão começa a piorar, as dificuldades que muitas pessoas estão enfrentando se tornarão mais pronunciadas. A menos que os governos mudem o curso e forneçam redes de segurança financeira decente, muito mais vidas serão perdidas nos próximos meses e anos. Aqueles que são desproporcionalmente impactados pelas desigualdades de riqueza existentes e pelos impactos da pandemia sobre a saúde precisam ser protegidos, incluindo as comunidades de minorias, muitos dos quais são trabalhadores-chave e estão na vanguarda da luta contra o Coronavírus.

É urgente evitar que as pessoas sejam despejadas ou percam o emprego – por meio da proibição dos despejos, perdoando atrasos, estendendo os esquemas de licenças de saúde e melhorando o auxílio-doença e o crédito universal. Em vez disso, a reintrodução de sanções de benefícios e reavaliação para pessoas que reivindicam benefícios por invalidez, como o governo britânico está fazendo, é nada menos do que “pavoroso” de acordo com a organização de caridade de saúde mental Mind.

A pandemia mostrou as falhas de um modo neoliberal de governança em saúde, onde um Estado dilapidado e a terceirização contribuíram para respostas desastrosas à covid-19. Mas governos como o britânico estão atirando nos próprios pés. Recentemente eles decidiram eliminar uma das agências de Saúde Pública da Inglaterra, a PHE, substituindo-a pela nova agência de saúde, NIHP, sob a direção da Baronesa Dido Harding. A PHE prestava outros serviços, incluindo saúde mental e assistência de bem-estar, que serão agora entregues às autoridades locais e ao NHS (o SUS britânico), ambos já bem privados de financiamento.

O ministro da Saúde, Matt Hancock, convidou o setor privado a “se envolver” quando anunciou o fim do PHE, prenunciando a direção que o governo deve seguir. A nova nomeada, Dido Harding, comparou a demonização de um sistema de saúde privatizado a “dar um tiro no próprio pé”, quando foi criticada por ter seguro saúde privado em 2017. Dizem que os conselhos locais estão profundamente perturbados com as reformas.

A Mind estabeleceu cinco testes para o governo lidar com essa emergência de saúde mental: investir em serviços comunitários; proteger aqueles que estão em maior risco, incluindo o enfrentamento das desigualdades encontradas  nas comunidades de minorias; reformar a Lei de Saúde Mental; fornecer uma rede de segurança financeira; e apoiar crianças e jovens. Infelizmente, a composição da sociedade foi projetada para individualizar o fracasso e colocar as pessoas umas contra as outras por um longo tempo.

Agora é a hora de colocar a saúde mental e o bem-estar no centro da política e da recuperação. Nem todas as causas da depressão são políticas, é claro. Mas é difícil contestar o impacto que a política teve, e terá, na saúde mental das pessoas. Ao abordar essa emergência de saúde mental, a responsabilidade deve ser transferida do indivíduo para o coletivo, e isso significa encontrar soluções políticas.

Sobre os autores

trabalha para uma organização de construção da paz em Antuérpia e escreve em seu tempo livre. Ela se especializou em desenvolvimento sustentável e está envolvida com a Northern Train Campaign.

Sobre o autor

Hannah Robinson trabalha para uma organização de construção da paz em Antuérpia e escreve em seu tempo livre. Ela se especializou em desenvolvimento sustentável e está envolvida com a Northern Train Campaign.