Piscina pública para todos

16/12/2019

Por
Douglas Murphy

Tradução
Cauê Ameni

Sob o capitalismo, as piscinas privadas nas coberturas dos prédios luxuosos pontilham os céus de nossas cidades – mas, sob o socialismo, a piscina pública poderia reverter esse cenário e ser um investimento cívico para uma vida mais saudável dentro das cidades.

As famílias desfrutam da piscina pública de Battersea Park Lido em Londres na década de 1960. (Foto de Archive Photos / Getty Images)

Um debate intrigante sobre o colapso do Império Romano está relacionado à questão do banho público. No início do século V, muitos britânicos continuaram usando togas e falando latim, mas, infelizmente, permitiram que sua tecnologia mais sofisticada – as piscinas – se perdesse na história. Pode não ter havido um evento cataclísmico, no entanto, para muitos estudiosos o banho público representava a própria civilização.

O banho social tem uma variedade de tradições em todo o mundo, em muitos casos derivadas de rituais, como os banhos clássicos do Império Otomano. Em todos os lugares em que são encontrados, os banhos exigem formas de arquitetura muito particulares, em particular um conjunto complexo de requisitos técnicos que ajustam a água e o ar com a presença de corpos humanos nus. Além dos sistemas mecânicos, os banhos são tradicionalmente projetados com estilos e decorações que conversam com um ambiente sensual.

Nos últimos anos, houve um ressurgimento da natação ao ar livre no Reino Unido, com campanhas para salvar os restos arquitetônicos para que multidões entusiasmadas pela piscina pública voltasse, paralelamente a uma enxurrada de novas construções de piscinas. Isso incentivou o V&A Museum a realizar um programa chamado Into the Blue: The Origin and Revival of Pools, Baths and Lidos, que mostra como a piscina pública comunica com uma tipologia de valores que relaciona sociabilidade, lazer, saúde e prazer.

No Reino Unido, o banho como empreendimento público permaneceu inativo até os dias que começaram a se preocupar com a saúde no final do século XVIII, com o crescimento de resorts à beira-mar e cidades termais. Então, no século XIX industrializado e municipalizado, a Lei de Banhos e Lavanderias Públicas de 1846 permitiu que as autoridades locais construíssem instalações públicas para banho, um exemplo típico de provisão social sob o pretexto de “melhoria”. Um grande número de banhos vitorianos e eduardianos, decorados com ornamentos, foi construído e alguns ainda são utilizados até hoje.

O modernismo arquitetônico ficou obcecado com a saúde e a higiene e, quando combinado com o crescente lazer do século XVIII, o resultado foi a construção de um grande número de piscinas nas cidades. Eles costumavam ser encontrados em resorts marítimos acessíveis até recentemente, com paredes de concreto cortando piscinas sem mar mesmo à beira da água, mas também podem ser encontradas nas cidades centrais. A maior do mundo foi por muitos anos a Moscow Pool, uma instalação ao ar livre construída no Palácio dos Sovietes, um arranha-céu planejado por Stalin que foi cancelado após sua morte. A arquitetura costumava ser no estilo Art-Deco, cuja modernidade descontraída se adéqua à busca de prazer entre as guerras, com restrições morais relaxantes que permitem um maior prazer social do corpo.

Moscow Pool

A escultura estrutural possibilitada por novos materiais como concreto armado também se prestava à arquitetura de banhos públicos, com pranchas de mergulho e tetos abobadados se tornando parte do repertório, muitas vezes implantado como uma metáfora formal para os esforços e exercícios corporais que estavam sendo realizados no interior dos espaços. Uma tradição que continuou com projetos como a piscina de Zaha Hadid, feita para as Olimpíadas de 2012 e que agora se tornou uma piscina pública.

Após a guerra, o período do estado de bem-estar assistiu ao surgimento da arquitetura de centros de lazer, com edifícios impressionantes, mas geralmente desonestos, com suas piscinas olímpicas de 50m, facilmente atendidas na Era da energia barata, um tipo que gradualmente se transformou na Inglaterra em um local de excelência institucional com piscinas onduladas, calhas e placas que proibiam a “carícia entre as pessoas”. O atletismo aqui ficou atrás da piscina local, tornando-se mais uma cultura familiar e juvenil, de entretenimento social e parte integrante do crescimento britânico.

Centros de lazer e piscinas públicas foram projetos populares durante os anos do Novo Trabalhismo, com dinheiro fácil revestido das loterias e outras formas de investimento rápido, permitindo que as autoridades locais investissem nesses marcas históricas da generosidade municipal. Além dos problemas com a aquisição de locais daquele período e a arquitetura e construção muitas vezes precárias, as qualidades públicas dos banhos pós-2000 são claras: à medida que a cultura da natação se tornou mais voltada para o exercício e uma variedade de outras atividades para pessoas idosas, ampliaram a demanda por saúde pública nas piscinas locais.

Vale a pena considerar a imagem da piscina pública contra seu primo particular; este último é um símbolo potente de luxo e exclusividade, com tanta frequência – como na famosa foto de Tuca Viera em Paraisópolis da piscina dentro do condomínio de luxo em São Paulo com vista para uma favela vizinha – colocada no alto para que os banhistas tenham uma melhor visão do mundo que dominam. Essa qualidade pode ser revertida, como visto no vasto conjunto habitacional social de Viena Alt-erlaa, cujas torres são cobertas por piscinas. Entretanto, nos últimos anos houve propostas loucas em empreendimentos de luxo britânicos, como piscinas de ‘infinito’ privadas no topo de prédios de 55 andares ou de piscinas em forma de ponte com fundo de vidro que se estendem entre edifícios, frivolidades arbitrárias que demonstram como a piscina pode ser um símbolo de desigualdade e consumo conspícuo.

Favela de Paraisópolis, SAO PAULO, BRASIL, 2005 / Foto: Tuca Vieira

Como tipologia, a piscina pública também tem problemas – entre os quais o requisito para aquecer tantas toneladas de água, que podem facilmente se tornar proibitivamente caras. Mesmo sua abertura pública não é totalmente dada, pois, a onda de calor do verão, a alta demanda e o estresse do superaquecimento não são um bom presságio para as próximas temporadas de verão. Porém, consideradas partes da cidade, as piscinas públicas representam um investimento cívico para uma vida mais saudável dentro das cidades.

Publicado na Tribune

Sobre os autores

é escritor, professor e arquiteto. Seu último livro publicado se chama "Nincompoopolis: The Follies of Boris Johnson" (Repeater, 2017).

Sobre o autor

Douglas Murphy é escritor, professor e arquiteto. Seu último livro publicado se chama "Nincompoopolis: The Follies of Boris Johnson" (Repeater, 2017).